a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
35

Jacob de novo em Betel

351Deus disse a Jacob: «Sai daqui, vai viver para Betel35,1 Também Abraão foi de Siquém para Betel e lá construiu um altar (12,6–8). Para Jacob trata-se do regresso ao lugar onde Deus lhe aparecera. e constrói lá um altar ao Deus que te apareceu, quando ias a fugir do teu irmão, Esaú.» 2Jacob deu então a todos os da sua família e aos que o acompanhavam a seguinte ordem: «Deitem fora todos os deuses estranhos35,2 Trata-se de ídolos familiares tal com os referidos em 31,19. que trazem convosco. Purifiquem-se e vistam outra roupa. 3Vamos sair daqui e dirigir-nos para Betel. Quero construir lá um altar ao Deus que me ajudou, quando eu estava em aflição, e que sempre me acompanhou por onde tenho andado.»

4Deram então a Jacob todos os deuses estranhos que traziam consigo e os brincos35,4 Assim associados com os ídolos, os brincos em questão deviam representar símbolos religiosos pagãos. que usavam nas orelhas. E Jacob enterrou tudo debaixo da azinheira que estava junto de Siquém.

5Puseram-se a caminho e Deus fez com que os habitantes das cidades à sua volta tivessem muito medo deles, de modo que ninguém saiu em perseguição de Jacob e dos seus. 6Jacob chegou com todos os seus a Luz, localidade da terra de Canaã, que se chama também Betel. 7Lá edificou um altar e chamou àquele lugar santuário do Deus de Betel, porque Deus ali se lhe tinha revelado, quando ele ia a fugir do seu irmão.

8Débora, ama de Rebeca, morreu e foi sepultada perto de Betel, debaixo do carvalho; por isso, Jacob deu-lhe o nome de Carvalho do Pranto35,8 Podia tratar-se do Carvalho de Moré mencionado em 12,6..

9Deus apareceu de novo a Jacob, depois de este ter regressado da Mesopotâmia, e abençoou-o 10com estas palavras:

«O teu nome é Jacob,

mas já não serás conhecido pelo nome de Jacob.

Serás conhecido pelo nome de Israel35,10 Ver 32,29 e nota.

Deus deu-lhe o nome de Israel 11e declarou-lhe ainda:

«Eu sou o Deus supremo35,11 Ver 17,1 e nota..

Que sejas fértil e que os teus descendentes se multipliquem,

de modo que deles se cheguem a formar um e muitos povos

e chegue a haver reis entre os teus descendentes.

12A terra que já dei a Abraão e a Isaac

vou dar-ta a ti agora

e hei de dá-la igualmente aos teus descendentes, depois de ti35,12 Ver 17,4–8; 26,3.

13Depois de Deus se ter retirado de junto dele, 14Jacob levantou, naquele mesmo lugar onde Deus tinha falado com ele, um monumento de pedra e consagrou-o, derramando sobre a pedra vinho e azeite.

15Deste modo, Jacob deu o nome de Betel35,15 Ver 28,18–19. àquele lugar onde Deus tinha falado com ele.

Morte de Raquel

16Partiram de Betel e, quando estavam ainda a alguma distância de Efrata35,16 Efrata é o nome antigo de Belém, a poucos quilómetros ao sul de Jerusalém., Raquel sentiu as dores de parto e teve um parto bastante difícil. 17Ao vê-la assim em dificuldades, a parteira disse-lhe: «Não tenhas medo! Tens aqui outro rapaz!» 18Ao morrer, antes de dar o último suspiro, Raquel deu ao seu filho o nome de Benoni35,18 Benoni pode significar, em hebraico, “filho do meu sofrimento”.. Mas o pai mudou-lhe o nome para Benjamim35,18 Benjamim pode significar, em hebraico, “filho da direita, do sul, da boa sorte”.

19Raquel morreu e foi sepultada junto do caminho para Efrata, isto é, Belém. 20Jacob levantou então um monumento sobre o túmulo dela, que ainda hoje se chama monumento do túmulo de Raquel.

