a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
2

Salvação

21«Mas virá o dia em que o povo de Israel será tão numeroso2,1 O número incontável dos filhos de Israel faz parte de uma das três promessas feitas a Abraão, Isaac e Jacob. Ver Gn 12,2; 22,17; 26,4; 28,14. como as areias da praia, que não se podem medir nem contar. E, em vez de Deus os chamar Não-é-Meu-Povo, serão chamados filhos do Deus vivo.

2Então Judá e Israel hão de ficar de novo unidos; escolherão um único chefe e hão de levantar-se do abismo, porque chegou o grande dia de Jezrael2,2 O que se anuncia no v. 1, segundo a nota precedente, é anunciado pelo significado de Jezrael: “Deus semeia”. O dia de Jezrael é o dia da prosperidade e da bênção.. 3Chamem aos vossos irmãos Meu-Povo e às vossas irmãs Bem-Amada.»

Israel, esposa infiel

4«Acusem Israel, vossa mãe, acusem-na2,4 Deus entra em processo judicial contra o seu povo. Ver Os 4,1; 12,3; Is 1,18; 3,13–15; Mq 6,1–2.,

pois ela já não é minha mulher

e eu já não sou seu marido.

Que ela retire do rosto as marcas da sua prostituição,

e do peito, os sinais do seu adultério2,4 Prostituição. Adultério. A idolatria de Israel é comparada à prostituição, e a sua infidelidade ao adultério. Ver Os 1,2; Jr 2,20; 3,1; 5,7; 13,27..

5De contrário, vou deixá-la completamente nua

e mostrá-la como no dia em que nasceu.

Transformarei a sua terra em deserto e terra seca,

e farei com que morra de sede.

6Não terei amor pelos seus filhos,

porque são filhos duma prostituta,

7uma vez que a sua mãe se prostitui

e leva uma vida vergonhosa.

Ela mesma dizia: “Vou ter com os meus amantes,

aqueles que me dão o meu pão e a minha água,

a minha lã e o meu linho, o meu óleo e o meu vinho.”

8Por isso, vou tapar-lhe o caminho

com uma sebe de espinhos,

e cercá-la de um muro para não encontrar o caminho.

9Procurará conquistar os seus amantes,

mas não o vai conseguir,

andará atrás deles e não os encontrará.

Então dirá: “Vou regressar ao meu primeiro marido,

porque eu era bem mais feliz então do que agora.”

10Ela não compreendia que era eu quem lhe dava

o trigo, o vinho e o azeite,

o ouro e a prata em abundância,

de que se servia para o culto a Baal.

11Por isso, vou tirar-lhe o meu trigo no tempo da ceifa

e o meu vinho no tempo das vindimas.

Vou-lhe retirar a minha lã e o meu linho,

para ela ficar completamente nua.

12Vou deixá-la nua e envergonhada diante dos seus amantes,

e ninguém me impedirá de o fazer.

13Vou pôr fim às suas alegrias, às suas festas,

às celebrações da lua nova, aos seus sábados

e a todas as outras solenidades.

14Devastarei as suas vinhas e as suas figueiras,

das quais ela dizia: “Esta é a paga

que me deram os meus amantes.”

Farei delas um matagal

que será devorado pelos animais do campo.

15Vou pedir-lhe contas por ter prestado culto

aos ídolos de Baal,

pelo fumo dos sacrifícios que lhes oferecia.

Ataviada com anéis e colares

corria atrás dos seus amantes,

esquecendo-se que eu existia.

Palavra do Senhor!

16Mas um dia, vou reconquistá-la,

vou conduzi-la ao deserto,

e falar-lhe ao coração.

17Então lhe darei novamente as suas vinhas,

e o desgraçado vale de Acor2,17 Vale de Acor. Literalmente: vale da Desgraça. Situado provavelmente na região de Jericó. Ver Js 7,26.

tornar-se-á para ela uma porta de esperança.

E ela vai responder ao meu amor como quando era jovem,

no tempo em que saiu do Egito.»

A reconciliação

18«Naquele dia, ela há de chamar-me

“meu marido” e não mais me tratará por meu senhor, Baal.

19Retirarei da sua língua o nome do deus Baal,

e nunca mais se lembrará dele.

20Então concluirei a favor do meu povo uma aliança

com os animais dos campos2,20 Ver Is 11,6–9; 65,25; Ez 34,25; Jb 5,23; Mc 1,13.,

com as aves do céu

e todos os bichos da terra.

Farei desaparecer do país

armas de guerra, arcos e espadas,

de modo que o meu povo possa viver tranquilo.

21Israel, o meu casamento contigo é eterno

e este casamento terá, para sempre,

lealdade e justiça, amor e ternura.

22Vou-me casar contigo e serei fiel

e tu hás de reconhecer que eu sou o Senhor.

23Naquele dia, responderei às necessidades do céu;

este responderá às necessidades da terra2,23 Para enviar a chuva à terra, o céu tem necessidade de a receber de Deus..

Palavra do Senhor!

24A terra, por sua vez, responderá com trigo,

vinho novo e azeite,

e todos estes produtos responderão à planície de Jezrael2,24 Jezrael. O profeta joga com a etimologia deste nome: “Deus semeia”. Ver nota a 2,1–2. É por isso que no v. 25 se diz: o país será para mim uma boa sementeira..

