a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
47

Humilhação da Babilónia

471Ó cidade da Babilónia, capital dos caldeus,

desce do teu trono e senta-te por terra, no pó;

porque já não te chamarão: «A delicada e a alegre».

2Pega nas duas pedras do moinho e faz a farinha;

tira o véu do teu rosto, arregaça o teu vestido,

descobre as tuas pernas e atravessa os rios.

3Põe-te nua diante de todos,

para que possam ver o que tu cobres com vergonha.

Vou vingar-me

sem que ninguém me possa impedir47,3 As humilhações dos babilónios aqui descritas são as mesmas que as dos escravos daquele tempo..

4Quem o diz é aquele que nos salva,

que tem por nome: o Senhor do Universo,

o Santo de Israel.

5Senta-te, calada e esconde-te nas trevas,

capital dos caldeus,

porque já não te chamarão mais:

«Senhora dos impérios».

6Eu estava irado contra o meu povo,

deixei que fossem desonrados os que me pertenciam,

entregando-os nas tuas mãos.

Mas não tiveste compaixão deles,

pois esmagaste os velhos com o peso do teu jugo.

7Dizias: «Serei a dominadora do mundo para sempre»;

não refletiste nem pensaste

no que te poderia vir a acontecer.

8Agora escuta com atenção, ó desavergonhada,

tu que reinavas tranquilamente, e dizias a ti mesma:

«Ninguém é semelhante a mim; nunca ficarei viúva,

nunca saberei o que é ficar sem os meus filhos!»

9Ambas as desgraças cairão sobre ti,

num só dia e de repente:

ficarás viúva e sem filhos ao mesmo tempo.

Tudo isto, apesar das tuas muitas bruxarias

e do grande poder dos teus magos47,9 Comparar com Ap 18,7–8. Os babilónios eram famosos pelos seus magos e adivinhos. Ver Dn 2.2..

10Punhas a tua confiança nas tuas maldades

e dizias: «Ninguém me vê!»

A tua sabedoria e a tua ciência transtornaram-te;

por isso, é que dizias: «Eu e mais ninguém!»

11Virá sobre ti uma tal desgraça,

que não saberás como a esconjurar;

cairá sobre ti uma catástrofe,

da qual não te poderás proteger;

sobre ti cairá repentinamente

um desastre, que nunca imaginavas.

12Insiste, pois, nas tuas bruxarias

e nas tuas numerosas receitas mágicas

a que te dedicaste desde a juventude.

Talvez te possam servir para esconjurar a desgraça.

13Cansaste-te a procurar conselheiros;

que se apresentem e te salvem

os que dividem o céu por zonas, auscultando os astros

para anunciar todos os meses o que te vai acontecer.

14Tornaram-se como a palha que o fogo devora;

não conseguem escapar ao poder das chamas.

Não são como brasas na lareira,

onde nos sentamos para aquecer.

15Assim será a sorte dos adivinhos,

que te esforçavas por consultar desde a juventude.

Cada qual fugirá para seu canto

e nenhum te poderá salvar.

48

O Senhor anuncia factos novos

481Escuta, ó gente de Jacob,

que te orgulhas do nome de Israel

e de ser descendente de Judá,

que juras pelo nome do Senhor,

e invocas o Deus de Israel,

mas sem verdade nem retidão.

2Tens orgulho em ser da cidade santa,

e em te apoiares no Deus de Israel,

cujo nome é «o Senhor do Universo».

3Eu é que predisse desde há muito o que já aconteceu;

fui eu que falei para te informar.

Num abrir e fechar de olhos eu atuei

e as coisas aconteceram.

4Como sei que és um povo obstinado,

teimoso para obedecer

e de cabeça dura para compreender;

5predisse-te os acontecimentos com muita antecedência.

Informei-te antes que se realizassem

para que não dissesses: «Foi o meu ídolo que fez isto,

foi o meu deus de madeira ou de bronze que o decidiu.»

6Ouviste o que eu predisse e viste que tudo se realizou;

será que não o queres reconhecer?

Mas a partir de hoje anuncio-vos coisas novas

que estavam em segredo e que nenhum de vós conhecia.

7São coisas criadas agora e não antes,

não ouviste falar disso antigamente

para não poderes dizer: «Já o sabia.»

8Aliás, tu não querias ouvir nem saber de nada,

e os teus ouvidos não se abriam para isto.

