a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
34

Mensagem para Sedecias

341O Senhor falou a Jeremias quando o rei Nabucodonosor da Babilónia com o seu exército, apoiados pelas tropas aliadas de outras nações e raças, atacaram Jerusalém e as cidades circunvizinhas34,1 Ver 2 Rs 25,1–11; 2 Cr 36,17–21; comparar com Jr 21,2.. 2O Senhor, Deus de Israel, ordenou-lhe que se apresentasse diante do rei de Judá, Sedecias, e dissesse: «Eu, o Senhor, entregarei esta cidade ao rei da Babilónia e ele vai incendiá-la. 3Não escaparás; serás capturado e cairás nas suas mãos. Com os teus olhos verás o rei da Babilónia e falarás com ele em pessoa; e, depois, serás levado para a Babilónia.

4Presta atenção ao que tenho para te dizer, rei Sedecias: tu não serás morto na batalha. 5Vais morrer em paz. E assim como se queimava incenso, quando os teus antepassados, que reinaram antes de ti, eram sepultados, assim queimarão incenso em tua honra, e te lamentarão e chorarão por ti. Sou eu, o Senhor, que to declaro. Palavra do Senhor

6Em seguida, o profeta Jeremias entregou esta mensagem ao rei Sedecias, em Jerusalém. 7Entretanto o exército do rei da Babilónia atacava a cidade e sitiava simultaneamente Láquis e Azaca, as outras cidades fortificadas de Judá, que ainda ofereciam resistência.

Tratamento infligido aos escravos

8O Senhor falou a Jeremias, depois de o rei Sedecias e o povo de Jerusalém terem chegado a acordo para porem em liberdade 9os escravos hebreus de ambos os sexos, que tinham em seu poder, para que ninguém tivesse um judeu, seu compatriota, como escravo. 10Tanto o povo como os seus dirigentes concordaram em libertar definitivamente os seus escravos e escravas. E puseram-nos, de facto, em liberdade. 11Mas mais tarde, mudaram de ideias e apoderaram-se deles novamente, fazendo-os outra vez escravos.

12Então o Senhor, Deus de Israel, falou a Jeremias 13e mandou-o ir dizer ao povo: «Eu fiz uma aliança com os vossos antepassados, quando os fiz sair do Egito, da terra da escravidão. Disse-lhes que, 14ao fim de cada período de sete anos, cada um devia pôr em liberdade34,14 Ver Ex 21,2–3; Dt 15,1215. os escravos hebreus, que os tivessem servido durante seis anos. Mas os vossos antepassados não me quiseram dar ouvidos nem me obedeceram. 15Há poucos dias, mudaram de opinião e agiram segundo a minha vontade. Concordaram em libertar os vossos compatriotas e fizeram um pacto na minha presença, no templo que é o meu santuário. 16Mas depois mudaram de novo e desprezaram-me. Voltaram a apoderar-se deles, reduzindo outra vez à escravidão os escravos e escravas que tinham libertado.

17Por isso, eu, o Senhor, vos declaro: “Não me obedeceram, não libertaram os vossos compatriotas. Pois bem, eu vou libertar contra vós a guerra, a doença e a fome. Farei com que as nações da terra fiquem horrorizadas diante de vós.

18Entregarei nas mãos dos seus inimigos aqueles que transgrediram a minha aliança e não cumpriram o acordo que fizeram na minha presença, ao passarem entre as duas metades dum boi, que cortaram ao meio. 19Entregarei ao inimigo os governantes de Judá e Jerusalém, juntamente com os eunucos do palácio, os sacerdotes e os habitantes do país, que fizeram o pacto, passando pelas metades do boi34,19 Ver Gn 19,9–18 e nota ao v. 10.. 20Ficarão à mercê daqueles que procuram matá-los e os seus cadáveres serão comidos pelas aves e animais selvagens. 21Entregarei ainda o rei Sedecias de Judá e os seus oficiais aos inimigos que procuram matá-los. Vou entregá-los ao exército da Babilónia. Pois, se eles levantaram o cerco que faziam contra vocês e se retiraram34,21 Ver 37,5–11., 22darei ordens para que voltem a esta cidade e a ataquem, a conquistem e lhe deitem o fogo. Transformarei as cidades de Judá num deserto, onde ninguém vive. Palavra do Senhor!”»