a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
16

A canção de Judite

161Judite cantou assim:

«Louvem ao meu Deus e cantem hinos em sua honra com tamborins;

Louvem ao Senhor com címbalos!

Cantem um salmo de louvor em sua honra.

Deem glória a Deus e peçam a sua ajuda.

2O Senhor é o Deus que acaba com as guerras.

Ele salvou-me das mãos dos meus inimigos

e trouxe-me de volta para o acampamento do meu povo.

3Das montanhas do Norte vieram os assírios,

milhares e milhares de guerreiros.

Os soldados encheram os vales,

os cavaleiros cobriram as montanhas.

4Ameaçaram incendiar o meu país,

matar os meus jovens à espada,

esmagar os meus bebés contra o chão,

levar as minhas crianças

e fazer das minhas jovens prisioneiras.

5Mas por meio de uma mulher

o Deus todo-poderoso os fez fracassar.

6O seu comandante não foi morto por um soldado;

não foi um gigante que o atacou,

não foi um homem forte que o matou.

Foi Judite, filha de Merari;

com a sua beleza ela o derrotou.

7Para trazer a vitória aos israelitas aflitos,

ela tirou a sua roupa de luto,

passou óleo perfumado no rosto,

8prendeu os cabelos com um diadema16,8 Ver Jdt 10,3 e nota.

e vestiu um vestido de linho para o seduzir.

9Ele ficou encantado com as suas sandálias,

e a sua beleza conquistou o seu coração;

então a espada16,9 Ver Jdt 13,6 e nota. cortou a sua cabeça!

10A coragem de Judite espantou os persas;

a sua bravura fez os medos16,10 Medos. Povo que habitava o nordeste da Babilónia. A Média veio a tornar-se parte do reino da Pérsia. tremerem.

11Então o meu povo humilhado gritou;

gritou forte16,11 Segundo algumas traduções antigas. O texto grego diz: ficou com medo., e os inimigos tremeram,

clamou em voz alta, e eles fugiram.

12Foram feridos como se fossem filhos de mulheres sem valor16,12 Segundo algumas traduções antigas. O texto grego diz: filhos de escravas os feriram.,

foram mortos como se fossem filhos de fugitivos.

Foram mortos na batalha do meu Senhor!

13Cantarei um novo hino ao meu Deus.

Tu és grande e glorioso, ó Senhor;

a tua força é maravilhosa e nunca és derrotado.

14Que todas as tuas criaturas te sirvam!

Tu deste ordem e todas elas começaram a viver;

enviaste o teu espírito16,14 Outra tradução: o sopro de vida. e ele as formou.

Ninguém pode deixar de obedecer às tuas ordens!

15As montanhas tremem até às bases, para se misturarem com os mares,

e as pedras se derretem como cera diante de ti.

Mas para os que te temem,

tu és sempre misericordioso.

16Pouco valem os sacrifícios perfumados,

menos ainda vale a gordura queimada em oferta a ti;

mas aqueles que temem ao Senhor serão poderosos para sempre.

17Ai das nações que se levantam para lutar contra o meu povo!

No dia do juízo, o Senhor todo-poderoso as castigará.

Ele as entregará ao fogo e aos vermes,

e elas chorarão de dor para sempre.»

O fim da história de Judite

18Os moradores de Betúlia foram a Jerusalém, purificaram-se e adoraram a Deus. Apresentaram no templo os seus sacrifícios para serem completamente queimados, as ofertas feitas de livre e espontânea vontade e as outras ofertas. 19Judite entregou a Deus todos os bens de Holofernes que tinha recebido do povo. Também dedicou ao serviço de Deus16,19 Ver Lv 27,28–29. o mosquiteiro que tinha tirado da cama de Holofernes. 20Durante três meses o povo continuou a comemorar a vitória com festas em frente ao templo de Jerusalém, e Judite ficou ali com eles. 21Quando terminaram os festejos, todos voltaram para casa, mas Judite voltou para Betúlia e continuou a morar na mesma casa. Durante toda a sua vida foi famosa no país inteiro. 22Muitos homens quiseram casar-se com ela, mas ela não se casou de novo depois da morte de Manassés, seu marido. 23A fama de Judite continuou a aumentar, e ficou a morar na casa que o marido lhe tinha deixado, até à idade de cento e cinco anos. Morreu em Betúlia e foi sepultada na caverna ao lado de Manassés. 24Durante sete dias os israelitas choraram a sua morte. Antes de morrer, repartiu os bens pelos parentes do seu marido e pelos da sua própria família. 25Enquanto Judite esteve viva, e por muito tempo depois da sua morte, ninguém ameaçou o povo de Israel.

