a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
20

Moisés faz sair água do rochedo

201Toda a comunidade dos israelitas chegou ao deserto de Sin, no primeiro mês do ano, e instalaram-se em Cadés20,1 Ver 13,21.26 e nota.. Míriam morreu e foi ali enterrada.

2A água faltou ao povo e amotinaram-se à volta de Moisés e de Aarão 3e discutiram com Moisés, dizendo: «Oxalá tivéssemos morrido com os nossos irmãos, castigados pelo Senhor20,3 Ver 17,15–16.27–28! 4Porque é que nos trouxeram para este deserto, a nós que somos o povo do Senhor? Foi para morrermos aqui, nós e os nossos gados? 5Porque é que nos tiraram do Egito, para nos trazerem para este lugar horrível, onde nada se semeia e onde não crescem figueiras nem videiras nem romãzeiras e onde não há sequer água para beber?»

6Moisés e Aarão afastaram-se do povo e dirigiram-se para a entrada da tenda do encontro, inclinaram-se de rosto por terra e o Senhor manifestou-lhes o seu maravilhoso poder. 7O Senhor disse a Moisés: 8«Pega na tua vara, reúne todo o povo e, na companhia do teu irmão Aarão e na presença do povo, ordenem ao rochedo que faça jorrar água. Assim tirarás água do rochedo, para dar de beber ao povo e aos seus gados.»

9Moisés pegou na sua vara, que estava diante do Senhor, tal como ele lhe ordenara. 10Com Aarão, Moisés mandou reunir o povo diante do rochedo e disse-lhe: «Ouçam-me bem, ó gente rebelde! Será que vamos conseguir tirar-vos água deste rochedo?»

11Depois levantou o braço e bateu com a sua vara duas vezes no rochedo e saiu tanta água que deu para as pessoas e os gados beberem.

12O Senhor disse a Moisés e a Aarão: «Não tiveram confiança em mim nem me honraram, diante dos israelitas. Por isso, também não serão vocês que hão de fazer entrar este povo na terra que lhe vou dar20,12 A culpa de Moisés e Aarão não fica muito clara. Talvez tenha sido a de bater no rochedo (v. 11), em vez de o intimarem por uma ordem (v. 8).

13Esta é a nascente de Meriba20,13 Meriba lembra a expressão hebraica que significa “água do conflito”., onde os israelitas discutiram com o Senhor e ele manifestou-lhes o seu poder.

O rei de Edom recusa passagem aos israelitas

14De Cadés, Moisés enviou mensageiros para irem dizer ao rei de Edom: «Escuta a mensagem dos teus irmãos israelitas! Já conheces as dificuldades que temos passado. 15Os nossos antepassados emigraram para o Egito e lá estivemos muito tempo, mas os egípcios trataram-nos mal, a nós e aos nossos pais. 16Pedimos ajuda ao Senhor; ele ouviu os nossos pedidos e mandou um mensageiro para nos fazer sair do Egito. Encontramo-nos agora em Cadés, cidade que está junto da fronteira com os teus territórios. 17Deixa-nos atravessar o teu país; não pisaremos campos nem vinhas, nem beberemos água das tuas fontes. Seguiremos sempre pela estrada real, sem nos desviarmos para a esquerda nem para a direita, até termos atravessado o teu território.»

18O rei de Edom respondeu: «Não podem atravessar o meu país! Se tentarem fazê-lo, faço-vos frente com o meu exército!»

19Os israelitas insistiram: «Iremos sempre pela estrada principal e se nós ou os nossos gados tivermos de beber água das tuas fontes pagaremos o justo preço. Só te pedimos que nos deixes atravessar o país.»

20O rei replicou: «Não podem atravessar o meu território!» E saiu ao encontro dos israelitas com um exército numeroso e fortemente armado.

21E como os edomeus se recusaram a deixar passar os israelitas pelo seu território, estes foram obrigados a fazer um desvio por outro lado.

Morte de Aarão

22Saindo de Cadés, toda a comunidade dos israelitas se dirigiu para o monte Hor, junto da fronteira de Edom. 23Ali o Senhor disse a Moisés e a Aarão: 24«Aarão irá juntar-se aos seus antepassados que morreram e não entrará na terra que eu vou dar aos israelitas20,24 Ver 11,12; 14,18.31; 15,2.17; 20,12., por causa da vossa rebeldia contra as minhas ordens, junto da nascente de Meriba. 25Chama Aarão e o seu filho Eleazar e sobe com eles ao monte Hor; 26tira as vestes sagradas a Aarão e veste-as ao seu filho Eleazar20,26 Sobre esta transmissão das vestes sacerdotais, ver Ex 29,29–30.. Depois Aarão morrerá naquele mesmo lugar.»

