a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
2

Josué envia espiões a Jericó

21Josué, filho de Nun, mandou sigilosamente de Chitim dois espiões com ordem para explorarem bem a região, especialmente Jericó. Quando chegaram à cidade, entraram em casa da prostituta, chamada Raab, onde se alojaram. 2Ora o rei de Jericó foi informado de que tinham chegado nessa noite uns israelitas para espiarem o país. 3Mandou, por isso, este aviso a Raab: «Faz sair esses homens que foram para tua casa, porque eles vieram como espiões.» 4Mas a mulher escondeu os dois homens e respondeu: «Na verdade, vieram ter comigo uns homens, mas eu não sabia donde eles eram. 5Saíram ao anoitecer, antes de se fecharem as portas da cidade, e não sei para onde foram. Mas se forem depressa atrás deles, ainda os podem apanhar.» 6O que aconteceu é que ela os fez subir para o terraço da casa e lá os escondeu, no meio do linho que ali tinha posto.

7Os homens do rei saíram então e fecharam-se as portas da cidade. Dirigiram-se para o lado do Jordão à procura dos espiões e foram até ao vau do rio. 8Antes, porém, de os espiões se deitarem, Raab foi lá ter com eles 9e falou-lhes assim: «Eu sei que o Senhor vos deu este país. Toda a gente anda atemorizada por vossa causa e todos os habitantes fogem na vossa frente. 10Soubemos como o Senhor secou o Mar Vermelho diante de vós, quando saíram do Egito, e como, no lado de lá do Jordão, trataram os dois reis amorreus, Seon e Og, e os mataram. 11Quando tivemos conhecimento disso, ficámos desanimados e mais ninguém teve coragem de vos resistir, porque o Senhor, vosso Deus, é Deus no Céu e na Terra. 12Jurem-me agora pelo Senhor que hão de tratar a minha família tão bem como eu vos tratei e deem-me um sinal como garantia 13de que hão de poupar a vida ao meu pai e à minha mãe, aos meus irmãos e irmãs e aos seus familiares. Não nos matem!» 14Os homens responderam-lhe: «Que o Senhor nos tire a vida a nós mesmos, se não fizermos como tu dizes. Se tu não contares nada a ninguém do que andamos a fazer, prometemos-te que te havemos de tratar bem, quando o Senhor nos entregar este país.»

15Ora a casa de Raab estava sobre a muralha da cidade. Desceu-os então da janela por uma corda, 16dando-lhes o seguinte aviso: «Vão para as montanhas, para que os homens do rei não vos apanhem. Escondam-se por lá durante três dias, até que eles voltem. Depois poderão seguir o vosso caminho.»

17Os homens explicaram-lhe: «É assim que nós cumpriremos o juramento que fizemos. 18Quando entrarmos nesta terra, põe este cordão vermelho na janela por onde nos fizeste descer e reúne em tua casa o teu pai, a tua mãe, os teus irmãos e toda a tua família. 19Se alguém sair para fora da tua casa, será responsável pelo que acontecer. Nós não teremos culpa. Mas se alguém tratar mal qualquer pessoa que esteja em tua casa, é sobre nós que recairão as responsabilidades. 20Entretanto se tu contares a alguém o que andamos a fazer, nós ficamos desobrigados do juramento que fizemos.» 21Ela concordou, despediu-se deles e eles foram-se embora. Depois de saírem, ela colocou o cordão vermelho na janela.

22Os espiões foram para a montanha e por lá ficaram três dias, até que os homens do rei, depois de terem procurado por todos os caminhos, regressaram a Jericó, sem os terem encontrado. 23Os dois homens desceram então da montanha, atravessaram o rio e voltaram para junto de Josué, filho de Nun, contaram-lhe tudo o que tinha acontecido, 24e disseram-lhe: «O Senhor vai-nos entregar todo o país. Todas as pessoas andam a tremer de medo por causa de nós.»

3

Travessia do Jordão

31No dia seguinte, bem cedo, Josué e todo o povo saíram de Chitim e dirigiram-se para junto do Jordão. E ali acamparam antes de atravessarem o rio. 2Passados três dias, os chefes do povo percorreram o acampamento 3e deram as seguintes ordens: «Quando virem os sacerdotes levitas a transportar a arca da aliança do Senhor, vosso Deus, deixem o acampamento, ponham-se a caminho e sigam atrás deles. 4Mas entre vós e a arca deve ficar uma distância de cerca de um quilómetro. Dessa forma, podem ver o caminho a seguir, pois nunca por lá passaram antes.»

5Josué deu ainda estas ordens ao povo: «Purifiquem-se, porque amanhã o Senhor fará no vosso meio coisas maravilhosas.» 6Disse depois aos sacerdotes para pegarem na arca da aliança e para se colocarem à frente do povo. E eles fizeram o que Josué mandou. 7O Senhor falou a Josué: «A partir de hoje vou engrandecer-te diante de todo o povo de Israel, para que todos fiquem a saber que eu estou contigo, tal como estive com Moisés. 8Diz aos sacerdotes que levam a arca que parem junto do rio Jordão, quando lá chegarem.»

