a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
48

A destruição de Moab

481Mensagem acerca de Moab.

«Eis o que diz o Senhor, todo-poderoso,

o Deus de Israel!

Ai dos habitantes de Nebo,

porque a sua cidade será destruída!

Quiriataim48,1 Quiriataim. Localidade de Moab. foi conquistada e as suas fortalezas caíram:

os habitantes foram humilhados,

2porque o esplendor de Moab deixou de existir.

O inimigo apoderou-se de Hesbon

e planeou destruir a nação de Moab.

A cidade de Madmen ficou reduzida ao silêncio

quando o inimigo a atacou.

3A gente de Horonaim gritava.

Que desastre! Que enorme destruição!

4Moab foi destruída;

ouviam-se as crianças a chorar!

5Ouvem-se ainda os seus gemidos,

ao longo da estrada para Luit;

são gemidos de angústia,

a caminho de Horonaim:

6“Fujam daqui! Salvem a vida!

Fujam, como um burro selvagem, para o deserto!”

7Tu, Moab, confiaste na tua força e riqueza;

porém até tu serás conquistada.

O teu deus Camós irá para o exílio,

com os teus príncipes e sacerdotes.

8Nem sequer uma cidade há de escapar à destruição.

Tudo foi arrasado e desfeito nos vales e nas planícies.

É o que o Senhor decidiu.

9Preparem a sepultura para Moab,

porque será em breve destruída48,9 Segundo antigas versões.;

as suas cidades ficarão em ruínas,

e ninguém ali viverá mais.

10Maldito aquele que não quiser cumprir

a missão que o Senhor lhe deu

de executar a sua sentença com a espada!»

Destruição das cidades de Moab

11Moab viveu sempre segura e tranquila

e nunca foi levada para o exílio.

Moab é como o vinho deixado a repousar

sem nunca ser mudado de um jarro para outro.

O seu sabor nunca foi alterado,

nem perdeu o seu aroma.

12«Por isso, agora, chegou o momento em que vou mandar alguém derramar Moab por terra, como se fosse vinho. Esvaziarão as suas garrafas e parti-las-ão. 13Então os moabitas ficarão desapontados com o seu deus Camós, assim como os da Samaria ficaram desiludidos com o deus de Betel, em quem confiaram.

14Gente de Moab, por que pretendeis ser heróis,

soldados experimentados na guerra?

15Moab e as suas cidades ficaram destruídas;

os seus melhores soldados foram destroçados.

Palavra do Senhor todo-poderoso,

rei do Universo.

16Está próxima a desgraça de Moab;

a sua ruína está prestes a consumar-se.

17Chorem por aquela nação,

todos os que vivem perto dela

e que conhecem a sua fama

e exclamem: “Como o seu domínio foi esmagado;

a sua glória e poder desapareceram.”

18Descei do vosso lugar de honra

e sentem-se por terra, no pó,

todos os que vivem em Dibon.

O destruidor de Moab já chegou

e deixou as suas fortalezas em ruínas.

19Ponham-se à beira da estrada e esperem,

habitantes de Aroer.

Perguntem àqueles que fogem,

procurem saber deles o que aconteceu.

20“Moab caiu” — responderão eles;

“chorem por ela, porque está desgraçada.

Façam saber junto às margens do rio Arnon48,20 Arnon. Rio que atravessava o país de Moab e desaguava no mar Morto.,

que Moab foi destruída!”

21Chegou a hora do julgamento para as cidades do planalto: para Holon, Jaça, Mefaat, 22Dibon, Nebo e Bet-Diblataim, 23Quiriataim, Bet-Gamul e Bet-Meon, 24Queriot, Bosra e para todas as cidades de Moab, de longe e de perto.

25O poder de Moab foi aniquilado.

A sua força foi abatida.

Palavra do Senhor

Moab será humilhada

26«“Moab revoltou-se contra mim”, diz o Senhor. Deixem-na embriagar-se até vomitar48,26 Ver 25,15–29. e os povos rir-se-ão dela. 27Lembras-te Moab, de quando escarneceste do povo de Israel e o trataste como se tivesse sido apanhado com um bando de ladrões?