21Israel prosseguiu viagem e foi colocar a sua tenda para além de Migdal-Éder35,21 Migdal-Éder, que significa “Torre do Rebanho”, representa uma localidade perto do monte Sião.. 22Quando já estava a viver naquela região, Rúben foi ter com Bilá, concubina de seu pai, e dormiu com ela. Mas o assunto chegou ao conhecimento do pai.

Os filhos de Jacob

(1 Crónicas 2,1–2)

Jacob tinha doze filhos. 23Nascidos de Lia, eram Rúben, o filho mais velho, Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zabulão; 24nascidos de Raquel, eram José e Benjamim; 25nascidos de Bilá, escrava de Raquel, eram Dan e Neftali; 26nascidos de Zilpa, escrava de Lia, eram Gad e Asser. Estes filhos nasceram-lhe quando Jacob se encontrava ainda na Mesopotâmia.

27Jacob foi ver depois o seu pai, Isaac, em Mambré, também chamada Quiriat-Arbá, isto é, Hebron. Antes de Isaac, já Abraão ali tinha vivido também.

28Isaac tinha cento e oitenta anos de idade quando morreu. 29Viveu feliz até essa idade avançada e foi juntar-se aos seus antepassados. Os seus filhos, Esaú e Jacob, deram-lhe sepultura.

36

Descendentes de Esaú

(1 Crónicas 1,34–54)

361Esta é a história da família de Esaú, isto é, Edom36,1 Sobre o significado de Edom, ver 25,30 e nota.. 2Esaú casou com mulheres de Canaã, a saber, Ada, filha do hitita Elon, e Olibama, filha de Aná e neta de Sibeon, o heveu, 3e Bassemat, filha de Ismael e irmã de Nebaiot.

4De Ada teve Esaú um filho, de nome Elifaz, e de Bassemat, Reuel. 5Olibama deu à luz Jeús, Jalam e Corá.

Estes foram os filhos de Esaú, nascidos na terra de Canaã.

6Um dia Esaú saiu para outra região, longe do seu irmão Jacob, levando consigo as suas mulheres e filhos bem como os que viviam com ele. Levou os seus gados e animais domésticos e todos os bens que tinha conseguido arranjar, enquanto esteve na terra de Canaã. 7Ambos tinham já demasiadas riquezas para poderem viver juntos. A terra de Canaã não tinha espaço suficiente para lá viverem os dois, por causa dos muitos rebanhos que possuíam. 8Por isso, Esaú foi viver para a região montanhosa de Seir, ou seja Edom.

9Esta é a história da família de Esaú, que é o antepassado dos habitantes de Edom, na região montanhosa de Seir. 10São estes os seus filhos: Elifaz, filho de Ada, e Reuel, filho de Bassemat, ambas mulheres de Esaú. 11Os filhos de Elifaz foram: Teman, Omar, Sefo, Gatam e Quenaz. 12Elifaz, filho de Esaú, tinha uma concubina chamada Timna e esta deu à luz o seu filho Amalec. E estes foram os descendentes de Ada, uma das mulheres de Esaú.

13Os filhos de Reuel foram estes: Naat, Zera, Chamá e Miza. Estes eram descendentes de Bassemat, outra das mulheres de Esaú.

14A outra mulher de Esaú, Olibama, filha de Aná e neta de Sibeon, deu-lhe também os seguintes filhos: Jeús, Jalam e Corá.

15Foram estes os chefes dos descendentes de Esaú: dos descendentes de Elifaz, filho mais velho de Esaú, os chefes foram Teman, Omar, Sefo, Quenaz, 16Corá, Gatam e Amalec. Estes foram os chefes dos descendentes de Elifaz, na região de Edom, e todos eram descendentes de Ada.

17Dos filhos de Reuel, filho de Esaú, os chefes foram Naat, Zera, Chamá e Miza. Estes eram chefes dos descendentes de Reuel, na região de Edom, e eram descendentes de Bassemat, mulher de Esaú.

18Dos filhos de Olibama, filha de Aná e mulher de Esaú, os chefes foram Jeús, Jalam, Corá, todos descendentes de Olibama.

19São estes os descendentes de Esaú, isto é, de Edom, com os seus chefes.

