a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
1

Saudação

11Da parte de Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos do povo de Deus dispersas pelo mundo1,1 Sobre Tiago, ver Mt 13,55; Mc 6,3; At 15,13; Gl 1,19. Para indicar o povo de Deus é utilizada a expressão bíblica as doze tribos que estão na diáspora, que poderia significar todos os cristãos ou somente aqueles que eram de origem hebraica. Ver Ap 7,4.: saudações!

Fé e sabedoria

2Meus irmãos, devem sentir-se profundamente felizes ao terem de passar por várias provações. 3Pois sabem que uma fé assim provada dá como fruto a perseverança. 4Procurem ser perseverantes até ao fim para chegarem a ser completamente perfeitos, sem faltar nada. 5Se alguém não tem sabedoria suficiente, peça-a a Deus, que a dá1,5 Comparar com Pv 2,3–6. a todos de graça, sem humilhar ninguém, e ser-lhe-á dada. 6Mas aquele que pede deve pedir com fé, sem duvidar. Aquele que duvida é como as ondas do mar, levadas pelo vento. 7Esse nem pense que há de conseguir alguma coisa do Senhor, 8pois é um indeciso e pouco seguro em tudo o que faz.

Pobres e ricos

9Aquele irmão que for de condição humilde deve sentir-se orgulhoso por Deus o engrandecer, 10e o que for rico deve sentir-se orgulhoso por Deus o humilhar, pois sabe que a sua vida é breve como a flor do campo. 11Quando o Sol se levanta e vem o calor, seca a planta, a sua flor murcha e a beleza do seu aspeto desaparece1,11 Nos v. 10–11 existe uma referência a Is 40,6–7. Ver 1 Pe 1,24.. Assim também o rico há de murchar na sua ambição de riquezas.

Resistência às tentações

12Feliz daquele que resiste às tentações, porque depois de ter sido provado recebe como prémio a vida eterna que Deus prometeu aos que o amam. 13Mas quando alguém for tentado não diga: «Foi Deus que me mandou esta tentação.» Porque Deus nem é tentado por nenhum mal, nem é causador de tentação para ninguém. 14Os maus desejos é que são motivo de tentação para cada um, seduzindo-o e desviando-o do caminho certo. 15Deste modo, o mau desejo gera o pecado e o pecado, como consequência final, produz a morte.

16Não se deixem enganar, meus queridos irmãos: 17tudo o que recebemos de bom e perfeito vem do céu, do Pai, fonte de toda a luz. Nele não há mudança nem sombra alguma. 18Pela sua própria decisão, trouxe-nos à luz da vida por meio da sua palavra de verdade, para sermos os primeiros frutos do seu mundo novo.

Palavras e obras

19Gravem bem isto na memória, meus queridos irmãos! Cada um deve estar sempre pronto para ouvir; mas não deve precipitar-se no falar, nem irritar-se com facilidade1,19 Ver Ec 7,9.. 20Pois quem se irrita não faz a vontade de Deus. 21Por isso, ponham de lado toda a espécie de impureza e qualquer resto de maldade e recebam com humildade a semente da palavra de Deus que tem poder para vos salvar a vida.

22Ponham a palavra de Deus em prática e não se contentem com ouvi-la, porque desse modo enganam-se a si mesmos. 23Aquele que se contenta com ouvir e não põe em prática a palavra é como alguém que se vai ver ao espelho. 24Vê a sua cara mas, mal se volta, esquece-se logo de como era. 25Pelo contrário, aquele que presta atenção à verdadeira lei, a da liberdade, e que continua a fazer caso dela, não é como um simples ouvinte que se esquece logo. É alguém que ouve e pratica. E assim é que ele encontrará a felicidade.

26Se alguém acha que é uma pessoa muito religiosa, mas não domina a sua língua, está completamente enganado: a sua religião é inútil. 27A pura e verdadeira religião diante de Deus, nosso Pai, é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas nas suas dificuldades1,27 Ver Is 1,17. e afastar-se da corrupção do mundo.

2

Não fazer distinção de pessoas

21Meus irmãos, pela fé que têm em Jesus Cristo, nosso glorioso Senhor, não tratem as pessoas com medidas diferentes2,1 Comparar com Jb 34,19; At 10,34; Tg 2,9.! 2Imaginem, por exemplo, que entram dois homens na vossa sinagoga, um com anéis de ouro e ricamente vestido e outro pobre e muito mal vestido. 3Dirigem-se ao que vem ricamente vestido e dizem-lhe: «Senta-te aqui no lugar de honra!» Depois dizem ao pobre: «Tu fica aí de pé ou senta-te no chão junto ao meu estrado2,3 Usar um pequeno estrado para servir de apoio para os pés, dava à pessoa ares de grande senhor e de desfrutar de uma posição superior na sociedade. Ver Sl 110,1.4Não veem que desta maneira estão a fazer diferenças entre pessoas e a julgá-las por critérios errados?

5Ouçam bem, meus queridos irmãos. Como sabem, Deus escolheu aqueles que são pobres aos olhos do mundo para lhes dar a riqueza da fé e os fazer herdeiros do reino que ele prometeu a quem o ama. 6No entanto, desprezam os pobres. Mas não são porventura os ricos que vos oprimem e que vos levam a tribunal? 7Não são eles que blasfemam contra o maravilhoso nome que foi invocado em vosso benefício2,7 Deve tratar-se de uma referência a um antigo rito de batismo que consistia na invocação do nome de Jesus sobre aquele que ia receber o batismo.?