28Abandonem as vossas cidades,

habitantes de Moab!

Vão morar nos rochedos!

Façam como a pomba

que faz o ninho à entrada das cavernas.

29Moab é muito orgulhosa!

Tem fama de ser arrogante

pretenciosa e altiva

e de só pensar em si48,29 Ver Is 16,6–10..

30Eu conheço a sua arrogância,

— diz o Senhor!

As suas atitudes arrogantes nada valem,

não consegue pô-las em prática.

31Eu choro por Moab e grito por socorro

em favor de toda a sua gente;

lamento os habitantes de Quir-Heres48,31 Quir-Heres. Possivelmente a capital de Moab. O termo significa “cidade dos vasos quebrados”..

32Choro pela gente de Sibma,

mais do que pelos de Jazer.

Tu, cidade de Sibma,

és como a vinha, cujos ramos

chegam até ao mar Morto,

e se prolongam até Jazer.

Mas eis que os teus frutos de verão

e as tuas uvas, foram destruídos.

33A felicidade e a alegria desapareceram

da terra fértil de Moab.

Fiz com que o vinho deixasse de correr;

não há ninguém que pise as uvas

e cante de alegria.

34Os habitantes de Hesbon e de Elalé clamam e o seu grito pode ser ouvido em Jaás entre o povo de Soar; chega a Horonaim e à terceira povoação de Eglat. Até o ribeiro de Nimerim se secou.

35Farei com que os habitantes de Moab deixem de oferecer sacrifícios nos lugares de culto aos seus deuses! Palavra do Senhor!

36Por isso, o meu coração chora por Moab e pelos habitantes de Quir-Heres, como aquele que toca uma música fúnebre na sua flauta, porque tudo o que possuía se foi. 37Todos raparam a cabeça e cortaram a barba. Fizeram golpes nas mãos e se vestiram de saco. 38Ouvem-se os gritos e lamentos nos telhados de Moab e nas praças públicas. Quebrei Moab como se fosse um jarro que ninguém quer. Palavra do Senhor! 39Moab foi destroçada! Ai dela, que está desgraçada. Ficou em ruínas, e as nações vizinhas fazem troça dela!

40O Senhor declara que uma nação atacará Moab como uma águia de asas abertas.

41As suas cidades e fortalezas

vão ser conquistadas.

Nesse dia, os soldados de Moab

ficarão tão apavorados

como uma mulher que vai dar à luz.

42Moab será destruída

e não será mais uma nação,

porque se revoltou contra o Senhor.

43Terror, armadilhas e perigos

espreitam o povo de Moab.

Palavra do Senhor!

44Quem quer fugir ao terror

vai cair nas armadilhas

e quem conseguir sair delas

vai cair noutros perigos,

porque chegou o tempo que o Senhor

destinou para a destruição de Moab.

45Os refugiados indefesos

procuram abrigo em Hesbon,

cidade do rei de Seon48,45 Seon. Ver Dt 2,26; Nm 21,28..

Mas ela está a arder.

O fogo consumiu o seu território

e os cumes dos montes de Moab,

do povo que tanto ama a guerra.

46Coitados dos habitantes de Moab!

Eles que prestaram culto a Camós,

foram destruídos, e todo o povo

foi prisioneiro para o exílio.

47Mas no futuro, declara o Senhor,

hei de acabar com o exílio de Moab.»

Esta é a sentença anunciada para Moab.

49

Profecia contra Amon

491Eis o que o Senhor declara acerca de Amon49,1 Ver Ez 21,33–37; 25,1–7; Am 1,13–15; Sf 2,8–11.: «Onde estão os homens de Israel?

Não há ninguém para defender a sua terra?

Por que deixaram que a gente de Milcom se apoderasse

do território da tribo de Gad

e se estabelecesse ali?

2Por isso, há de vir o tempo

em que farei ouvir o toque de guerra

aos habitantes da cidade, capital de Rabá.

Palavra do Senhor!

Ficará em ruínas e as povoações à sua volta

serão consumidas pelo fogo.

Depois Israel vai recuperar

a terra que lhe foi tirada.

