a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
4

Os israelitas preparam-se para se defenderem

41Os israelitas que viviam na Judeia souberam do que Holofernes, o comandante supremo do exército de Nabucodonosor, rei dos assírios, tinha feito com as outras nações, e como tinha destruído todos os seus templos e levado tudo o que havia neles. 2Por isso, ficaram com muito medo dele e apavoraram-se ao pensarem no que seria capaz de fazer com Jerusalém e com o templo do Senhor seu Deus. 3Tinham acabado de voltar do cativeiro e, portanto, todo o povo da Judeia estava reunido de novo. O templo, o altar e todos os utensílios que tinham sido profanados foram dedicados de novo. 4Portanto, enviaram mensageiros por toda a região da Samaria e até às cidades de Coná, Bet-Horon, Belmaim, Jericó, Cobá, Haçor e ao vale de Salém. 5Os moradores desses lugares prepararam-se para a guerra, colocando guardas no pico de todos os montes altos, construindo muralhas em volta dos povoados das montanhas e ajuntando mantimentos, pois tinham terminado a colheita há pouco tempo. 6O sumo sacerdote Joaquim, que naquele tempo estava em Jerusalém, escreveu uma carta aos moradores das cidades de Betúlia e de Betomestaim, que ficavam em frente do vale de Esdrelon, perto da cidade de Dotã. 7Joaquim mandou que ocupassem as passagens de subida das montanhas, por onde se entrava na Judeia. Seria fácil defendê-las, pois eram estreitas, e por elas apenas podiam passar dois homens de cada vez. 8Os israelitas obedeceram às ordens do sumo sacerdote Joaquim e dos membros do conselho superior, que fazia as suas reuniões em Jerusalém.

Oração pedindo o auxílio de Deus

9Todos os homens de Israel oraram a Deus com muito fervor e humilharam-se diante dele, fazendo jejuns rigorosos. 10Todos os homens e as suas mulheres, as crianças, o gado, os estrangeiros que moravam no país, os empregados e os escravos vestiram roupas feitas de pano grosseiro. 11E todos os homens, mulheres e crianças que moravam em Jerusalém ajoelharam-se em frente do templo, espalharam cinzas na cabeça e estenderam no chão as suas roupas de pano grosseiro, na presença do Senhor. 12Cobriram o altar com roupas de pano grosseiro e clamaram com muito fervor ao Deus de Israel, pedindo que ele não deixasse que os seus filhos fossem presos, que as suas esposas não fossem levadas e que as cidades que tinham herdado dos seus antepassados não fossem destruídas. Pediram também que não deixasse que os pagãos tivessem o prazer de profanar e desonrar o templo. 13O Senhor ouviu a oração deles e viu a sua aflição. E durante muitos dias o povo da Judeia e de Jerusalém jejuou em frente do templo do Deus Todo-Poderoso. 14O sumo sacerdote Joaquim, os sacerdotes e todos os que trabalhavam no templo vestiram roupas feitas de pano grosseiro para apresentarem a Deus os sacrifícios diários, que eram completamente queimados, os sacrifícios feitos de livre e espontânea vontade e os sacrifícios feitos para pagar promessas. 15Lançaram cinzas nos seus turbantes e oraram bem alto a Deus, pedindo que tivesse compaixão do povo de Israel.

1

Introdução e saudação

11Este livro contém a revelação de Jesus Cristo que ele recebeu de Deus, para a dar a conhecer aos seus servos. Trata-se de coisas que hão de acontecer brevemente e que Cristo deu a conhecer ao seu servo João por um anjo que lhe enviou.

2João atesta tudo quanto viu em relação à palavra e ao testemunho de Jesus Cristo. 3Feliz aquele que lê este livro e felizes os que ouvem estas palavras proféticas e guardam o que aqui está escrito1,3 O autor afirma que é preciso ler, ouvir e guardar estas palavras. A Sagrada Escritura foi escrita por causa desta triologia verbal: ler, ouvir e guardar. Quem assim fizer, será feliz., porque tudo isto há de acontecer em breve.

4Eu, João, dirijo-me às sete igrejas da província da Ásia1,4 As sete igrejas são enumeradas no v. 11.. Desejo-vos graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, e ainda da parte dos sete espíritos1,4 Sete Espíritos. O número sete simboliza a perfeição. Os sete espíritos simbolizam, portanto, a ação misteriosa de Deus na história dos homens. que estão diante do seu trono, 5e de Jesus Cristo, a testemunha fiel, o primeiro dos ressuscitados, o soberano dos reis da Terra.

Cristo ama-nos e pela sua morte libertou-nos dos nossos pecados. 6Ele fez de nós um reino de sacerdotes para Deus, seu Pai. A ele seja dada glória e o poder para todo o sempre. Ámen.

7Eis que ele vem com as nuvens.

Toda a gente o verá,

até mesmo os que o mataram.

Todos os povos da Terra se lamentarão por ele.

Assim há de ser! Ámen!

8Eu sou o Alfa e o Ómega1,8 Alfa e Ómega. Primeira e última letra do alfabeto grego (21,2; 22,13). A expressão significa: o Primeiro e o Último ou o Princípio e o Fim., diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.

Cristo revela-se a João

9Eu sou João, vosso irmão, e participo convosco nas mesmas perseguições no reino de Deus e na perseverança por Jesus. Encontrava-me na ilha de Patmos1,9 Patmos. Pequena ilha do mar Egeu para onde os romanos exilavam as pessoas que julgavam politicamente indesejadas. por ter proclamado a palavra de Deus e o testemunho de Jesus. 10O Espírito de Deus apoderou-se de mim, no dia do Senhor, e eu ouvi atrás de mim uma voz forte que parecia a voz duma trombeta. 11Dizia assim: «Escreve num livro aquilo que vais ver, e manda-o às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia.» 12Voltei-me para ver quem é que me falava e, ao voltar-me, vi sete castiçais de ouro1,12 Sete castiçais. Representam as sete igrejas a quem o autor escreveu. Ver 1,20.. 13E no meio dos castiçais estava alguém semelhante ao Filho do Homem vestido até aos pés com uma túnica comprida e uma faixa dourada à volta do peito. 14A sua cabeça e os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve e os seus olhos eram ardentes como o fogo. 15Os seus pés brilhavam como bronze fundido na fornalha e a sua voz era como o ruído das grandes cascatas1,15 Para os v. 13–15, ver Dn 7,13; 10,5; 7,9; 10,6.. 16Na sua mão direita tinha sete estrelas; da sua boca saía uma espada de dois gumes muito afiada e o seu rosto brilhava como o sol do meio-dia.

17Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Mas ele pôs a sua mão direita em cima de mim e disse: «Não tenhas medo! Eu sou o primeiro e o último1,17 Para os v. 16–17, ver Is 49,2; Hb 4,12; Is 44,6; 48,12.. 18Eu sou aquele que está vivo! Estive morto, mas agora vivo para sempre. Eu tenho poder sobre a morte e sobre o mundo dos mortos. 19Escreve pois aquilo que viste, o que está a acontecer agora e o que vai acontecer mais tarde. 20O significado das sete estrelas que viste na minha mão direita e dos sete castiçais de ouro é o seguinte: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais são essas sete igrejas.»