Eu sei que foste inclinado à traição

e que desde o ventre materno te chamam rebelde.

9Mas por ser Deus eu contenho a minha cólera,

por amor da minha glória tenho paciência,

para não vos aniquilar.

10Passei-te pelo cadinho da prova como a prata,

obriguei-te a passar pelo crisol da desgraça.

11É só por mim que assim o faço:

porque o meu nome não deve ser desonrado

e a minha glória não a cedo a ninguém.

Missão de Ciro

12Ouve-me, Jacob, a quem eu chamei!

Sou eu; eu sou o primeiro e o último.

13Com as minhas mãos pus os fundamentos da terra

e estendi os céus.

Chamo por eles e logo comparecem.

14Reúnam-se todos e ouçam bem:

tenho um amigo48,14 Um amigo. Nova alusão ao rei Ciro. que realizará os meus intentos

contra a Babilónia, contra a raça dos caldeus.

Mas quem é que, dentre eles, pode revelar tais coisas?

15Eu é que falei e chamei por ele.

Fiz que ele viesse e em toda a parte alcançará êxito.

16Aproximem-se de mim e ouçam atentamente!

Desde o princípio que falei abertamente;

sempre estive presente desde que estas coisas começaram.

E agora, o Senhor Deus enviou-me o seu espírito48,16 Não sabemos se quem fala é o amigo (Ciro) do v. 14 ou o profeta..

17Assim declara o Senhor, o teu libertador,

o santo de Israel:

«Eu, o Senhor, sou o teu Deus,

ensino-te o que é bom para ti,

e guio-te pelo caminho que deves seguir.

18Ah! Se tivesses atendido ao que eu mandava!

A tua paz seria como um rio,

o teu triunfo como as ondas do mar!

19Os teus filhos e descendentes seriam numerosos,

seriam incontáveis como a areia das praias,

o seu nome não teria sido apagado

nem destruído diante de mim!»

Saída da Babilónia

20Saiam da Babilónia48,20 Ver Is 52,11; Jr 51,6; Ap 18,4., fujam dos caldeus!

Com gritos de júbilo anunciem e proclamem,

até aos confins do mundo a boa nova:

«O Senhor libertou o seu servo Jacob.»

21Não passaram sede quando os conduziu pelo deserto.

Fez brotar para eles a água do rochedo;

fendeu o rochedo e logo a água jorrou.

22Mas para os maus não haverá prosperidade,

declara o Senhor.

49

O servo do Senhor: segundo poema

491Escutem-me, povos das ilhas distantes49,1 Ilhas distantes. Ver 40,15. Ventre materno. Ver 44,2.,

estejam atentos, povos longínquos.

O Senhor chamou por mim, antes de eu nascer;

quando eu estava no ventre materno,

pronunciou o meu nome.

2Fez da minha palavra uma espada afiada49,2 Ver Hb 4,12; Ap 1,16.,

escondeu-me na concha da sua mão.

Fez da minha mensagem uma seta penetrante,

bem guardada na sua aljava.

3E disse-me: «Israel, tu és o meu servo;

em ti se manifesta a minha glória.»

4Mas eu pensava para comigo:

«Em vão trabalhei e em vão gastei as minhas forças.»

No Senhor é que eu tenho garantido o meu direito

e no meu Deus, a minha recompensa.

5E agora o Senhor declara-me

que, desde o ventre materno, me formou,

para ser seu servo,

para conduzir a ele os descendentes de Jacob

e congregar o povo de Israel à sua volta.

Aos olhos do Senhor eu estou bem-visto,

no meu Deus reside a minha força.

6Ele disse-me: «Não basta que estejas ao meu serviço

só para restabeleceres as tribos de Jacob

e reunires os sobreviventes de Israel.

Eu quero que sejas a luz das nações,

para que a minha salvação chegue aos confins da terra49,6 Versículo citado em At 13,47; cf. também Lc 2,32; Is 42,6; 51,4; Jo 8,12; At 26,23.

Regresso dos exilados

7O Senhor, que é o libertador

e o Santo de Israel,

declara agora o seguinte

a ti que te tens desprezado a ti mesmo,

que tens sido detestado pelos pagãos,

e tens sido escravo dos poderosos:

«Quando os reis te virem, levantar-se-ão do trono,

e os príncipes prestar-te-ão homenagem.»

