a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
60

A luz da nova Jerusalém

601Levanta-te e brilha, Jerusalém,

porque a tua luz está a chegar!

A glória do Senhor ilumina-te como sol nascente.

2As trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos;

mas a ti, o Senhor ilumina-te como sol nascente!

A sua glória vai aparecer sobre ti!

3Então as nações encaminhar-se-ão para a tua luz,

e os reis serão atraídos para o esplendor da tua aurora.

4Olha com atenção à tua volta,

e vê como todos eles se reuniram e veem a ti.

Os teus filhos vêm de longe

e as tuas filhas são trazidas aos ombros.

5Ao veres isto, ficarás radiante de felicidade;

o teu coração, emocionado, encher-se-á de alegria,

ao ver que as riquezas do mar são despejadas junto de ti

e os tesouros das nações te são entregues.

6Serás inundada por uma multidão de camelos,

caravanas de Madiã e de Efá.

De Sabá, virão todos, trazendo ouro e incenso,

enquanto proclamam os louvores do Senhor.

7Os rebanhos da região de Quedar vão-te ser entregues,

os carneiros de Nebaiot estarão ao teu serviço.

Serão apresentados no meu altar

como vítimas agradáveis,

e farei resplandecer a glória do meu templo.

8Quem é toda esta gente?

Parecem-se a uma nuvem que corre,

ou a uma multidão de pombos que voltam ao pombal.

9São navios que navegam para aqui,

aparecendo em primeiro lugar

os grandes navios de Társis.

Trazem os teus filhos que vêm de longe

e com eles a sua prata e o seu ouro.

Vêm glorificar o Senhor, o teu Deus, o Santo de Israel,

que assim te enche de honra.

10Os estrangeiros reconstruirão as tuas muralhas,

e os seus reis estarão ao teu serviço;

se eu, o Senhor, te feri na minha indignação,

agora quero mostrar-te o meu amor e boa vontade.

11As tuas portas ficarão sempre abertas;

não serão fechadas nem de dia nem de noite,

para te trazerem as riquezas das nações,

e os seus reis com a sua comitiva.

12Qualquer povo ou rei que não te servir

será destruído.

Esses povos serão totalmente arrasados.

13O melhor das florestas do Líbano será para ti,

madeiras de cipreste, de pinho e de buxo,

para ornarem o meu santo templo.

E assim vou mostrar o esplendor do trono

em que me sento.

14Aqueles que te oprimiam virão a ti de cabeça baixa;

os que te desprezavam vão prostrar-se a teus pés.

E tu serás chamada «a cidade do Senhor»,

«a Sião do Santo de Israel».

15Tu eras uma cidade abandonada e desprezada

que ninguém ia visitar.

Mas agora farei de ti um motivo de orgulho e alegria

para toda a Humanidade futura.

16As nações e os seus reis serão as tuas amas de leite,

e então saberás que sou eu, o Senhor, que te salva,

que o teu Redentor é o Poderoso de Jacob.

17Em vez do bronze, vou trazer-te ouro,

prata, em vez do ferro,

bronze, em vez da madeira,

ferro, em vez das pedras.

Como inspetor vou dar-te a paz

e como governador, a justiça.

18Não se ouvirá mais falar de violência na tua terra,

nem de ruína e destruição dentro das tuas fronteiras.

Vais poder chamar às tuas muralhas «salvação»

e às tuas portas «louvor».

19Já não será o Sol que te iluminará durante o dia,

nem a Lua, durante a noite.

O Senhor, teu Deus, será a tua luz,

o teu esplendor, para sempre.

20Não mais se porá o teu Sol

e a tua Lua não mais se esconderá,

porque o Senhor será a tua luz para sempre.

E então será o fim do teu luto60,20 Comparar os v. 19–20 com Ap 21,23; 22,5..

21Todos os teus habitantes formarão um povo de justos,

e hão de possuir esta terra para sempre.

Serão como uma árvore que eu plantei,

a obra das minhas mãos,

para manifestarem a minha glória.

22A família mais pequena terá mil pessoas,

a mais modesta será como uma nação poderosa.

Eu sou o Senhor

e em breve farei com que tudo isto aconteça.

61

Missão do profeta

611O Espírito do Senhor Deus está sobre mim,

porque o Senhor me consagrou61,1 Literalmente: ungiu.

para levar a boa nova aos pobres,

para curar os desesperados,

para proclamar a libertação aos exilados

e aos prisioneiros a liberdade61,1 Ver Lc 4,18–19; Em relação ao v. 1, cf. Mt 11,5; Lc 7,22.;

2para anunciar o ano da graça do Senhor

e o dia em que o nosso Deus se vai vingar dos inimigos;

para consolar os que estão de luto61,2 Ver Mt 5,4.;

3para colocar na cabeça dos enlutados de Sião

uma coroa em vez da cinza,

um perfume de felicidade em vez da cara triste,

um vestido de festa em vez do rosto abatido.

