a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
46

Derrota do Egito em Carquémis

461O Senhor falou a Jeremias acerca das nações46,1 Temá central dos capítulos 46—51., 2começando pelo Egito. Eis o que disse acerca do exército do rei Neco46,2 Ver 2 Rs 23,29–35., do Egito, que o rei Nabucodonosor da Babilónia derrotou em Carquémis, junto do rio Eufrates, no quarto ano de Joaquim46,2 Ver 22,13; 25,1 e respetivas notas., filho de Josias, rei de Judá:

3«Os oficiais egípcios gritam:

“Preparem os escudos!

Em marcha para a guerra!

4Ponham os arreios aos cavalos

e montem sobre eles!

Formem em linha e ponham os capacetes.

Verifiquem o gume das lanças

e ponham a couraça!”

5“Mas que vejo eu?”

— pergunta o Senhor.

“Eles recuam cheios de medo!

Os seus soldados foram derrotados;

foram vencidos pelo pânico

e correm quanto podem,

sem olhar para trás.

Palavra do Senhor!

6Nem os que correm depressa

conseguem fugir;

os mais fortes não conseguirão escapar.

Ao norte, junto do Eufrates,

tropeçam e caem.

7Quem é este que parecia a enchente do Nilo,

quando a sua cheia inunda as margens?

8É o Egito, que se comparava com o Nilo,

quando a sua cheia inunda as margens,

e dizia:

Levantar-me-ei e cobrirei o mundo;

destruirei as cidades e os seus habitantes.

9Avancem os cavalos

e corram os carros!

Mandem os soldados,

homens do Sudão e da Líbia,

todos com os seus escudos;

arqueiros especiais provenientes da Lídia!

10Mas para o Senhor,

Deus todo-poderoso,

hoje é o dia da sua vingança

e vai castigar os seus inimigos.

A sua espada, qual monstro esfomeado,

vai devorá-los até ficar satisfeita

e saciada com o seu sangue.

O Senhor todo-poderoso, sacrificará as suas vítimas

no norte, junto ao Eufrates.

11Ó gente do Egito,

ide a Guilead em busca de remédio!

Mas os medicamentos não fazem nada;

nada vos pode curar.

12As nações ouviram falar da vossa humilhação;

por toda a parte se ouviram os vossos lamentos.

Um soldado tropeçou no outro

e ambos caíram por terra.”»

Invasão de Nabucodonosor

13Quando o rei Nabucodonosor da Babilónia foi atacar o Egito46,13 Provavelmente em 601–600 a.C. Comparar com 43,10–13., o Senhor falou ao profeta Jeremias e disse-lhe:

14«Proclamem esta mensagem pelo Egito,

em Migdol46,14 Migdol. Cidade egípcia na fronteira nordeste. Ex 14,2; Jr 44,1., em Mênfis e em Táfnis46,14 Mênfis e Táfnis. Ver 2,16 e nota.:

“Preparem-se para a defesa;

os nossos vizinhos já foram destruídos pela guerra!

15Por que caiu o vosso poderoso deus Ápis

sem conseguir resistir?

Foi o Senhor que o deitou abaixo!”

16Os vossos soldados tropeçaram e caíram;

cada um diz ao seu companheiro:

“Depressa, fujamos para a nossa terra,

para junto do nosso povo,

para escaparmos à espada do inimigo!”

17Deem um novo nome ao rei do Egito:

“Muito barulho, fora do tempo”.

18Eu, o Senhor todo-poderoso,

sou o rei, o rei vivo!

Como as altas torres do monte Tabor

e o monte Carmelo, altivo sobre o mar,

assim será a força daquele que vos ataca.

19Juntem as coisas para ir para o exílio,

habitantes do Egito!

Mênfis ficará deserta e em ruínas.

20O Egito é semelhante a uma vitela gorda,

atacada por um moscardo que vem do norte46,20 Ver 1,14 e nota..

21Nem os seus mercenários,

que eram tão bem tratados,

conseguiram resistir;

voltaram as costas e fugiram.

Chegou o dia da sua desgraça,

o tempo da destruição.

22As suas tropas fogem,

como uma serpente, sem barulho,

aterrorizadas pelo exército do inimigo;

este ataca-os com machados,

e deita-os abaixo como árvores,

23como se destruíssem uma densa floresta.

O inimigo é demasiado numeroso;

os seus soldados são como gafanhotos.

Palavra do Senhor!

24Os egípcios estão cobertos de vergonha,

conquistados pelos povos do norte.»

25O Senhor todo-poderoso, Deus de Israel, diz o seguinte: «Vou voltar-me contra Amon, o deus de Tebas46,25 Tebas. Cidade do Alto Egito., contra o Egito e contra os seus deuses e reis, contra o faraó e contra todos os que nele confiaram. 26Vou entregá-los aos que os querem matar, ao rei Nabucodonosor da Babilónia e ao seu exército. Mas mais tarde, o Egito terá novamente habitantes. Palavra do Senhor

O Senhor salvará o seu povo

27«Povo meu, não tenhas medo;

povo de Israel, não fiques aterrorizado.

