a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
38

Doença e cura de Ezequias

381Por este tempo, o rei Ezequias foi atingido por uma doença mortal. O profeta Isaías, filho de Amós, foi visitá-lo e disse-lhe da parte do Senhor: «Faz o testamento, porque não irás viver por muito mais tempo.» 2Então Ezequias voltou-se para a parede e orou ao Senhor desta maneira:

3«Ó Senhor, lembra-te que procedi para contigo com lealdade e com um coração íntegro e fiz sempre o que te agrada.» E Ezequias irrompeu num grande choro.

4Então o Senhor encarregou Isaías 5de ir ter com Ezequias para lhe falar nestes termos: «Eis o que o Senhor, Deus de David, teu antepassado, tem para te dizer: “Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas. Pois bem, vou deixar que vivas mais quinze anos. 6Vou libertar-vos, a ti e a Jerusalém, das mãos do rei da Assíria e protegerei esta cidade38,6 Na passagem paralela de 2 Rs 20,1–11 os v. 21–22 são colocados imediatamente depois do v. 6..”»

7Isaías disse-lhe: «O Senhor vai conceder-te o seguinte sinal, para que saibas que ele cumprirá a sua palavra: 8no relógio de sol de Acaz farei que a sombra retroceda os dez degraus que já avançou.» E o Sol desandou no relógio os dez degraus que já tinha avançado.

Oração de Ezequias

9Poema que Ezequias, rei de Judá, compôs depois de ter sido curado da sua doença:

10«Eu dizia para mim mesmo:

vivi apenas metade da minha vida

e já tenho de partir

para ir passar no mundo dos mortos

os anos que me faltavam para viver!

11E pensava ainda:

nunca mais verei o Senhor na terra dos vivos,

nem fixarei um rosto humano neste mundo.

12A minha morada é levada para longe de mim,

como se faz à tenda dum pastor.

A minha vida chegou ao fim do rolo,

como uma peça de tecido que o tecelão enrola,

depois de ter cortado os fios.

Dia e noite me estás acabando, Senhor,

13e eu soluço até ao amanhecer.

Quebras-me os ossos como um leão,

dia e noite me estás acabando!

14Pio como uma andorinha e gemo como uma pomba.

Os meus olhos já não podem erguer-se para o céu.

Senhor, estou esmagado;

faz qualquer coisa por mim!

15Mas como devo eu falar para que ele me ouça,

se foi ele que fez tudo isto?

Deverei aguentar todos os meus anos

com o peso desta amargura?

16Aqueles que Deus protege vivem

e entre eles eu continuarei a viver também.

Senhor, tu me restabeleces e fazes reviver.

17Agora a minha amargura mudou-se em felicidade,

porque tu preservaste a minha vida do túmulo vazio;

lançaste para longe de ti todas as minhas faltas.

18No mundo dos mortos ninguém te pode louvar;

os defuntos não te podem aclamar.

Aqueles que desceram ao túmulo

não esperam mais na tua fidelidade.

19Apenas os vivos te podem louvar, como eu, agora.

O pai dará a conhecer aos seus filhos como tu és fiel.

20Senhor, tu salvaste-me;

por isso, te louvaremos com instrumentos de música

todos os dias da nossa vida

na tua casa, ó Senhor

21Depois Isaías deu esta ordem: «Tragam um emplastro de figos e apliquem-no na parte doente para que o rei fique curado.» 22Então Ezequias perguntou: «Qual é o sinal que me garanta que ainda poderei ir ao templo do Senhor

39

Ezequias recebe os embaixadores da Babilónia

391Por aquela altura, o rei da Babilónia, Merodac-Baladan, filho de Baladan, teve conhecimento que Ezequias tinha estado doente e se curara. Enviou-lhe embaixadores com uma carta e presentes39,1 Ver 2 Rs 20,12.. 2Ezequias ficou muito contente e levou-os a visitar o edifício em que guardava os objetos de valor: a prata e o ouro, os perfumes e unguentos. Mostrou-lhes ainda o local em que estava o arsenal de guerra e tudo quanto havia nos seus depósitos. Não havia nada de valor que Ezequias não lhes mostrasse, tanto no seu palácio como em todos os seus domínios.

3Então o profeta Isaías foi ter com o rei Ezequias e perguntou-lhe: «De onde é que vieram esses homens e que é que te disseram?» Ezequias respondeu: «Vieram de muito longe, da Babilónia.» 4Isaías perguntou-lhe ainda: «O que é que eles viram no teu palácio?» Ezequias respondeu: «Viram todo o meu palácio. Mostrei-lhes tudo quanto havia nos meus tesouros.»

5Então Isaías disse a Ezequias: «Escuta com atenção a sentença do Senhor do Universo! 6Um dia, virá em que tudo quanto tens no teu palácio e quanto os teus predecessores entesouraram, será levado para a Babilónia. Nada ficará aqui, diz o Senhor! 7Inclusivamente, hão de levar alguns dos teus próprios descendentes, para os fazer eunucos ao serviço do rei no palácio da Babilónia39,7 Comparar com Dn 1,1–7; 2 Rs 24,10–16; 2 Cr 36,10.

8Ezequias respondeu a Isaías: «É uma boa notícia que me dás da parte do Senhor.» É que ele pensava para consigo: «Assim enquanto eu viver, haverá paz e segurança.»