É o que declara o Senhor!

3Chorem, habitantes de Hesbon49,3 Hesbon. Cidade a nordeste de Moab. Ver 48,2.!

A cidade de Ai foi destruída!

Que as mulheres de Rabá gritem de dor!

Vistam-se de saco e chorem!

Corram como loucas pelas ruas.

O vosso deus Milcom será levado para o exílio,

juntamente com os seus sacerdotes e príncipes.

4Ó gente rebelde, por que se envaidecem

dos vossos vales férteis, confiando nos vossos tesouros

e dizendo que ninguém vos atacará?

5Eis que de todos os lados

farei cair sobre vós o terror.

Palavra do Senhor, todo-poderoso!

Terão de fugir cada um para seu lado

e ninguém vos conseguirá reunir os fugitivos.

6Mas um dia, hei de fazer regressar

os amonitas do seu exílio.

Palavra do Senhor

Profecia contra Edom

7Acerca de Edom49,7 Ver Is 34,5 e nota..

«Eis o que diz o Senhor todo-poderoso!

Será que os habitantes de Edom

já não têm sabedoria?

Será que os seus conselheiros

já não sabem o que devem aconselhar?

Será que desapareceu a sua sabedoria?

8Fujam, habitantes de Dedan49,8 Dedan. Cidade a noroeste da Arábia.,

vão esconder-se nas grutas!

Vou acabar com os descendentes de Esaú49,8 Esaú. Pai dos edomeus. Ver Gn 36,8–9.;

chegou o momento de os castigar.

9Quando vos forem vindimar,

não deixarão nem um cacho

e na noite em que os ladrões chegarem,

hão de matar até se fartarem.

10Pois eu porei a descoberto os descendentes de Esaú

e revelarei os seus esconderijos,

de maneira que já não se podem esconder.

Os habitantes de Edom ficam destruídos.

Nem um sequer escapará.

11Deixem comigo os vossos órfãos

e tomarei conta deles.

As vossas viúvas terão o meu apoio.

12Eis o que declara o Senhor!

Se mesmo os que não mereciam castigo

tiveram de beber da taça49,12 Taça. Sobre este símbolo do juízo de Deus, ver 25,15–29.,

pensam vós que escaparão impunes;

sem ter de beber dela também?

13Vivo eu, pela minha vida

que a cidade de Bosra ficará deserta;

os povos farão troça da sua ruína

e usarão o seu nome como símbolo de maldição.

As vilas vizinhas ficarão em ruínas para sempre.

Palavra do Senhor!

14O Senhor enviou um mensageiro às nações,

para que reúnam os seus exércitos

e se preparem para vos atacar, habitantes de Edom.

15E o Senhor transmitiu-me esta mensagem:

Eu vou enfraquecer-vos

e ninguém terá respeito por vós.

16Foram enganados pelo orgulho!

Ninguém vos teme tanto como vocês pensam.

Vivem nos cumes rochosos,

no cimo dos montes!

Porém, embora habitem tão alto como as águias,

eu vou fazer-vos cair.

Palavra do Senhor!

17A destruição que vou fazer cair sobre Edom será tão grande que os que por lá passarem ficarão horrorizados e espantados com tanta desgraça! 18Será como a catástrofe de Sodoma e Gomorra49,18 Ver Gn 18,20—19,29., quando foram destruídas, juntamente com as cidades vizinhas. Nunca mais serão habitadas; ninguém se instalará nelas de novo! Palavra do Senhor!

19Como o leão que sai dos matagais do Jordão,

para caçar nas verdes pastagens,

assim eu virei e farei com que os edomeus

fujam à pressa do seu país.

E quem eu escolher

é que governará o país.

Quem se pode comparar a mim?

Quem ousará competir comigo!

Que governante me poderá resistir?

20Ouçam, portanto, o plano que tenho

contra os habitantes de Edom

e o que tenciono fazer com o povo de Teman.

Até as crianças serão destruídas

como as crias do rebanho são arrastadas pelo leão.

21Quando Edom cair, haverá tal ruído

que toda a terra será abalada

e os gritos de socorro

serão ouvidos até ao Mar Vermelho.