9Josué disse então aos israelitas: «Aproximem-se e ouçam o que diz o Senhor, vosso Deus: 10“Fiquem sabendo que o Deus vivo está no vosso meio e que, à medida que forem avançando, ele há de expulsar os cananeus, os hititas, os heveus, os perizeus, os guirgaseus, os amorreus e os jebuseus. 11Por isso, a arca da aliança do Senhor de toda a Terra vai à vossa frente atravessar o Jordão. 12Para esse efeito, escolham doze homens, um por cada tribo de Israel. 13Quando os sacerdotes que levarem a arca da aliança do Senhor de toda a Terra tiverem tocado com os pés na água, o Jordão abrir-se-á e as águas que vêm de cima hão de juntar-se como numa barragem.”»

14E quando o povo saiu das suas tendas para atravessar o rio, os sacerdotes que levavam a arca da aliança iam à sua frente. 15Chegaram ao rio Jordão. Era no tempo das ceifas, quando o rio vai a transbordar pelas margens3,15 Trata-se da ceifa da cevada que se faz na primavera, época do ano em que o rio vai a transbordar por causa do degelo das montanhas do Líbano.. Mas logo que os pés dos que levavam a arca tocaram na água, 16as águas que desciam pararam e amontoaram-se como se formassem uma barragem, numa grande extensão, até perto de Adam, localidade situada nas proximidades de Sartan. E as águas que desciam para o mar de Sal ficaram completamente separadas, de modo que o povo pôde atravessar. Isto deu-se perto de Jericó.

17Os sacerdotes que levavam a arca da aliança do Senhor conservaram-se de pé sobre o leito seco do rio, enquanto o povo de Israel ia atravessando a pé enxuto. Ali estiveram até que o povo atravessou o Jordão.

4

Monumento das doze pedras

41Depois de todo o povo ter atravessado o Jordão, o Senhor disse a Josué: 2«Escolham doze homens, um por cada tribo, 3e mandem-lhes tirar doze pedras do meio do rio, do lugar onde estiveram parados os sacerdotes, e que levem essas pedras para o sítio em que o povo irá passar a noite.»

4Josué chamou então os doze homens que tinham sido escolhidos de todas as tribos 5e disse-lhes: «Passem à frente da arca da aliança do Senhor, vosso Deus, e vão até ao meio do rio. Cada um tire uma pedra e ponha-a ao ombro, uma por cada tribo de Israel. 6Estas pedras ficarão como sinal daquilo que o Senhor fez. E quando os vossos filhos perguntarem um dia o que significam estas pedras para vós, 7responderão: “As águas do Jordão pararam e abriram caminho, quando a arca da aliança do Senhor atravessou o rio. Estas pedras estão a recordar para sempre ao povo de Israel o que aqui se passou.”»

8Os israelitas fizeram como Josué lhes mandou: foram ao meio do rio e tiraram as doze pedras, uma por cada tribo de Israel, tal como Deus tinha ordenado a Josué. Em seguida, levaram-nas para o sítio onde iam acampar e lá as colocaram. 9Josué mandou colocar outras doze pedras no meio do Jordão, no sítio onde estiveram parados os sacerdotes que levavam a arca da aliança. Essas pedras ainda hoje lá estão.

10Os sacerdotes que estavam com a arca ficaram de pé no meio do rio até se cumprir tudo o que o Senhor tinha mandado a Josué dizer ao povo. Era aquilo que Moisés tinha ordenado. O povo apressou-se a atravessar o rio 11e, logo que todos acabaram de passar, os sacerdotes com a arca da aliança passaram também e colocaram-se à frente do povo. 12Também passaram os homens das tribos de Rúben, de Gad e da metade da tribo de Manassés. Preparados para a guerra, iam à frente dos outros israelitas, conforme Moisés lhes tinha dito. 13Eram cerca de quarenta mil os homens preparados para combater, que desfilaram diante do Senhor em direção à planície de Jericó. 14Aquilo que o Senhor realizou naquele dia fez com que o povo de Israel considerasse Josué como um grande homem. E todos o respeitaram, como tinham respeitado Moisés, até ao fim da sua vida.

15O Senhor disse a Josué: 16«Manda sair do Jordão os sacerdotes que transportam a arca da aliança4,16 Literalmente: a arca que continha o documento da aliança.17Josué mandou-os sair 18e logo que saíram do meio do rio e os seus pés pisaram terra seca, as águas do rio voltaram ao seu lugar; e corriam como antes, a transbordar pelas margens.

19O povo atravessou o Jordão no décimo dia do primeiro mês4,19 Segundo Êxodo 12,3, o décimo dia do primeiro mês corresponde ao fim de março. e acampou em Guilgal, a oriente de Jericó. 20Josué colocou ali as doze pedras tiradas do rio 21e falou assim aos israelitas: «Quando, daqui por diante, os vossos filhos perguntarem o que significam estas pedras, 22digam-lhes que o povo de Israel passou o rio a pé enxuto. 23Contem-lhes como o Senhor, vosso Deus, secou as águas para vocês atravessarem, tal como tinha secado o Mar Vermelho para nós passarmos.

24Por isso, todos os povos da terra hão de reconhecer como o Senhor é poderoso e vocês hão de respeitar sempre o Senhor, vosso Deus.»