40

Reconfortem o meu povo

401Consolem, consolem o meu povo,

é o vosso Deus quem o pede.

2Falem ao coração de Jerusalém e proclamem

que acabaram os seus trabalhos forçados

e está pago o seu crime;

que já recebeu do Senhor o dobro do castigo pelos seus pecados.

3Ouço uma voz gritar:

«Preparem no deserto o caminho do Senhor,

na estepe, abram uma calçada para o nosso Deus40,3 Texto citado em Mt 3,3; Mc 1,3; Jo 1,23..

4Que os vales sejam levantados

e as montanhas e colinas, rebaixadas;

que os cimos dos montes sejam aplanados

e os terrenos escarpados sejam nivelados.

5O Senhor vai mostrar a sua grandeza

e toda a gente a verá.

É o Senhor quem o declara!»

6Ouço uma voz a pedir: «Faz uma proclamação!»

Mas eu respondo: «Que proclamação?»

«Que toda a gente é como erva

e a sua beleza como flor do campo.

7A erva seca e a flor murcha,

quando o sopro do Senhor passa por elas.

É bem certo! As pessoas são erva caduca!

8Sim! A erva seca e a flor murcha,

mas a palavra do nosso Deus permanece para sempre.»

A boa nova

9Sobe a um alto monte, pregoeiro de Sião,

levanta com força a tua voz, pregoeiro de Jerusalém;

levanta bem a voz, não tenhas medo

e diz às cidades de Judá: «Vem aí o vosso Deus!»

10O Senhor Deus vem aí,

cheio de força e pronto para reinar,

traz consigo, como sinal de vitória

o povo que ele resgatou40,10 O versículo alude provavelmente aos judeus exilados na Babilónia..

11Ele é como um pastor que apascenta o seu rebanho

e o reúne com o cajado na mão.

Leva os cordeiros ao colo

e cuida das ovelhas que têm crias40,11 Comparar com Ez 34,15; Jo 10,11..

A sabedoria de Deus

12Quem mediu as águas do mar com a mão,

ou o diâmetro do céu a palmo,

ou o pó da terra com o alqueire?

Quem pesou as montanhas e as colinas na balança?

13Quem mediu o Espírito do Senhor

e quem foi o homem que estabeleceu o seu plano40,13 Ou: quem lhe sugeriu aquilo que ele deve fazer? Ver Rm 11,34; 1 Co 2,16.?

14Com quem ele se aconselhou, para o esclarecer,

ou para lhe ensinar o caminho certo?

Quem é que lhe ensinou a ciência

e lhe deu a conhecer a sabedoria?

15Diante do Senhor, as nações são uma gota de água

que cai num balde, ou um grão de poeira,

no prato duma balança.

E os povos das ilhas40,15 Ou: povos longínquos. Ver 41,1.5; 42,4.10.12; 49,1; 51,5; 60,9; 66,19. não pesam mais que um pouco de pó.

16As florestas do Líbano não chegam

para o fogo do seu altar,

nem os seus animais, para os holocaustos.

17Diante dele,

todas as nações são como se não existissem,

elas contam menos que nada.

18A quem quereis comparar Deus?

Com que imagem o podeis confrontar?

19Um ídolo, é um artista que o modela;

depois, vem o ourives que o cobre de ouro

e lhe põe alguns retoques de prata.

20Aquele que tem menos posses para uma tal oferta

escolhe um pedaço de madeira sem caruncho,

e contrata um bom artista,

para lhe fazer um ídolo que possa durar.

21Será que não sabem nem aprenderam?

Não vo-lo anunciaram desde o princípio?

Ainda não compreenderam quem fez o mundo?

22Foi aquele que está sentado sobre a cúpula da terra,

olhando os seus habitantes como se fossem gafanhotos.

Foi ele que estendeu os céus como um grande véu,

e os desdobrou como uma tenda, para neles habitar,

23ele que reduz a nada os dirigentes do mundo

e converte em nulidade os governantes.

24Logo que estejam plantados ou semeados,

mal tenham criado raízes na terra,

o Senhor sopra sobre eles e secam imediatamente;

Depois são levados como palha por um vendaval.

25«A quem podereis comparar-me?

Quem será igual a mim?» — pergunta o Deus santo.

26Levantem os olhos para o céu

e vejam! Quem é que criou as estrelas?

Foi aquele que as põe em movimento

como se fosse um exército bem ordenado.

A todas, ele chama pelo seu nome.

O seu poder é tão grande e a sua força é tal,

que nenhuma falta à chamada.

Polémica de Deus com o povo

27Por que é que dizes, Jacob, e por que repetes, Israel:

«O Senhor não compreende o meu destino,

o meu Deus ignora a minha causa!»

28Porventura não o sabes?

Será que não ouviste dizer?

O Senhor é um Deus eterno;

criou a terra dum extremo ao outro.

Não se cansa nem perde as forças.

A sua sabedoria é insondável.

29Ele dá forças ao cansado

e enche de vigor aquele que é fraco.

30Até os jovens se cansam e fatigam,

e os mais valentes também tropeçam.

31Mas os que confiam no Senhor renovam as suas forças;

lançam-se como as águias,

correm sem se cansarem,

andam sempre sem se fatigarem.