Tudo isto acontece porque o Senhor é fiel,

porque o Santo de Israel te escolheu.

8Eis o que diz o Senhor:

«No tempo devido respondi-te

quando chegou o dia da salvação vim em tua ajuda.

Guardei-te para uma aliança com o povo,

para restaurar o país e repartir as terras devastadas49,8 Dia da Salvação. Ver 2 Co 6,2. Guardei-te. Ou: formei-te. Para restaurar o país e repartir as terras. Alusão à distribuição do país de Canaã sob a direção de Josué (Js 13—21).,

9para dizer aos prisioneiros: “Saiam da prisão!”

e aos que vivem na escuridão: “Venham para a luz!”

Haverá boas pastagens ao longo dos caminhos,

e encontrarão alimento em todas as colinas.

10Não passarão fome nem sede,

não lhes fará mal nem o vento suão nem o sol,

porque aquele que lhes tem amor

os conduzirá para se refrescarem nas fontes de água.

11Transformarei os meus montes em caminhos planos

e as minhas estradas serão arranjadas.

12Vejam como eles chegam de longe!

Uns vêm do Norte, outros do Ocidente,

e outros da terra do Egito, ao Sul!»

13Exulta, ó céu! Alegra-te, ó terra!

Aclamem com alegria as montanhas!

Na verdade, o Senhor reconforta o seu povo

e mostra o seu amor aos humilhados.

Deus reconforta Jerusalém

14Jerusalém dizia de mim: «O Senhor abandonou-me;

ele esqueceu-se de mim.»

15Mas pode uma mãe esquecer o seu bebé,

deixar de ter amor ao filho que ela gerou?

Ainda que ela se esquecesse dele,

eu nunca te esqueceria.

16Pois eu gravei a tua imagem49,16 Ou: o teu nome. Ver 44,5. na palma das minhas mãos;

as tuas muralhas estão sempre diante dos meus olhos.

17Os que te vão reconstruir49,17 Segundo o manuscrito principal de Isaías encontrado em Qumran e outras versões antigas. Texto tradicional: os teus filhos. andam mais depressa,

do que os que te destruíram

e os que te devastavam fogem de ti.

18Olha bem à tua volta e vê:

todos se reúnem para virem ter contigo.

Juro pela minha vida, diz o Senhor,

que eles serão para ti como um vestido precioso

ou como um adorno de noiva.

19As tuas ruínas e escombros e a tua terra desolada

em breve serão estreitos para os seus habitantes,

enquanto os que te destruíram se irão embora.

20Ainda hás de ouvir dizer aos filhos

que julgavas perdidos:

«Este lugar é muito apertado,

chega-te para aí, para eu poder habitar.»

21Tu perguntarás: «Quem me deu tantos filhos?

Eu era uma mulher sem filhos e estéril,

exilada e abandonada;

quem criou estes filhos?

Deixaram-me completamente só;

donde vieram estes filhos?»

22Assim fala o Senhor Deus:

«Vou levantar a minha mão e fazer um sinal às nações,

vou levantar um estandarte para chamar os povos.

Trarão os teus filhos nos braços

e as tuas filhas aos ombros.

23Os reis serão os tutores dos teus filhos

e as suas princesas serão as amas.

Inclinar-se-ão por terra diante de ti

e lamberão o pó dos teus pés.

Então reconhecerás que eu sou o Senhor

e que não ficarão envergonhados os que confiam em mim.»

24Pode-se retirar ao guerreiro o despojo conquistado,

ou arrancar um prisioneiro ao vencedor49,24 Vencedor. Segundo o manuscrito principal de Isaías encontrado em Qumran, e outras versões antigas. No texto tradicional hebraico o justo não faz sentido e foge ao contexto que trata dos babilónios, entre os quais se encontram os exilados hebreus.?

25Pois bem, assim declara o Senhor:

«Se é facto que se pode tirar ao vencedor o prisioneiro

e ao guerreiro o despojo conquistado,

eu mesmo defenderei a tua causa,

e libertarei os teus filhos.

26Obrigarei os teus opressores

a comerem a sua própria carne,

e a embriagarem-se com o seu próprio sangue,

como se fosse vinho novo.

Então todos saberão que eu, o Senhor,

é que sou o teu salvador,

que o Poderoso de Jacob é o teu libertador!»