Então serão chamados: «Terebintos do Deus Justo,

jardim plantado para a glória do Senhor».

4Reconstruirão o que há muito estava em ruínas,

levantarão as casas em escombros,

restaurarão as cidades arrasadas por muitas gerações.

5Os estrangeiros ficarão lá

a apascentar os vossos rebanhos,

gente de fora cultivará os vossos campos e vinhas.

6Sereis chamados «sacerdotes do Senhor»,

e proclamados «servos do nosso Deus».

Haveis de comer da fortuna das nações

e substituí-las na sua glória61,6 O principal manuscrito hebraico de Isaías, encontrado em Qumran, diz: e vangloriar-se das suas riquezas..

7Em vez da dupla desonra, que padecestes

e das injúrias que, contentes,

os inimigos vos prepararam,

ireis receber também a dobrar

a riqueza das terras dos vossos inimigos,

e haveis de viver sempre com alegria.

8Eu, o Senhor, amo o que é reto,

mas odeio o roubo e o crime.

Por isso, vou recompensá-los de modo fiel

e farei com eles uma aliança para sempre.

9Os seus descendentes serão conhecidos

em toda a parte e entre todas as nações;

os que os viram reconhecerão

que sois a raça que o Senhor abençoou.

Cântico de reconhecimento

10Rejubilo de alegria no Senhor

e exulto de contentamento no meu Deus,

porque a sua salvação cobre-me como um vestido de festa

e a sua vitória, como um manto de triunfo.

Sou como um noivo com o traje solene de casamento

como uma noiva enfeitada com as suas joias61,10 Comparar com Ap 21,2..

11Na verdade, assim como a terra faz nascer os rebentos,

ou como um jardim faz brotar as sementes,

assim o Senhor Deus faz germinar a salvação e o louvor

diante de todas as nações.

62

A nova Jerusalém

621Pelo amor que tenho a Sião não me calarei,

pelo amor de Jerusalém não descansarei,

até que apareça a aurora da sua justiça

e a sua salvação brilhe como uma chama.

2As nações hão de ver a tua justiça,

todos os reis contemplarão a tua glória;

hão de chamar-te um nome novo62,2 Um nome novo. Ver Is 65,15; Ap 2,17; 3,12.

que o próprio Senhor escolheu.

3Serás como uma coroa brilhante

na mão do Senhor,

como um diadema real

na palma do teu Deus.

4Não mais serás chamada «cidade abandonada»,

nem a tua terra será «terra devastada».

Antes serás chamada «preferida do Senhor»,

e à tua terra chamarão «a bem casada».

Na verdade, terás a preferência do Senhor

e a tua terra terá um esposo.

5Assim como um rapaz se casa com uma jovem,

também aquele que te reconstrói62,5 A vocalização massorética (texto tradicional hebraico) tem: os teus filhos te desposarão. se casa contigo.

Assim como a noiva é a alegria do noivo,

também tu serás a alegria do teu Deus.

6Sobre as tuas muralhas, Jerusalém,

coloquei sentinelas.

Elas nunca se poderão calar,

nem de dia nem de noite.

«Os que se lembram do Senhor

não se deem descanso

7e não permitam que ele descanse

até que dê a Jerusalém estabilidade

e faça dela a admiração da terra.»

8O Senhor fez este juramento ao meu povo,

garantindo pelo poder da sua mão direita e do seu braço:

«Nunca mais deixarei que o teu trigo

sirva de alimento para os teus inimigos,

e que o teu vinho novo, que tanto te custou a cultivar,

sirva de bebida aos estrangeiros.

9Os que hão de comer o trigo, louvando o Senhor,

são os que o ceifarem;

os que hão de beber o vinho no meu santo templo,

são os que o vindimarem.»

10Saiam! Saiam depressa pelas portas!

Preparem o caminho para o povo,

aplanem, aplanem a calçada

e limpem-na das pedras,

levantem um sinal para que os povos vejam.

11O Senhor faz ouvir as suas ordens em toda a terra.

Digam, pois, ao povo de Sião:

«Vem aí o teu salvador62,11 Ver Is 40,10; cf Is 43,3.;

traz consigo, o prémio da sua vitória

e a recompensa o acompanha62,11Ver Is 61,8; Ap 22,12.

12Esses serão chamados «povo santo»,

«resgatados pelo Senhor».

E tu serás chamada «a desejada»,

«cidade não abandonada».