Vou libertar-te dessa terra longínqua,

para onde foste prisioneiro.

Voltarás para a tua terra,

e ali viverás em paz;

ali terás segurança

e ninguém te irá incomodar.

28Povo meu, não tenhas medo!

Palavra do Senhor!

Eu estou contigo!

Vou destruir todas as nações

por onde te fiz espalhar.

E ainda que tenha de te dar o justo castigo

porque foste realmente culpado,

a ti, não te destruirei!

Palavra do Senhor

47

Mensagem acerca dos filisteus

471Antes do rei do Egito atacar Gaza, o Senhor falou ao profeta Jeremias acerca dos filisteus47,1 Sobre os filisteus, ver Is 14,29.. Eis o que o Senhor lhe disse:

«Olha! Uma enchente vem do norte47,1 Ver 1,14 e nota.

como um rio a transbordar.

2Vão cobrir a terra e tudo o que ela tem,

inundarão as cidades e o povo que nelas habita.

Toda a gente gritará por socorro

e chorará amargamente,

3ao ouvir o trotar dos cavalos,

o ruído dos carros e das rodas.

Os pais não voltarão atrás para socorrer os filhos,

porque já não têm força nem coragem!

4Chegou o momento de destruir os filisteus,

de os isolar de qualquer ajuda vinda de Tiro e Sídon47,4 Tiro e Sídon. Cidades da costa fenícia..

Eu, o Senhor, destruirei os filisteus,

todos os que vieram da ilha de Creta47,4 Ou: Caftor..

5Os habitantes de Gaza raparam a cabeça em sinal de luto,

os de Ascalon foram reduzidos ao silêncio.

Por quanto tempo ainda ficarão de luto os filisteus?

6Exclamam: “Espada do Senhor!

Quando é que vais parar?

Volta para a tua bainha,

descansa e fica quieta.”

7Mas como poderá ela descansar,

quando lhe dei trabalho para fazer?

Mandei-a atacar Ascalon

e o povo que habita junto ao mar.»

48

A destruição de Moab

481Mensagem acerca de Moab.

«Eis o que diz o Senhor, todo-poderoso,

o Deus de Israel!

Ai dos habitantes de Nebo,

porque a sua cidade será destruída!

Quiriataim48,1 Quiriataim. Localidade de Moab. foi conquistada e as suas fortalezas caíram:

os habitantes foram humilhados,

2porque o esplendor de Moab deixou de existir.

O inimigo apoderou-se de Hesbon

e planeou destruir a nação de Moab.

A cidade de Madmen ficou reduzida ao silêncio

quando o inimigo a atacou.

3A gente de Horonaim gritava.

Que desastre! Que enorme destruição!

4Moab foi destruída;

ouviam-se as crianças a chorar!

5Ouvem-se ainda os seus gemidos,

ao longo da estrada para Luit;

são gemidos de angústia,

a caminho de Horonaim:

6“Fujam daqui! Salvem a vida!

Fujam, como um burro selvagem, para o deserto!”

7Tu, Moab, confiaste na tua força e riqueza;

porém até tu serás conquistada.

O teu deus Camós irá para o exílio,

com os teus príncipes e sacerdotes.

8Nem sequer uma cidade há de escapar à destruição.

Tudo foi arrasado e desfeito nos vales e nas planícies.

É o que o Senhor decidiu.

9Preparem a sepultura para Moab,

porque será em breve destruída48,9 Segundo antigas versões.;

as suas cidades ficarão em ruínas,

e ninguém ali viverá mais.

10Maldito aquele que não quiser cumprir

a missão que o Senhor lhe deu

de executar a sua sentença com a espada!»

Destruição das cidades de Moab

11Moab viveu sempre segura e tranquila

e nunca foi levada para o exílio.

Moab é como o vinho deixado a repousar

sem nunca ser mudado de um jarro para outro.

O seu sabor nunca foi alterado,

nem perdeu o seu aroma.

12«Por isso, agora, chegou o momento em que vou mandar alguém derramar Moab por terra, como se fosse vinho. Esvaziarão as suas garrafas e parti-las-ão. 13Então os moabitas ficarão desapontados com o seu deus Camós, assim como os da Samaria ficaram desiludidos com o deus de Betel, em quem confiaram.

14Gente de Moab, por que pretendeis ser heróis,

soldados experimentados na guerra?

15Moab e as suas cidades ficaram destruídas;

os seus melhores soldados foram destroçados.

Palavra do Senhor todo-poderoso,

rei do Universo.

16Está próxima a desgraça de Moab;

a sua ruína está prestes a consumar-se.

