a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
11

Um novo David

111Um novo ramo sairá do tronco de Jessé11,1 Jessé. Pai de David (1 Sm 16,1), considerado a cabeça da dinastia davídica. Aqui é comparado ao tronco de uma árvore abatida, do qual brotará um novo rebento. Modo de anunciar que Deus continuará fiel à promessa feita a David (Is 7,13; 2 Sm 5,7–16).,

e da sua raiz brotará um rebento.

2Sobre ele repousará o Espírito do Senhor:

espírito de sabedoria e entendimento

espírito de conselho e valentia,

espírito de conhecimento e de respeito pelo Senhor.

3Viverá inteiramente para honrar o Senhor.

Não julgará segundo as aparências,

nem dará sentenças pelo que ouve dizer.

4Defenderá com justiça os fracos

e com retidão, os pobres do país.

A sua palavra, como uma vara, castigará o país,

condenando à morte os malvados.

5A justiça e a verdade serão a cintura

com que ele se aperta continuamente.

6Então o lobo habitará com o cordeiro,

o leopardo deitar-se-á junto do cabrito,

o vitelo e o leão pastarão juntos;

até uma criança pequena os conduzirá.

7A vaca pastará com o urso,

as suas crias deitar-se-ão juntas,

e o leão comerá erva com o boi.

8O bebé brincará na toca da cobra,

e a criança meterá a mão no buraco da víbora.

9Não haverá mais mal nem destruição

em todo o meu Monte Santo,

porque o conhecimento do Senhor encherá o país,

tal como as águas enchem o mar11,9 Ver Is 65,25. Sobre o v. 9, ver Hc 2,14..

O regresso dos exilados

10Naquele dia,

um descendente de Jessé

será como uma bandeira levantada para os povos:

as nações virão procurá-lo

e será gloriosa a sua morada11,10 Ver Rm 15,12..

11Naquele dia,

o Senhor estenderá outra vez a sua mão

para resgatar o resto do seu povo:

os que sobreviveram da Assíria e do Egito,

de Patros, de Cuche, do Elam, da Mesopotâmia, de Hamat

e das ilhas.

12Levantará uma bandeira para que as nações saibam

que ele vai reunir os exilados de Israel

e reagrupar os judeus dispersos

dos quatro cantos da terra.

13Então acabará a inveja de Efraim

e os inimigos de Judá serão destroçados.

Efraim não terá inveja de Judá,

nem Judá se voltará contra Efraim11,13 Sobre o fim da divisão dos dois reinos, ver Jr 3,18; 23,5–6; 31,6; Ez 34,23; 37,15–28; Os 2,2; 3,5..

14Correrão lado a lado contra os filisteus, a Ocidente,

bem unidos, pilharão as tribos do Oriente.

Edom e Moab cairão nas suas mãos,

e os amonitas tornar-se-ão seus súbditos.

15O Senhor secará o golfo do mar do Egito,

e ameaçará o Eufrates com a sua mão levantada.

Com o seu sopro poderoso,

atacará os seus sete canais,

de modo a poderem ser atravessados a pé.

16E haverá um caminho plano para o resto do seu povo11,16 Alusão ao retorno dos exilados. Ver 40,3–4; 42,16; 43,19; 49,19; 57,14; 62,10.

que sobreviver da Assíria,

tal como aconteceu com os israelitas,

quando saíram do Egito.

12

Hino de louvor

121Naquele dia cantarás:

«Eu te dou graças, Senhor,

porque estavas irado contra mim,

mas a tua ira acabou e tu confortaste-me.

2Este é o Deus que me salvou:

sinto-me confiante e sem medo,

porque a minha força e coragem é o Senhor.

Ele foi a minha salvação.»

3Ireis às fontes da salvação

buscar a água com alegria.

4Naquele dia, direis:

«Dai graças ao Senhor, invocai o seu nome,

anunciai a todos os povos os seus prodígios

proclamai como o seu nome é grande.

5Cantai ao Senhor, porque fez grandes coisas,

dai-as a conhecer por toda a terra.»

6Mostra a tua alegria e júbilo, habitante de Sião!

Como é grande no meio de ti o Santo de Israel!

13

Oráculos contra as nações

O fim da Babilónia

131Mensagem contra a Babilónia13,1 Ver Is 21,1–10; 47,1–15; Jr 50—51; Ap 17—18., revelada por Deus a Isaías, filho de Amós.