8Portanto, procedem bem, se cumprirem o mandamento fundamental do reino, que está na Escritura: Amarás o teu semelhante como a ti mesmo2,8 Ver referência ao reino de Deus, no v. 5. A citação feita é de Lv 19,18. Ver também Mt 19,19; 22,39; Mc 12,31; Lc 10,27; Rm 13,9; Gl 5,14.. 9Mas se fazem diferenças entre as pessoas, isso é pecado e a lei de Deus condena-vos como transgressores. 10Pois aquele que cumpre os mandamentos da lei, mas despreza um só deles, é como se os tivesse desprezado a todos. 11Deus que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás2,11 Ver Ex 20,14 e Dt 5,18; Ex 20,13 e Dt 5,17.. Se matares alguém, ainda que não cometas adultério, tornas-te transgressor da lei.

12Portanto devem falar e viver como quem vai ser julgado pela lei da liberdade. 13Será julgado sem misericórdia aquele que não mostrou misericórdia. No dia do juízo, a misericórdia é que vence.

Fé e obras

14Que importa, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se a não põe em prática? Será que essa fé lhe trará a salvação? 15Imaginem que algum irmão ou irmã, não tem nada que vestir e lhe falta o necessário para comer, cada dia. 16Poderão dizer-lhes: «Vão em paz! Hão de encontrar com que se aquecer e matar a fome!» Mas se não lhes dão aquilo de que eles precisam, de que valem essas boas palavras? 17Do mesmo modo, a fé, se não é posta em prática, está morta2,17 Ou: completamente morta..

18Mas alguém poderá ainda dizer: «Tu tens a fé e eu tenho as obras.» Então mostra-me lá se a tua fé é verdadeira, sem obras, que eu mostro-te, pelas obras, a fé que tenho. 19Tu acreditas que há um só Deus. Muito bem! Os espíritos maus também acreditam e até tremem2,19 Ver 1 Tm 4,1. Comparar com Mt 8,29; Mc 1,24; 5,7; Lc 4,34.. 20Ó homem insensato, queres ver como a fé sem obras é inútil2,20 Outros manuscritos têm: está morta.? 21Não foi o nosso antepassado Abraão justificado pelas obras ao oferecer o seu filho Isaac em sacrifício2,21 Ver Gn 22,9.12. Comparar com Rm 3,26.? 22Deves ver então que a sua fé foi acompanhada pelas obras e que foi por elas que a fé se manifestou. 23Assim se cumpriu a passagem da Sagrada Escritura que diz: Abraão teve fé em Deus e por isso foi considerado justo e foi chamado amigo de Deus2,23 Ver Gn 15,6; Is 41,8; 2 Cr 20,7.. 24Vejam, portanto, que é pelas obras que cada um é justificado e não somente pela fé. 25Lembram-se do exemplo da prostituta Raab, que recebeu os enviados do povo de Israel e lhes indicou outro caminho para fugirem2,25 Ver Js 2,1–21.? Não foi pelas obras que ela foi justificada? 26Como um corpo sem espírito está morto, também a fé, sem obras, está morta.

3

É preciso dominar a língua

31Meus irmãos, são poucos os que devem ser mestres. Saibam que nós, os que ensinamos, teremos um julgamento mais rigoroso. 2Todos cometemos muitos erros. E se alguém não peca por palavras, é perfeito, capaz de dominar toda a sua pessoa. 3Se pomos freios na boca dos cavalos é para os dominar e assim controlamos todos os seus movimentos! 4Olhem para os navios! Podem ser muito grandes e impelidos por grandes ventos, mas são manobrados por um leme bem pequeno e o piloto dá-lhes o rumo que quer. 5Também a língua é uma pequena parte do corpo, mas é capaz de se orgulhar de grandes coisas.

Reparem como um pequeno fogo pode incendiar uma grande floresta! 6Pois a língua é como um fogo; é um mundo de maldade. Sendo uma pequena parte do nosso corpo, pode contaminar a pessoa inteira e pode queimar a vida toda com o seu fogo infernal.

7Qualquer espécie de animais selvagens e aves, répteis ou peixes pode ser domesticada. De facto, têm-se domesticado animais de todas as espécies. 8Mas a língua, ninguém é capaz de a domesticar. É um mal incontrolável; está cheia de veneno mortal. 9Com ela bendizemos o Senhor, nosso Pai, e com ela amaldiçoamos as pessoas que foram criadas à imagem de Deus3,9 Ver Gn 1,26–27.. 10Da mesma boca saem palavras de bênção e de maldição.

Meus irmãos, isto não devia ser assim! 11Será que uma fonte pode deitar, pela mesma bica, água doce e água amarga? 12Como é possível, meus irmãos, que uma figueira dê azeitonas, ou que uma videira dê figos? Uma nascente de água salgada nunca pode dar água doce.

A verdadeira sabedoria

13Há no vosso meio alguém que seja sábio e inteligente? Então, que mostre com o seu bom procedimento obras de uma sabedoria vivida com modéstia. 14Se tiverem sentimentos de grande ciúme ou inveja, em vossos corações, não sejam presunçosos, nem usem da mentira em prejuízo da verdade. 15Essa não é a sabedoria que vem de Deus. Pelo contrário, é terrena e mundana, vem do Demónio. 16Onde existem ciúme e inveja, aparecem a desordem e toda a espécie de maldades. 17Mas a sabedoria que vem de Deus é, antes de tudo, pura; pacífica, compreensiva, dócil, cheia de misericórdia e boas ações; não faz distinção de pessoas e não é fingida. 18Aqueles que trabalham pela paz vão lançando a semente da paz, que lhes dará uma colheita de justiça.