a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
1

Saudação

11Da parte de Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos do povo de Deus dispersas pelo mundo1,1 Sobre Tiago, ver Mt 13,55; Mc 6,3; At 15,13; Gl 1,19. Para indicar o povo de Deus é utilizada a expressão bíblica as doze tribos que estão na diáspora, que poderia significar todos os cristãos ou somente aqueles que eram de origem hebraica. Ver Ap 7,4.: saudações!

Fé e sabedoria

2Meus irmãos, devem sentir-se profundamente felizes ao terem de passar por várias provações. 3Pois sabem que uma fé assim provada dá como fruto a perseverança. 4Procurem ser perseverantes até ao fim para chegarem a ser completamente perfeitos, sem faltar nada. 5Se alguém não tem sabedoria suficiente, peça-a a Deus, que a dá1,5 Comparar com Pv 2,3–6. a todos de graça, sem humilhar ninguém, e ser-lhe-á dada. 6Mas aquele que pede deve pedir com fé, sem duvidar. Aquele que duvida é como as ondas do mar, levadas pelo vento. 7Esse nem pense que há de conseguir alguma coisa do Senhor, 8pois é um indeciso e pouco seguro em tudo o que faz.

Pobres e ricos

9Aquele irmão que for de condição humilde deve sentir-se orgulhoso por Deus o engrandecer, 10e o que for rico deve sentir-se orgulhoso por Deus o humilhar, pois sabe que a sua vida é breve como a flor do campo. 11Quando o Sol se levanta e vem o calor, seca a planta, a sua flor murcha e a beleza do seu aspeto desaparece1,11 Nos v. 10–11 existe uma referência a Is 40,6–7. Ver 1 Pe 1,24.. Assim também o rico há de murchar na sua ambição de riquezas.

Resistência às tentações

12Feliz daquele que resiste às tentações, porque depois de ter sido provado recebe como prémio a vida eterna que Deus prometeu aos que o amam. 13Mas quando alguém for tentado não diga: «Foi Deus que me mandou esta tentação.» Porque Deus nem é tentado por nenhum mal, nem é causador de tentação para ninguém. 14Os maus desejos é que são motivo de tentação para cada um, seduzindo-o e desviando-o do caminho certo. 15Deste modo, o mau desejo gera o pecado e o pecado, como consequência final, produz a morte.

16Não se deixem enganar, meus queridos irmãos: 17tudo o que recebemos de bom e perfeito vem do céu, do Pai, fonte de toda a luz. Nele não há mudança nem sombra alguma. 18Pela sua própria decisão, trouxe-nos à luz da vida por meio da sua palavra de verdade, para sermos os primeiros frutos do seu mundo novo.

Palavras e obras

19Gravem bem isto na memória, meus queridos irmãos! Cada um deve estar sempre pronto para ouvir; mas não deve precipitar-se no falar, nem irritar-se com facilidade1,19 Ver Ec 7,9.. 20Pois quem se irrita não faz a vontade de Deus. 21Por isso, ponham de lado toda a espécie de impureza e qualquer resto de maldade e recebam com humildade a semente da palavra de Deus que tem poder para vos salvar a vida.

22Ponham a palavra de Deus em prática e não se contentem com ouvi-la, porque desse modo enganam-se a si mesmos. 23Aquele que se contenta com ouvir e não põe em prática a palavra é como alguém que se vai ver ao espelho. 24Vê a sua cara mas, mal se volta, esquece-se logo de como era. 25Pelo contrário, aquele que presta atenção à verdadeira lei, a da liberdade, e que continua a fazer caso dela, não é como um simples ouvinte que se esquece logo. É alguém que ouve e pratica. E assim é que ele encontrará a felicidade.

26Se alguém acha que é uma pessoa muito religiosa, mas não domina a sua língua, está completamente enganado: a sua religião é inútil. 27A pura e verdadeira religião diante de Deus, nosso Pai, é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas nas suas dificuldades1,27 Ver Is 1,17. e afastar-se da corrupção do mundo.

