a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
46

Contra os deuses da Babilónia

461O deus Bel curva-se e o deus Nebo inclina-se,

as suas imagens são postas sobre animais de carga

e as estátuas pesadas deixam esgotados os animais.

2Os deuses curvam-se e inclinam-se,

incapazes de salvar as suas estátuas;

e até eles próprios vão para o cativeiro.

3Ouçam-me, ó gente de Jacob,

sobreviventes do povo de Israel,

eu trouxe-vos ao colo desde o vosso nascimento,

desde que a vossa mãe vos deu à luz.

4Até à vossa velhice eu serei o mesmo,

encarregar-me-ei de vós até terem cabelos brancos.

Assim o fiz46,4 Ou: Fui eu que vos fiz. e continuarei a fazê-lo,

encarreguei-me de vós e hei de livrar-vos.

5A quem me podereis comparar ou igualar?

Quem poderá assemelhar-se a mim ou comparar-se comigo?

6Há quem tire todo o ouro das suas bolsas

e pese a prata na balança.

Depois contratam um ourives para lhes fabricar um deus;

prostram-se diante dele e até o adoram.

7Põem-no aos ombros e transportam-no;

e onde o colocam ali fica, sem se mexer do lugar.

Por mais que lhe gritem, não responde,

não salva ninguém do perigo.

A libertação está próxima

8Lembrem-se disto e tenham vergonha,

meditem seriamente no vosso íntimo46,8 Meditem seriamente no vosso íntimo. Tradução possível de uma palavra que aparece uma única vez no AT., ó gente rebelde.

9Lembrem-se da vossa história de sempre:

vejam que eu sou Deus e não há outro;

não existe nenhum Deus como eu.

10Anuncio de antemão o que vai acontecer;

muito antes que suceda, já o prevejo.

Eu digo: «O meu plano cumprir-se-á,

tudo quanto eu quero, eu o faço46,10 O meu plano. Trata-se do plano da história da salvação que é um dos temas centrais do livro de Isaías. Ver 5,19; 14,26–27; 19,17; 44,26; cf. Ef 1,11.

11Chamo dos lados do Oriente uma ave de rapina46,11 Alusão ao rei Ciro.,

vem duma terra distante o homem

que cumprirá os meus planos.

Assim o disse e melhor o faço;

o que planeei será realizado.

12Escutem-me, ó gente de coração duro,

que pensais que a vitória final está muito longe.

13Mas a minha vitória está próxima, mesmo a chegar.

A minha salvação não tardará;

eu mesmo trarei a Sião a salvação

e farei participar Israel da minha glória.

47

Humilhação da Babilónia

471Ó cidade da Babilónia, capital dos caldeus,

desce do teu trono e senta-te por terra, no pó;

porque já não te chamarão: «A delicada e a alegre».

2Pega nas duas pedras do moinho e faz a farinha;

tira o véu do teu rosto, arregaça o teu vestido,

descobre as tuas pernas e atravessa os rios.

3Põe-te nua diante de todos,

para que possam ver o que tu cobres com vergonha.

Vou vingar-me

sem que ninguém me possa impedir47,3 As humilhações dos babilónios aqui descritas são as mesmas que as dos escravos daquele tempo..

4Quem o diz é aquele que nos salva,

que tem por nome: o Senhor do Universo,

o Santo de Israel.

5Senta-te, calada e esconde-te nas trevas,

capital dos caldeus,

porque já não te chamarão mais:

«Senhora dos impérios».

6Eu estava irado contra o meu povo,

deixei que fossem desonrados os que me pertenciam,

entregando-os nas tuas mãos.

Mas não tiveste compaixão deles,

pois esmagaste os velhos com o peso do teu jugo.

7Dizias: «Serei a dominadora do mundo para sempre»;

não refletiste nem pensaste

no que te poderia vir a acontecer.

8Agora escuta com atenção, ó desavergonhada,

tu que reinavas tranquilamente, e dizias a ti mesma:

«Ninguém é semelhante a mim; nunca ficarei viúva,

nunca saberei o que é ficar sem os meus filhos!»

9Ambas as desgraças cairão sobre ti,

num só dia e de repente:

ficarás viúva e sem filhos ao mesmo tempo.

Tudo isto, apesar das tuas muitas bruxarias

e do grande poder dos teus magos47,9 Comparar com Ap 18,7–8. Os babilónios eram famosos pelos seus magos e adivinhos. Ver Dn 2.2..

10Punhas a tua confiança nas tuas maldades

e dizias: «Ninguém me vê!»

A tua sabedoria e a tua ciência transtornaram-te;

por isso, é que dizias: «Eu e mais ninguém!»

