a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
5

Pecados dos responsáveis de Israel

51«Escutem com atenção o que vos digo,

ó sacerdotes e dirigentes de Israel

e funcionários da corte real!

Competia-vos estabelecer a justiça5,1 Ou: esta é a sentença contra vós..

Mas vocês foram uma armadilha em Mispá5,1 Mispá. Na Bíblia várias localidades são designadas por este nome. Aqui refere provavelmente uma localidade 13 km a norte de Jerusalém.,

uma rede estendida no monte Tabor5,1 Monte Tabor. Sitim. Centros de culto cananeus contestados por Oseias, juntamente com Bet-Aven e Guilgal. Ver nota a 4,15.

2e um fosso profundo em Sitim.

Por isso, vou castigar-vos a todos.

3Eu conheço bem Efraim,

Israel não é para mim um desconhecido.

Sim, tu, Efraim entregaste-te à prostituição

e Israel encontra-se contaminado.

4As suas ações não lhes permitem

converter-se ao seu Deus;

domina-os o desejo da prostituição

e por isso desconhecem o Senhor.

5A arrogância de Israel é uma acusação contra si próprio.

Israel e Efraim tropeçam nos seus crimes,

e até Judá se deixa arrastar com eles.

6Com ovelhas e vacas para oferecer,

irão procurar a benevolência do Senhor,

mas não o encontrarão,

porque o Senhor se afastou deles.

7Atraiçoaram o Senhor, gerando filhos bastardos5,7 Filhos bastardos. Ver 1,2.,

mas agora, em menos de um mês,

um intruso vai devorar-lhes

tudo quanto possuem5,7 Outra tradução: os gafanhotos devorarão as suas propriedades.

Guerra entre Efraim e Judá

8«Toquem trombeta em Guibeá e cornetins em Ramá,

lancem o grito de guerra em Bet-Aven5,8 Guibeá. Ramá. Bet-Aven. A localização destas povoações obedece à progressão das tropas de Judá contra o reino de Israel em 733 a.C.!

Cuidado com o que se passa atrás de ti, Benjamim!

9Efraim será uma desolação no dia do castigo.

O que anuncio às tribos de Israel é coisa certa.

10Os chefes de Judá portam-se como os que mudam os marcos5,10 Os dirigentes de Judá aproveitam-se das pressões dos assírios sobre o reino de Israel para mudarem as suas próprias fronteiras, roubando o terreno ao reino do Norte. Ver Dt 19,14; 27,17.;

sobre eles derramarei a minha cólera como uma torrente.

11Efraim está oprimido

e os seus direitos espezinhados,

foi mesmo uma loucura correr atrás de miragens5,11 Alusão provável à aliança militar do reino de Israel com a Síria, para resistir à ameaça da Assíria..

12Vou ser para Efraim como um abcesso

e como um cancro incurável para Judá.

13Efraim reconheceu o seu mal

e Judá a sua chaga.

Então Efraim dirigiu-se à Assíria

e mandou uma embaixada ao seu imperador.

Mas ele não vos pode curar,

nem dar remédio ao vosso mal.

14Eu, o Senhor, ataco Efraim como um animal feroz

e Judá, como um leão.

Eu mesmo apanharei a presa e a levarei,

de modo que ninguém ma poderá tirar.»

Conversão

15«Vou regressar à minha morada,

até que reconheçam as suas faltas

e se voltem para mim.

Na sua tristeza, hão de madrugar à minha procura.»

6

61O povo dirá:

«Vamos regressar ao Senhor.

Pois, ele que nos feriu também nos há de curar;

ele que nos fez a ferida também nos fará o penso.

2Ao fim de dois dias já estaremos vivos,

e ao terceiro dia ele nos levantará

e viveremos na sua presença.

3Esforcemo-nos por conhecer melhor o Senhor.

A sua vinda é certa como o aparecimento da aurora.

Virá até nós como a chuva no inverno

ou os chuviscos que, na primavera, regam a terra.

4Mas que hei de eu fazer por ti, Efraim?