17Chorem por aquela nação,

todos os que vivem perto dela

e que conhecem a sua fama

e exclamem: “Como o seu domínio foi esmagado;

a sua glória e poder desapareceram.”

18Descei do vosso lugar de honra

e sentem-se por terra, no pó,

todos os que vivem em Dibon.

O destruidor de Moab já chegou

e deixou as suas fortalezas em ruínas.

19Ponham-se à beira da estrada e esperem,

habitantes de Aroer.

Perguntem àqueles que fogem,

procurem saber deles o que aconteceu.

20“Moab caiu” — responderão eles;

“chorem por ela, porque está desgraçada.

Façam saber junto às margens do rio Arnon48,20 Arnon. Rio que atravessava o país de Moab e desaguava no mar Morto.,

que Moab foi destruída!”

21Chegou a hora do julgamento para as cidades do planalto: para Holon, Jaça, Mefaat, 22Dibon, Nebo e Bet-Diblataim, 23Quiriataim, Bet-Gamul e Bet-Meon, 24Queriot, Bosra e para todas as cidades de Moab, de longe e de perto.

25O poder de Moab foi aniquilado.

A sua força foi abatida.

Palavra do Senhor

Moab será humilhada

26«“Moab revoltou-se contra mim”, diz o Senhor. Deixem-na embriagar-se até vomitar48,26 Ver 25,15–29. e os povos rir-se-ão dela. 27Lembras-te Moab, de quando escarneceste do povo de Israel e o trataste como se tivesse sido apanhado com um bando de ladrões?

28Abandonem as vossas cidades,

habitantes de Moab!

Vão morar nos rochedos!

Façam como a pomba

que faz o ninho à entrada das cavernas.

29Moab é muito orgulhosa!

Tem fama de ser arrogante

pretenciosa e altiva

e de só pensar em si48,29 Ver Is 16,6–10..

30Eu conheço a sua arrogância,

— diz o Senhor!

As suas atitudes arrogantes nada valem,

não consegue pô-las em prática.

31Eu choro por Moab e grito por socorro

em favor de toda a sua gente;

lamento os habitantes de Quir-Heres48,31 Quir-Heres. Possivelmente a capital de Moab. O termo significa “cidade dos vasos quebrados”..

32Choro pela gente de Sibma,

mais do que pelos de Jazer.

Tu, cidade de Sibma,

és como a vinha, cujos ramos

chegam até ao mar Morto,

e se prolongam até Jazer.

Mas eis que os teus frutos de verão

e as tuas uvas, foram destruídos.

33A felicidade e a alegria desapareceram

da terra fértil de Moab.

Fiz com que o vinho deixasse de correr;

não há ninguém que pise as uvas

e cante de alegria.

34Os habitantes de Hesbon e de Elalé clamam e o seu grito pode ser ouvido em Jaás entre o povo de Soar; chega a Horonaim e à terceira povoação de Eglat. Até o ribeiro de Nimerim se secou.

35Farei com que os habitantes de Moab deixem de oferecer sacrifícios nos lugares de culto aos seus deuses! Palavra do Senhor!

36Por isso, o meu coração chora por Moab e pelos habitantes de Quir-Heres, como aquele que toca uma música fúnebre na sua flauta, porque tudo o que possuía se foi. 37Todos raparam a cabeça e cortaram a barba. Fizeram golpes nas mãos e se vestiram de saco. 38Ouvem-se os gritos e lamentos nos telhados de Moab e nas praças públicas. Quebrei Moab como se fosse um jarro que ninguém quer. Palavra do Senhor! 39Moab foi destroçada! Ai dela, que está desgraçada. Ficou em ruínas, e as nações vizinhas fazem troça dela!

40O Senhor declara que uma nação atacará Moab como uma águia de asas abertas.

41As suas cidades e fortalezas

vão ser conquistadas.

Nesse dia, os soldados de Moab

ficarão tão apavorados

como uma mulher que vai dar à luz.

42Moab será destruída

e não será mais uma nação,

porque se revoltou contra o Senhor.

43Terror, armadilhas e perigos

espreitam o povo de Moab.

Palavra do Senhor!

44Quem quer fugir ao terror

vai cair nas armadilhas

e quem conseguir sair delas

vai cair noutros perigos,

porque chegou o tempo que o Senhor

destinou para a destruição de Moab.

45Os refugiados indefesos

procuram abrigo em Hesbon,

cidade do rei de Seon48,45 Seon. Ver Dt 2,26; Nm 21,28..

Mas ela está a arder.

O fogo consumiu o seu território

e os cumes dos montes de Moab,

do povo que tanto ama a guerra.

46Coitados dos habitantes de Moab!

Eles que prestaram culto a Camós,

foram destruídos, e todo o povo

foi prisioneiro para o exílio.

47Mas no futuro, declara o Senhor,

hei de acabar com o exílio de Moab.»

Esta é a sentença anunciada para Moab.