1

Introdução e saudação

11Este livro contém a revelação de Jesus Cristo que ele recebeu de Deus, para a dar a conhecer aos seus servos. Trata-se de coisas que hão de acontecer brevemente e que Cristo deu a conhecer ao seu servo João por um anjo que lhe enviou.

2João atesta tudo quanto viu em relação à palavra e ao testemunho de Jesus Cristo. 3Feliz aquele que lê este livro e felizes os que ouvem estas palavras proféticas e guardam o que aqui está escrito1,3 O autor afirma que é preciso ler, ouvir e guardar estas palavras. A Sagrada Escritura foi escrita por causa desta triologia verbal: ler, ouvir e guardar. Quem assim fizer, será feliz., porque tudo isto há de acontecer em breve.

4Eu, João, dirijo-me às sete igrejas da província da Ásia1,4 As sete igrejas são enumeradas no v. 11.. Desejo-vos graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, e ainda da parte dos sete espíritos1,4 Sete Espíritos. O número sete simboliza a perfeição. Os sete espíritos simbolizam, portanto, a ação misteriosa de Deus na história dos homens. que estão diante do seu trono, 5e de Jesus Cristo, a testemunha fiel, o primeiro dos ressuscitados, o soberano dos reis da Terra.

Cristo ama-nos e pela sua morte libertou-nos dos nossos pecados. 6Ele fez de nós um reino de sacerdotes para Deus, seu Pai. A ele seja dada glória e o poder para todo o sempre. Ámen.

7Eis que ele vem com as nuvens.

Toda a gente o verá,

até mesmo os que o mataram.

Todos os povos da Terra se lamentarão por ele.

Assim há de ser! Ámen!

8Eu sou o Alfa e o Ómega1,8 Alfa e Ómega. Primeira e última letra do alfabeto grego (21,2; 22,13). A expressão significa: o Primeiro e o Último ou o Princípio e o Fim., diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.

Cristo revela-se a João

9Eu sou João, vosso irmão, e participo convosco nas mesmas perseguições no reino de Deus e na perseverança por Jesus. Encontrava-me na ilha de Patmos1,9 Patmos. Pequena ilha do mar Egeu para onde os romanos exilavam as pessoas que julgavam politicamente indesejadas. por ter proclamado a palavra de Deus e o testemunho de Jesus. 10O Espírito de Deus apoderou-se de mim, no dia do Senhor, e eu ouvi atrás de mim uma voz forte que parecia a voz duma trombeta. 11Dizia assim: «Escreve num livro aquilo que vais ver, e manda-o às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia.» 12Voltei-me para ver quem é que me falava e, ao voltar-me, vi sete castiçais de ouro1,12 Sete castiçais. Representam as sete igrejas a quem o autor escreveu. Ver 1,20.. 13E no meio dos castiçais estava alguém semelhante ao Filho do Homem vestido até aos pés com uma túnica comprida e uma faixa dourada à volta do peito. 14A sua cabeça e os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve e os seus olhos eram ardentes como o fogo. 15Os seus pés brilhavam como bronze fundido na fornalha e a sua voz era como o ruído das grandes cascatas1,15 Para os v. 13–15, ver Dn 7,13; 10,5; 7,9; 10,6.. 16Na sua mão direita tinha sete estrelas; da sua boca saía uma espada de dois gumes muito afiada e o seu rosto brilhava como o sol do meio-dia.

17Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Mas ele pôs a sua mão direita em cima de mim e disse: «Não tenhas medo! Eu sou o primeiro e o último1,17 Para os v. 16–17, ver Is 49,2; Hb 4,12; Is 44,6; 48,12.. 18Eu sou aquele que está vivo! Estive morto, mas agora vivo para sempre. Eu tenho poder sobre a morte e sobre o mundo dos mortos. 19Escreve pois aquilo que viste, o que está a acontecer agora e o que vai acontecer mais tarde. 20O significado das sete estrelas que viste na minha mão direita e dos sete castiçais de ouro é o seguinte: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais são essas sete igrejas.»