2Sobre uma montanha pelada coloquem uma bandeira,

gritem forte aos guerreiros,

façam-lhes sinais com as mãos,

para que entrem pelas portas dos príncipes.

3Eu mesmo dei ordens aos meus consagrados,

recrutei os soldados da minha vingança,

os defensores entusiastas da minha honra.

4Escutem este ruído sobre as montanhas,

como se fosse o duma multidão imensa.

Escutem o tumulto de reinos e nações reunidos.

Aí vem o Senhor do Universo

passar revista ao seu exército

que vai para o combate.

5Eles vêm dum país longínquo,

dos confins do horizonte:

é o Senhor que vem com aqueles de que ele se serve,

para devastar toda a terra com furor.

6Gritem de dor, porque o dia do Senhor13,6 O dia do Senhor. O dia do castigo ou da salvação de Deus. Ver Am 5,18; Jl 1,15. Mais tarde, a escatologia judaica falará do dia do Senhor como os “últimos dias” ou os dias do “juízo final”. está perto,

como um desastre do Deus devastador13,6 Deus devastador. Tadução do título divino “Omnipotente”, que só aparece aqui no livro de Isaías, mas que se encontra em textos mais antigos. Ver Gn 17,1; 28,3; 35,11; Ex 6,3..

7Por isso, os braços desfalecerão

e todos os homens perderão a coragem.

8Eles estão desmoralizados,

apanhados pelo terror e pela angústia.

Torcem-se como a mulher que dá à luz.

Olham uns para os outros aterrados,

com os rostos da cor do fogo.

9Eis que chega o dia do Senhor,

dia cruel, de furor transbordante e ardente.

Vem fazer da terra uma desolação

e exterminar dela os pecadores.

10As estrelas no céu e as constelações

nunca mais darão brilho.

O Sol, ao despontar, torna-se escuro,

e a Lua não irradia a sua luz13,10 Descrição apocalíptica do dia do Senhor. Ver Ez 32,7; Mt 24,29; Mc 13,24–25; Lc 21,25; Ap 6,12–13; 8,12..

11«Eu intervirei — diz o Senhor,

contra a maldade do mundo,

contra os crimes dos perversos.

Porei fim à soberba dos insolentes

e humilharei o orgulho dos tiranos.

12Farei com que os homens sejam mais raros

que o ouro fino, que o ouro de Ofir13,12 Ouro de Ofir. Ver 1 Rs 9,28; 10,11; 22,49; Sl 45,10; Jb 22,24; 28,16..

13Para tanto, sacudirei os céus,

e a terra será abanada desde os seus fundamentos.

É a manifestação do furor do Senhor do Universo,

o dia da sua ardente ira.

14Serão como uma gazela perseguida,

como rebanho sem pastor13,14 Ver 1 Rs 22,17; Ez 34,5; Mc 6,34..

Cada qual procurará o seu próprio povo

ou tentará fugir para o seu país.

15Quem for apanhado será atravessado pelas flechas,

quem for agarrado será morto à espada.

16As suas crianças serão espezinhadas à vista deles,

as suas casas serão pilhadas

e as suas mulheres violadas.

17Vou incitar contra eles os medos13,17 Medos. População originária do atual Irão. Em 612 a.C., um século depois de Isaías, aliaram-se aos babilónios contra a Assíria. Em 539 a.C aliaram-se aos persas contra o império babilónico.,

que não estimam a prata,

nem se importam com o ouro.

18Com as suas flechas abatem os jovens;

não poupam os recém-nascidos,

nem têm piedade diante dos bebés.

19Babilónia, a pérola das nações,

joia e orgulho dos caldeus,

será destruída por Deus,

como aconteceu a Sodoma e a Gomorra.

20Nunca mais será repovoada;

ficará sem habitantes por séculos sem fim.

Até os nómadas deixarão de acampar nela

e os pastores de nela repousar.

21Os animais selvagens13,21 Ou: os gatos selvagens, compreendidos como demónios; os bodes ou os demónios do deserto. Ver Is 34,14; Sf 2,14; Ap 18,2. farão ali o seu poiso,

os mochos encherão as suas casas,

as avestruzes irão ali habitar

e os bodes irão para lá dançar.

22As hienas uivarão nas casas abandonadas

e os chacais nos seus palácios de prazer.

A hora da Babilónia está mesmo a chegar

e os seus dias não serão prolongados.»