Que farei por ti, Judá?

O vosso amor por mim é como a nuvem da manhã

como o orvalho matinal que logo se evapora.

5Por isso, vos ataco com a mensagem dos profetas

e vos desfaço com as palavras da minha boca.

A minha sentença aparecerá como um relâmpago.

6É a bondade que eu quero, mais do que os sacrifícios;

prefiro que me reconheçam como Deus

em vez de me oferecerem holocaustos6,6 Jesus cita este versículo em Mt 9,13; 12,7.

Infidelidades e traições

7«Mas eles, como fazem os homens6,7 Ou: como Adão. A palavra “Adam” significa homem.

violaram a minha aliança;

e assim me têm atraiçoado.

8Guilead é uma cidade de malfeitores,

cheia de marcas de sangue.

9Como malfeitores em emboscada,

assim é o bando de sacerdotes

que assassina as pessoas no caminho de Siquém6,9 Siquém. Antigo centro religioso das doze tribos de Israel. Ver Js 24,1. Era também uma cidade de refúgio. Ver Js 20,1–7..

Fazem coisas horrorosas!

10Na nação de Israel vi coisas horríveis,

a prostituição de Efraim, a contaminação de Israel.

11Também para ti, Judá, a ceifa está preparada.»

Bondade de Deus e maldade dos homens

«Quando eu queria dar prosperidade ao meu povo,

7

71e decidira curar as feridas de Israel,

eis que se descobrem os pecados de Efraim

e as maldades de Samaria.

Cometem fraudes,

os ladrões entram nas casas,

os bandoleiros assaltam pelos caminhos.

2E nenhum deles se dá conta

de que guardo na memória todas as suas maldades.

Agora veem-se enredados nas suas próprias más ações,

e eu tenho-as a todas bem presentes.»

Conspirações palacianas

3«Lisonjeiam o rei com ações criminosas

e os príncipes com as suas mentiras7,3 Alusão a golpes políticos sucessivos. Ver, como exemplo, 1 Rs 16,9–10..

4São todos uns traidores,

assemelham-se a um forno aceso,

que o padeiro deixa de atiçar,

desde que amassa a farinha até que esta levede.

5No aniversário do rei, por causa das bebedeiras,

os chefes colaboram com os agitadores.

6Nas suas intrigas o seu coração arde como um forno.

Durante a noite o seu ardor adormece,

mas pela manhã queima como um fogo abrasador.

7Todos eles ardem como um forno

e devoram os seus governantes.

Todos os seus reis vão caindo

e nenhum deles pede a minha ajuda.»

Alianças desastrosas

8«Efraim mistura-se com os outros povos;

é como uma torta que não foi virada.

9Os estrangeiros esgotam-lhe as forças,

sem eles se darem conta;

já têm cabelos grisalhos

e não se apercebem disso.

10A arrogância do povo de Israel

testemunha contra ele mesmo.

Mas eles não se voltam para mim, o Senhor seu Deus.

Apesar de tudo isto, não me procuram.

11Efraim é como uma pomba,

ingénua e sem inteligência;

tanto pede ajuda ao Egito

como corre atrás da Assíria.

12Mas logo que partem,

lanço sobre eles a minha rede;

são apanhados como as aves do céu

e castigo-os quando vejo que estão reunidos.

13Ai deles, porque fugiram de mim!

São uns desgraçados, porque se revoltaram contra mim!

Eu bem os queria salvar,

mas eles proferem mentiras contra mim.

14Não são sinceros, quando suplicam a minha ajuda.

É certo que se lamentam nos seus leitos.

Recorrem aos deuses do trigo e do vinho,

mas a mim, desprezam-me7,14 Ver 1 Rs 18,20–29..

15E, no entanto, fui eu que os eduquei

e os tornei fortes.

Mas eles só pensaram mal de mim.

16Não é para o Deus altíssimo que se voltam;

são como um arco lançado ao acaso.

Os seus chefes morrerão na guerra,

por causa das suas palavras insolentes,

e até no Egito se hão de rir deles.»