22O inimigo atacará Bosra

como uma águia de asas abertas.

Nesse dia, os soldados de Edom ficarão tão atemorizados

como uma mulher que vai dar à luz49,22 Ver 48,40–41.

Profecia contra Damasco

23O Senhor diz acerca de Damasco:

«Os habitantes de Hamat e de Arpad49,23 Hamat e Harpad. Cidades da Síria.

estão angustiados e preocupados

por causa das más notícias que ouviram.

Qual mar encapelado, não conseguem descansar.

24Os habitantes de Damasco

definharam e fugiram de aterrorizados,

cheios de angústia e de dor,

como uma mulher que vai dar à luz.

25Essa famosa cidade,

que antes regorgitava de alegria,

está completamente deserta.

26Nesse dia, os seus jovens

serão mortos nas ruas das cidades,

e os seus soldados cairão.

Palavra do Senhor, todo-poderoso!

27Porei fogo aos muros de Damasco

e incendiarei os palácios do rei Ben-Hadad49,27 Ben-Hadad. Nome dado a vários reis antigos de Damasco.

Condenação da tribo de Quedar e da cidade de Haçor

28O Senhor diz acerca da tribo de Quedar49,28 Sobre as populações árabes, ver Is 21,13–16 e notas. e dos reinos dependentes de Haçor, que foram conquistados pelo rei Nabucodonosor da Babilónia:

«Ataquem os habitantes de Quedar

e destruam essa gente do oriente!

29Apoderem-se das suas tendas e rebanhos,

dos seus abrigos e de todos os seus haveres.

Tomem posse dos seus camelos e digam ao povo:

“Estão cercados pelo terror49,29 Ver 6,25 e nota.!”

30Habitantes de Haçor, fujam para qualquer lado,

escondam-se bem, diz o Senhor!

O rei Nabucodonosor da Babilónia

fez projetos contra vós

e maquinou o seguinte plano:

31“Vamos, ataquemos aquele povo

que pensa que está em segurança!

A sua cidade não tem portas nem fechaduras

e está totalmente desprotegida.”

32Os inimigos levam os seus camelos,

todo o seu gado, como despojos de guerra.

Farei dispersar por toda a parte

a esse povo que corta os cantos do cabelo49,32 Ver 9,25; 25,23.

e de todos os lados trarei contra eles a ruína.

Palavra do Senhor!

33Haçor ficará deserta para sempre,

um lugar onde só vivem chacais.

Nunca mais ali viverá ninguém;

ninguém para lá irá habitar!»

Sentença contra Elam

34Pouco depois de Sedecias subir ao trono de Judá, o Senhor todo-poderoso falou ao profeta Jeremias, acerca do país de Elam49,34 País de Elam. Situado a leste da Babilónia (Ez 32,24–25). Os elamitas eram conhecidos pela sua destreza no tiro ao arco. Ver Is 22,6. e disse-lhe:

35«Esta é a mensagem do Senhor, todo-poderoso!

Hei de matar os arqueiros

que fizeram a força de Elam.

36Farei com que de toda a parte

soprem os ventos contra Elam

e dispersarei esse povo

até que não haja mais nenhum país

onde os seus habitantes se não tenham refugiado.

37Farei com que os habitantes de Elam

tenham medo dos seus inimigos,

daqueles que querem matá-los.

Destruirei a gente de Elam,

por causa da minha grande ira,

e enviarei exércitos contra eles,

até serem totalmente destroçados.

38Farei cair os seus reis e governantes

e em seu lugar estabelecerei o meu trono.

39Porém no futuro, farei com que os elamitas

possam regressar à sua terra!

Palavra do Senhor

50

Queda da Babilónia e regresso de Israel

501Esta é a mensagem que o Senhor transmitiu ao profeta Jeremias acerca da cidade da Babilónia e dos seus habitantes:

2«Dai as notícias às nações de modo que todos ouçam!

Anunciem-nas; não façam segredo!

Babilónia caiu!

O deus Bel foi humilhado; Marduc, despedaçado!