11Virá sobre ti uma tal desgraça,

que não saberás como a esconjurar;

cairá sobre ti uma catástrofe,

da qual não te poderás proteger;

sobre ti cairá repentinamente

um desastre, que nunca imaginavas.

12Insiste, pois, nas tuas bruxarias

e nas tuas numerosas receitas mágicas

a que te dedicaste desde a juventude.

Talvez te possam servir para esconjurar a desgraça.

13Cansaste-te a procurar conselheiros;

que se apresentem e te salvem

os que dividem o céu por zonas, auscultando os astros

para anunciar todos os meses o que te vai acontecer.

14Tornaram-se como a palha que o fogo devora;

não conseguem escapar ao poder das chamas.

Não são como brasas na lareira,

onde nos sentamos para aquecer.

15Assim será a sorte dos adivinhos,

que te esforçavas por consultar desde a juventude.

Cada qual fugirá para seu canto

e nenhum te poderá salvar.

48

O Senhor anuncia factos novos

481Escuta, ó gente de Jacob,

que te orgulhas do nome de Israel

e de ser descendente de Judá,

que juras pelo nome do Senhor,

e invocas o Deus de Israel,

mas sem verdade nem retidão.

2Tens orgulho em ser da cidade santa,

e em te apoiares no Deus de Israel,

cujo nome é «o Senhor do Universo».

3Eu é que predisse desde há muito o que já aconteceu;

fui eu que falei para te informar.

Num abrir e fechar de olhos eu atuei

e as coisas aconteceram.

4Como sei que és um povo obstinado,

teimoso para obedecer

e de cabeça dura para compreender;

5predisse-te os acontecimentos com muita antecedência.

Informei-te antes que se realizassem

para que não dissesses: «Foi o meu ídolo que fez isto,

foi o meu deus de madeira ou de bronze que o decidiu.»

6Ouviste o que eu predisse e viste que tudo se realizou;

será que não o queres reconhecer?

Mas a partir de hoje anuncio-vos coisas novas

que estavam em segredo e que nenhum de vós conhecia.

7São coisas criadas agora e não antes,

não ouviste falar disso antigamente

para não poderes dizer: «Já o sabia.»

8Aliás, tu não querias ouvir nem saber de nada,

e os teus ouvidos não se abriam para isto.

Eu sei que foste inclinado à traição

e que desde o ventre materno te chamam rebelde.

9Mas por ser Deus eu contenho a minha cólera,

por amor da minha glória tenho paciência,

para não vos aniquilar.

10Passei-te pelo cadinho da prova como a prata,

obriguei-te a passar pelo crisol da desgraça.

11É só por mim que assim o faço:

porque o meu nome não deve ser desonrado

e a minha glória não a cedo a ninguém.

Missão de Ciro

12Ouve-me, Jacob, a quem eu chamei!

Sou eu; eu sou o primeiro e o último.

13Com as minhas mãos pus os fundamentos da terra

e estendi os céus.

Chamo por eles e logo comparecem.

14Reúnam-se todos e ouçam bem:

tenho um amigo48,14 Um amigo. Nova alusão ao rei Ciro. que realizará os meus intentos

contra a Babilónia, contra a raça dos caldeus.

Mas quem é que, dentre eles, pode revelar tais coisas?

15Eu é que falei e chamei por ele.

Fiz que ele viesse e em toda a parte alcançará êxito.

16Aproximem-se de mim e ouçam atentamente!

Desde o princípio que falei abertamente;

sempre estive presente desde que estas coisas começaram.

E agora, o Senhor Deus enviou-me o seu espírito48,16 Não sabemos se quem fala é o amigo (Ciro) do v. 14 ou o profeta..

17Assim declara o Senhor, o teu libertador,

o santo de Israel:

«Eu, o Senhor, sou o teu Deus,

ensino-te o que é bom para ti,

e guio-te pelo caminho que deves seguir.

18Ah! Se tivesses atendido ao que eu mandava!

A tua paz seria como um rio,

o teu triunfo como as ondas do mar!

19Os teus filhos e descendentes seriam numerosos,

seriam incontáveis como a areia das praias,

o seu nome não teria sido apagado

nem destruído diante de mim!»

Saída da Babilónia

20Saiam da Babilónia48,20 Ver Is 52,11; Jr 51,6; Ap 18,4., fujam dos caldeus!

Com gritos de júbilo anunciem e proclamem,

até aos confins do mundo a boa nova:

«O Senhor libertou o seu servo Jacob.»

21Não passaram sede quando os conduziu pelo deserto.

Fez brotar para eles a água do rochedo;

fendeu o rochedo e logo a água jorrou.

22Mas para os maus não haverá prosperidade,

declara o Senhor.