2

Não fazer distinção de pessoas

21Meus irmãos, pela fé que têm em Jesus Cristo, nosso glorioso Senhor, não tratem as pessoas com medidas diferentes2,1 Comparar com Jb 34,19; At 10,34; Tg 2,9.! 2Imaginem, por exemplo, que entram dois homens na vossa sinagoga, um com anéis de ouro e ricamente vestido e outro pobre e muito mal vestido. 3Dirigem-se ao que vem ricamente vestido e dizem-lhe: «Senta-te aqui no lugar de honra!» Depois dizem ao pobre: «Tu fica aí de pé ou senta-te no chão junto ao meu estrado2,3 Usar um pequeno estrado para servir de apoio para os pés, dava à pessoa ares de grande senhor e de desfrutar de uma posição superior na sociedade. Ver Sl 110,1.4Não veem que desta maneira estão a fazer diferenças entre pessoas e a julgá-las por critérios errados?

5Ouçam bem, meus queridos irmãos. Como sabem, Deus escolheu aqueles que são pobres aos olhos do mundo para lhes dar a riqueza da fé e os fazer herdeiros do reino que ele prometeu a quem o ama. 6No entanto, desprezam os pobres. Mas não são porventura os ricos que vos oprimem e que vos levam a tribunal? 7Não são eles que blasfemam contra o maravilhoso nome que foi invocado em vosso benefício2,7 Deve tratar-se de uma referência a um antigo rito de batismo que consistia na invocação do nome de Jesus sobre aquele que ia receber o batismo.?

8Portanto, procedem bem, se cumprirem o mandamento fundamental do reino, que está na Escritura: Amarás o teu semelhante como a ti mesmo2,8 Ver referência ao reino de Deus, no v. 5. A citação feita é de Lv 19,18. Ver também Mt 19,19; 22,39; Mc 12,31; Lc 10,27; Rm 13,9; Gl 5,14.. 9Mas se fazem diferenças entre as pessoas, isso é pecado e a lei de Deus condena-vos como transgressores. 10Pois aquele que cumpre os mandamentos da lei, mas despreza um só deles, é como se os tivesse desprezado a todos. 11Deus que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás2,11 Ver Ex 20,14 e Dt 5,18; Ex 20,13 e Dt 5,17.. Se matares alguém, ainda que não cometas adultério, tornas-te transgressor da lei.

12Portanto devem falar e viver como quem vai ser julgado pela lei da liberdade. 13Será julgado sem misericórdia aquele que não mostrou misericórdia. No dia do juízo, a misericórdia é que vence.

Fé e obras

14Que importa, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se a não põe em prática? Será que essa fé lhe trará a salvação? 15Imaginem que algum irmão ou irmã, não tem nada que vestir e lhe falta o necessário para comer, cada dia. 16Poderão dizer-lhes: «Vão em paz! Hão de encontrar com que se aquecer e matar a fome!» Mas se não lhes dão aquilo de que eles precisam, de que valem essas boas palavras? 17Do mesmo modo, a fé, se não é posta em prática, está morta2,17 Ou: completamente morta..

18Mas alguém poderá ainda dizer: «Tu tens a fé e eu tenho as obras.» Então mostra-me lá se a tua fé é verdadeira, sem obras, que eu mostro-te, pelas obras, a fé que tenho. 19Tu acreditas que há um só Deus. Muito bem! Os espíritos maus também acreditam e até tremem2,19 Ver 1 Tm 4,1. Comparar com Mt 8,29; Mc 1,24; 5,7; Lc 4,34.. 20Ó homem insensato, queres ver como a fé sem obras é inútil2,20 Outros manuscritos têm: está morta.? 21Não foi o nosso antepassado Abraão justificado pelas obras ao oferecer o seu filho Isaac em sacrifício2,21 Ver Gn 22,9.12. Comparar com Rm 3,26.? 22Deves ver então que a sua fé foi acompanhada pelas obras e que foi por elas que a fé se manifestou. 23Assim se cumpriu a passagem da Sagrada Escritura que diz: Abraão teve fé em Deus e por isso foi considerado justo e foi chamado amigo de Deus2,23 Ver Gn 15,6; Is 41,8; 2 Cr 20,7.. 24Vejam, portanto, que é pelas obras que cada um é justificado e não somente pela fé. 25Lembram-se do exemplo da prostituta Raab, que recebeu os enviados do povo de Israel e lhes indicou outro caminho para fugirem2,25 Ver Js 2,1–21.? Não foi pelas obras que ela foi justificada? 26Como um corpo sem espírito está morto, também a fé, sem obras, está morta.