Os ídolos da Babilónia foram humilhados

e as suas horríveis imagens foram quebradas!

3Uma nação veio do norte50,3 Do norte vem a desgraça. Ver 1,14. atacar a Babilónia

e fazer dela um deserto.

Homens e animais fugiram e ninguém mais lá habita.

4Quando chegar esse dia,

os filhos de Israel e de Judá virão chorar,

à procura do Senhor, seu Deus.

Palavra do Senhor!

5Procurarão saber o caminho para Sião

e seguirão por ele.

Farão comigo uma aliança eterna

que nunca mais será revogada.

6O meu povo é como as ovelhas

que se perderam do pastor

e se dispersaram pelos montes.

Vaguearam por toda a parte

e já não sabem onde moram.

7Todos os inimigos que os encontram

atacam-nos e dizem:

“Eles pecaram contra o Senhor;

por isso, podemos afligi-los à vontade;

eles deviam ter confiado no Senhor,

como fizeram os seus antepassados.”

8Filhos de Israel e de Judá, fujam da Babilónia50,8 Comparar com Ap 18,4.!

Deixem o país! Sejam os primeiros a sair;

como os carneiros, sempre à frente do rebanho!

9Do norte vou mandar nações poderosas

para atacarem a Babilónia.

Farão guerra ao país e tomá-lo-ão.

Caçadores experimentados que são,

a sua pontaria nunca erra o alvo.

10A Babilónia será pilhada

e quem a pilhar nadará em abundância.

Palavra do Senhor!

11Habitantes da Babilónia,

vocês saquearam a minha nação

e estão orgulhosos e satisfeitos com isso.

Ficaram inchados como uma bezerra gorda

e portaram-se como cavalos que relincham.

12Porém a vossa terra natal será humilhada e desgraçada.

A Babilónia será pequena entre todas as nações;

será como um deserto árido, sem água.

13Por causa da minha ira,

ninguém habitará na Babilónia;

cairá em ruínas; e quem por lá passar

ficará impressionado com tais desgraças.

14Arqueiros, preparem-se para atacar a Babilónia,

e cerquem-na de todos os lados.

Atirem as vossas setas contra ela,

porque pecou contra o Senhor.

15Façam ouvir o grito de guerra

à volta dessa cidade!

Eis que a Babilónia se entregou.

Os seus muros e torres cederam

e foram deitados abaixo

É a vingança do Senhor contra os babilónios.

Vinguem-se deles

e tratem-nos como eles fizeram a outros.

16Não os deixem semear os seus campos,

nem fazer as suas colheitas.

Todo o estrangeiro que lá habitar

terá medo do exército invasor

e fugirá para o seu próprio país.

17O povo de Israel tornou-se como ovelhas,

perseguidas e espalhadas pelos leões.

Primeiro foram devorados pelo rei da Assíria; em seguida o rei Nabucodonosor da Babilónia triturou os seus ossos50,17 Alusão à tomada de Samaria em 722 a.C. Ver 39,1–10; 52,1–30.. 18Por isso, declara o Senhor todo-poderoso, Deus de Israel: “Vou castigar o rei Nabucodonosor e o seu país, tal como fiz com o rei da Assíria.

19Reconduzirei o povo de Israel ao seu país. Comerão do fruto do monte Carmelo e da região de Basã; alimentar-se-ão sem restrições do fruto dos territórios de Efraim e Guilead. 20Quando vier esse tempo, não se encontrará pecado em Israel, nem maldade em Judá, porque perdoarei a esse povo, a quem salvei a vida. Palavra do Senhor!”»

Condenação da Babilónia

21«Assaltem a terra de Merataim

e os moradores de Pecod50,21 Pecod. Parte da região de Merataim. Ver Ez 23,23..

Matem-nos e destruam-nos.

Façam tudo o que eu vos ordenar.

Palavra do Senhor!

22Ouve-se o ruído da batalha por toda a terra;

a derrocada é enorme.

23Como é possível?

A Babilónia, que esmagou o mundo como um martelo,

está agora destruída diante das outras nações!