25Então o país será para mim uma boa sementeira,

amarei a que era chamada Mal-amada,

e ao que era chamado Não-é-Meu-Povo

hei de dizer: Tu-és-o-Meu-Povo;

e ele me responderá: Meu Deus!»

3

Amar a esposa infiel

31O Senhor disse-me: «Vai outra vez e ama essa mulher, mesmo que seja amante de outro e viva em adultério. Faz como eu, o Senhor, que amo os israelitas, apesar de se voltarem para outros deuses, desejosos das tortas de uvas3,1 Tortas de uvas. Alimento utilizado nos cultos pagãos. Ver Is 16,7; Jr 7,18; 44,19.2Recuperei então a minha mulher3,2 O texto hebraico dos v. 1–2 pode referir-se à mulher de que fala o cap. 2 ou a uma outra. por quinze moedas de prata e seiscentos litros de cevada. 3Por isso, lhe digo: «Viverás comigo por muito tempo. Não pratiques a prostituição, nem te entregues a homem algum. E eu farei o mesmo para contigo.»

4Também o povo de Israel ficará por muito tempo sem rei e sem chefes, sem sacrifícios e sem monumentos religiosos, sem insígnias nem dados para oráculos3,4 Dados para oráculos. Objetos acerca dos quais pouco se sabe; em hebraico “efod” e “terafim”. Serviam para consultar a Deus. Ver Jz 17,5; 18,14.. 5Mais tarde, o povo de Israel voltará a procurar o Senhor, seu Deus, e o descendente de David para seu rei. No futuro, procurarão com todo o respeito o Senhor e os seus favores.

4

Deus acusa o seu povo

41Ouçam a palavra do Senhor, habitantes de Israel.

O Senhor chama a tribunal os habitantes do país:

«Não há lealdade, nem bondade,

nem conhecimento de Deus nesta terra.

2Amaldiçoa-se, atraiçoa-se, assassina-se e rouba-se;

os adultérios multiplicam-se

e os homicídios sucedem-se uns aos outros.

3Por isso, a seca vai causar estragos no país:

os seus habitantes vão morrer,

juntamente com os animais do campo e as aves do céu;

e até os peixes vão desaparecer.»

Pecado dos sacerdotes

4«Que ninguém acuse, nem repreenda,

eu é que te vou acusar, ó sacerdote!

5Tu hás de tropeçar, durante o dia,

e o teu aliado, o profeta, há de tropeçar de noite;

a tua própria pátria ficará destruída.

6O meu povo está destruído, porque não me reconhece.

E o culpado és tu, que os impediste de me conhecerem.

Também eu te afastarei de mim,

e não serás mais meu sacerdote4,6 Os sacerdotes tinham por obrigação conservar e transmitir o ensino (lei) de Deus. Ver Dt 33,10..

7Todos os sacerdotes pecaram contra mim;

também eu mudarei a sua dignidade em vergonha.

8Alimentam-se dos sacrifícios

que o meu povo me oferece pelos pecados

e só desejam que o povo continue a pecar.

9Mas os sacerdotes serão tratados como o povo:

vou castigá-los por causa dos seus maus caminhos,

e terão que pagar pelas suas más ações.

10Comerão, mas não ficarão saciados,

prostituir-se-ão, mas isso não dará fruto.

Eles esqueceram-me, a mim, o Senhor,

para praticarem a prostituição.

11A vida desregrada e as bebedeiras

fazem perder o juízo ao meu povo.

12Andam a consultar os ídolos de madeira;

é a um pedaço de madeira4,12 Pedaço de Madeira. Alusão a práticas religiosas com o fim de conhecer o futuro. O ídolo é chamado ironicamente “pedaço de madeira”. Ver Jz 6,25–26. que eles vão pedir

que lhes revele qualquer mistério.

O desejo de prostituição extravia-os,

e, assim, afastam-se do seu Deus.

13Fazem banquetes pagãos no cimo das montanhas,

e nas colinas sobe o fumo dos seus sacrifícios,

debaixo dos carvalhos, dos choupos e terebintos,

cuja sombra lhes é agradável.

É por tudo isto que as vossas filhas se prostituem

e as vossas noras cometem adultério.

14Mas não vou castigar as vossas filhas

por se prostituírem,

nem as vossas noras por cometerem adultério,

pois são os homens que vão ter com as prostitutas

e oferecem sacrifícios com as prostitutas dos templos.

E um povo sem juízo é um povo perdido.

15Se tu, Israel, praticas a prostituição,

que ao menos Judá não cometa tais faltas!

Deixem de frequentar o lugar santo de Guilgal,

deixem de subir a Bet-Aven4,15 Guilgal. Lugar de culto no antigo Israel. Ver Js 4,19–20; 5,2–9. Bet-Aven significa “casa de pecado”. Aparece aqui como nome de desprezo da cidade de Betel, que significa “casa de Deus”. Ver Am 3,14; 4,4; 5,5.,

deixem de jurar, dizendo: “Juro pelo Deus vivo!”

16Se Israel é como uma vaca brava a morrer,

poderá o Senhor deixá-los pastar em campo aberto?

17O povo de Efraim4,17 Efraim. Nome da principal tribo israelita do Norte. Aqui designa todo o conjunto do reino de Israel. apegou-se aos ídolos. Deixem-no!

18Quando terminam as suas bebedeiras,

entregam-se à vida de prostituição.

Os seus chefes gostam de viver na desonra.

19Um furacão vai envolvê-los nas suas asas,

e hão de ter vergonha dos seus sacrifícios.»