20Estes são os filhos de Seir, o horrita, que habitavam na região: Lotan, Chobal, Sibeon, Aná, 21Dichan, Écer e Dichan. Foram estes os chefes dos horritas, descendentes de Seir, na região de Edom. 22Os filhos de Lotan foram Hori e Hemam. Lotan tinha também uma irmã chamada Timna. 23Os filhos de Chobal foram Alvan, Manat, Ebal, Chefi e Onam. 24Os filhos de Sibeon foram Aiá e Aná. E foi este Aná que encontrou nascentes36,24 O significado exato desta palavra hebraica é desconhecido. Algumas versões antigas optam por nascentes, como a siríaca; outras preferem traduzir por nascentes quentes, como a latina. no deserto, quando guardava os burros do seu pai, Sibeon.

25Aná tinha um filho, chamado Dichan e uma filha, chamada Olibama. 26Os filhos de Dichan foram Hemedan, Esban, Jitran e Queran.

27Os filhos de Écer foram Bilan, Zavan e Acan. 28Os filhos de Dichan foram Uce e Aran.

29Estes foram os chefes dos horritas: Lotan, Chobal, Sibeon, Aná, 30Dichan, Écer, Dichan. Eram chefes de todos os clãs de horritas, na região de Seir.

31Estes foram os reis que reinaram em Edom, antes de haver reis em Israel. 32Bela, filho de Beor, foi rei de Edom e a sua cidade capital era Dinaba. 33Bela morreu e sucedeu-lhe Jobab, filho de Zera, de Bosra. 34Jobab morreu e sucedeu-lhe Hucham, da região de Teman. 35Hucham morreu e sucedeu-lhe Hadad, filho de Bedad, aquele que derrotou os de Madiã nas planícies de Moab e tinha a sua capital em Avit. 36Hadad morreu e sucedeu-lhe Samelá, natural de Massereca. 37Samelá morreu e sucedeu-lhe Saul de Reobot, junto ao rio. 38Morreu Saul e sucedeu-lhe Baal-Hanan, filho de Acbor. 39Baal-Hanan, filho de Acbor, morreu e sucedeu-lhe Hadar, natural da cidade de Paú. A sua mulher, Metabiel, era filha de Matred e neta de Mezaab.

40Estes são os chefes dos descendentes de Esaú, que dão o nome aos vários clãs em diversos lugares: Timna, Alva e Jetet; 41Olibama, Elá e Pinon; 42Quenaz, Teman e Mibsar; 43Magdiel e Iram.

Esaú foi antepassado dos habitantes de Edom. E estes foram os seus chefes, conforme o lugar onde cada um habitava, na região que lhes pertencia.

37

Sonhos proféticos de José

371Jacob instalou-se na terra de Canaã, onde o seu pai tinha habitado algum tempo. 2A história de Jacob continua aqui.

José era um jovem de dezassete anos e guardava as ovelhas do seu pai, juntamente com os seus irmãos, filhos de Bilá e de Zilpa, que eram mulheres do seu pai37,2 Ver 16,2 e nota; 30,1–13; 35,25–26.. E ia contar ao pai o mau comportamento dos irmãos.

3Israel gostava mais de José do que de qualquer outro filho, por ter nascido quando ele já era mais velho, e ofereceu-lhe uma capa muito vistosa37,3 Expressão hebraica difícil, dando origem a variadas traduções.. 4Ao verem os seus irmãos que o pai gostava mais dele do que de qualquer um dos outros, começaram a detestá-lo e nem sequer o saudavam.

5Uma vez, José teve um sonho e foi contá-lo aos seus irmãos, e daí em diante ficaram a ter ainda mais inveja dele do que antes. 6José disse-lhes: «Ouçam lá o sonho que eu tive. 7Estávamos nós a atar os feixes no campo e, nisto, o meu feixe levantou-se e ficou de pé, enquanto os vossos feixes que estavam à sua volta se inclinavam diante dele.»

8Os irmãos replicaram: «Será que tu vais ser o nosso rei, para seres tu a mandar em nós?» E por causa dos sonhos e da explicação que ele deu, ainda mais o detestaram.