24Tu fizeste guerra contra mim, ó Babilónia,

e foste apanhada na armadilha que te coloquei;

sem o saberes, ficaste prisioneira.

25Abri o arsenal das minhas armas

e na minha ira as tirei cá para fora,

porque eu, o Senhor todo-poderoso,

tenho uma obra a realizar na Babilónia.

26Ataquem-na por todos os lados

e abram os seus celeiros!

Amontoem os despojos, como se fosse trigo!

Destruam o país sem deixar nada!

27Matem as suas tropas, deem cabo deles!

Os habitantes da Babilónia estão condenados!

Chegou o momento de serem castigados.

28Ouçam como os que fugiram da Babilónia

vêm anunciar a Jerusalém

como o Senhor se vingou dos babilónios,

pelo que fizeram ao seu templo.

29Chamem todos os que manejam o arco e as flechas

para que cerquem e ataquem a Babilónia,

de modo que ninguém escape.

Façam-nos pagar tudo o que fizeram

e tratem-nos como eles trataram os outros50,29 Comparar com Ap 18,6.,

porque se comportaram com orgulho contra mim, o Senhor,

o santo de Israel.

30Por isso, os seus jovens serão mortos nas ruas da cidade, e os seus soldados serão desbaratados num só dia. Palavra do Senhor!

31Tu, Babilónia, estás cheia de orgulho.

Por isso, eu me volto contra ti!

Chegou o dia em que te vou castigar.

Palavra do Senhor, Deus todo-poderoso!

32A tua nação orgulhosa tropeçará e cairá

e ninguém virá em teu auxílio.

Deitarei fogo às tuas cidades

e tudo à sua volta será destruído.»

33Assim diz o Senhor todo-poderoso: «O povo de Israel e de Judá está oprimido. São guardados em segurança pelos que os capturaram e não deixam ir embora. 34Mas aquele que vem em seu socorro é poderoso! É o Senhor todo-poderoso. Ele defenderá a sua causa e trará paz à terra, juntamente com o castigo sobre o povo da Babilónia.

35Morte à Babilónia! — declara o Senhor.

Morte aos seus habitantes,

aos seus governantes e aos seus sábios.

36Morte aos seus profetas mentirosos!

Morte aos seus soldados, que ficaram aterrorizados!

37Destruam os seus cavalos e carros!

Morte aos seus mercenários, pois são fracos!

Apoderem-se dos seus tesouros e despojos.

38Tragam a seca à sua terra, e sequem-lhes os rios.

Pois a Babilónia tem ídolos horríveis,

que fizeram perder o juízo aos habitantes.

39Por isso, a Babilónia será assolada por chacais e por aves de mau agouro. E nunca mais será habitada50,39 Comparar com Ap 18,2.. 40Terá o mesmo fim de Sodoma e Gomorra, que eu destruí junto com as cidades vizinhas. Nunca mais serão habitadas50,40 Sodoma e Gomorra. Ver Gn 18,20—19,29; Jr 49,18.. Palavra do Senhor!

41Eis que vem aí um povo do norte50,41 Ver 6,22–24., de longe, que é uma nação poderosa. São reis poderosos que se preparam para a guerra. 42Pegaram em arcos e espadas; são cruéis e não têm piedade. O seu ruído é semelhante ao mar bravo, quando galopam a cavalo. Estão prontos para fazer guerra contra a Babilónia. 43O rei da Babilónia ouve as notícias e as suas mãos desfalecem. Está angustiado, como se fosse uma mulher que vai dar à luz.

44Eu, o Senhor, virei como um leão50,44 Para os v. 44–46, ver 49,19–21. que sai das matas do Jordão e farei com que os babilónios fujam da sua cidade. Escolherei um chefe para governar a nação. Quem se me pode comparar? Quem ousa enfrentar-me? Que governante poderá resistir diante de mim?

45Por isso, prestem atenção aos planos que tenho contra a cidade da Babilónia e contra os seus habitantes. Até os seus filhos serão arrastados para fora e todos ficarão horrorizados. 46Quando a Babilónia cair, haverá tal ruído, que a terra tremerá e os gritos de alarme serão ouvidos pelas outras nações.»