9José teve outro sonho e contou-o também aos seus irmãos. Disse-lhes ele: «Tive outro sonho. Era o Sol e a Lua e onze estrelas que se inclinavam diante de mim.» 10Quando contou este sonho ao seu pai e aos seus irmãos o pai repreendeu-o e disse-lhe: «Que sonho é esse que tu tiveste? Será que eu e a tua mãe temos de ir inclinar-nos até ao chão diante de ti?» 11Com isto, os seus irmãos tinham ainda mais inveja dele37,11 Comparar com At 7,9. e o seu pai pensava com frequência naquele sonho.

José vendido pelos irmãos

12Um dia os irmãos de José tinham ido guardar o rebanho do seu pai para a região de Siquém, 13e Israel disse a José: «Os teus irmãos andam a guardar o rebanho em Siquém e eu queria que fosses ter com eles.» José respondeu: «Vou, sim!» 14Jacob continuou: «Vai ver como é que estão os teus irmãos e como vão os rebanhos e manda-me dizer alguma coisa.» Jacob estava no vale de Hebron quando enviou José. Mas ao chegar a Siquém, 15José perdeu-se do caminho. Alguém o encontrou às voltas pelo campo e lhe perguntou: «Que é que andas a procurar?» 16Ele respondeu: «Ando à procura dos meus irmãos; diz-me, por favor, onde é que eles andam a guardar o gado.» 17Aquele homem disse-lhe: «Foram-se embora daqui. Ouvi-os dizer que iam para Dotan.»

Então José dirigiu-se para Dotan à procura dos seus irmãos e encontrou-os em Dotan. 18Os irmãos viram-no quando vinha ainda longe e, antes de ele se aproximar, fizeram planos para o matar. 19Por isso, diziam uns para os outros: «Lá vem aquele sonhador. 20Aproveitemos agora! Matamo-lo e atiramo-lo a um poço dos que há por aí e depois dizemos que foi uma fera que o devorou. Veremos em que é que param os seus sonhos.»

21Rúben ouviu isto e quis evitar que eles o matassem. Por isso, disse-lhes: «Não o matemos!» 22E continuou: «Não lhe tirem a vida. Atirem-no para aquele poço que está no deserto, mas não lhe façam mal.» O que pretendia era livrá-lo das suas mãos, para o entregar ao pai.

23Quando José chegou junto dos irmãos; eles tiraram-lhe aquela capa vistosa que trazia, 24agarraram-no e atiraram-no para um poço que estava seco e sem água nenhuma.

25Depois sentaram-se a comer e repararam que uma caravana de ismaelitas vinha ao longe, dos lados de Guilead. Nos seus camelos transportavam resinas, bálsamos e unguentos e iam a caminho do Egito. 26Judá disse então aos irmãos: «Que proveito temos nós em matar o nosso irmão e depois ocultar a sua morte? 27Vamos mas é vendê-lo àqueles ismaelitas. Não lhe façamos mal, porque afinal é nosso irmão e é do nosso sangue.» E os irmãos concordaram.

28Quando aqueles comerciantes ismaelitas de Madiã chegaram ali, os irmãos tiraram José para fora do poço e venderam-no aos ismaelitas por vinte moedas de prata. Estes levaram José para o Egito.

29Quando Rúben voltou de novo ao poço e viu que José já lá não estava, rasgou as roupas em sinal de tristeza, 30voltou para junto dos seus irmãos e disse-lhes: «O rapaz já cá não está! Que vou eu fazer agora?»

31Então os irmãos pegaram na capa de José, mataram um cabrito, mancharam-na com o sangue desse cabrito 32e enviaram-na ao pai com este recado: «Encontrámos isto. Vê lá se é ou não a capa do teu filho.» 33Jacob reconheceu-a e exclamou: «É realmente a capa do meu filho. Foi uma fera que destroçou e devorou José.»

34Jacob rasgou as suas roupas, cobriu-se de tecido grosseiro em sinal de tristeza e guardou o luto durante muito tempo pelo filho. 35Todos os seus filhos e filhas tentaram confortá-lo, mas ele recusava esse conforto e repetia: «Quero continuar de luto até descer ao sepulcro para ir ter com o meu filho.» E assim continuava a chorar pelo filho. 36No Egito os madianitas venderam José a Potifar, que era um alto funcionário e chefe da guarda do faraó.