27Moisés fez conforme o Senhor lhe tinha mandado e, à vista de todo o povo, encaminharam-se os três para o monte Hor. 28Tirou a Aarão as vestes sagradas e vestiu com elas o seu filho Eleazar. E Aarão morreu no cimo daquele monte20,28 Ver Nm 33,38–39; Dt 10,6. e Moisés desceu da montanha com Eleazar. 29Ao saberem que Aarão tinha morrido, todos os israelitas fizeram luto por ele, durante trinta dias.

21

Vitória sobre os cananeus

211O rei de Arad21,1 Arad fica a uns 30 km a leste de Bercheba., um cananeu que habitava no Negueve, soube que os israelitas vinham pelo caminho de Atarim21,1 Localidade desconhecida. Ver 33,40., atacou-os e levou alguns como prisioneiros. 2Então os israelitas fizeram a seguinte promessa ao Senhor: «Se nos deres a vitória sobre este povo, todas as suas cidades serão votadas à destruição em tua honra.» 3O Senhor ouviu o pedido dos israelitas e deu-lhes a vitória sobre os cananeus e os israelitas condenaram à destruição as suas cidades. E aquele lugar passou a chamar-se Horma21,3 Horma quer dizer, em hebraico, “destruição”..

As serpentes venenosas

4Do monte Hor, os israelitas dirigiram-se para o Mar Vermelho, contornando o território de Edom21,4 Ver Dt 2,1.. Mas no caminho, o povo sentiu-se muito cansado 5e começou a protestar contra Deus e contra Moisés: «Por que é que nos fizeram sair do Egito, para morrermos no deserto? Não temos nem pão nem água e já estamos enjoados desta comida fraca.»

6O Senhor enviou contra o povo serpentes venenosas; elas morderam muita gente e muitos israelitas morreram21,6 Sobre os v. 5–6, ver 1 Co 10,9.. 7Então o resto do povo foi ter com Moisés, exclamando: «Errámos, quando protestámos contra o Senhor e contra ti! Pede ao Senhor que afaste de nós as serpentes.» E Moisés pediu ao Senhor em favor do povo. 8O Senhor respondeu-lhe: «Arranja uma serpente de metal e pendura-a no cimo dum pau. Quando alguém for mordido por uma serpente e olhar para esta serpente, salvará a vida.»

9Moisés fez uma serpente de bronze e pendurou-a no cimo dum pau. Quando as serpentes mordiam em alguém, este olhava para a serpente de bronze e ficava curado21,9 Ver 2 Rs 18,4; Jo 3,14..

Etapas até ao monte Pisga

10Os israelitas partiram e foram acampar em Obot. 11Depois saíram de Obot e foram acampar em Ié-Abarim, no deserto que se encontra a oriente de Moab. 12Dali, foram para junto da ribeira de Zéred. 13Saindo de Zéred, foram acampar do outro lado do Arnon, rio que nasce no território dos amorreus e atravessa o deserto, servindo de fronteira entre o território de Moab e o dos amorreus. 14Assim se lê no livro das Guerras do Senhor21,14 O livro das Guerras do Senhor deve ser uma recolha de poemas, do qual só conhecemos este poema relativamente difícil de traduzir.:

«Vaeb, em Sufá, e os afluentes,

o Arnon e a margem dos seus afluentes,

15que se estendem para os lados de Ar

e chegam até à fronteira de Moab.»

16Dali foram para Beer que era o poço21,16 Beer, quer dizer, em hebraico, “poço”. a propósito do qual o Senhor tinha dito a Moisés: «Manda reunir o povo que eu lhes darei água.» 17Foi então que os israelitas cantaram a seguinte canção21,17 Fragmento de um outro poema de origem desconhecida.:

«Sobe, água do poço!

Cantem-lhe canções!

18Poço aberto por príncipes,

cavado por gente nobre,

com seus cetros e cajados de comando.»

Do deserto, foram para Mataná 19e dali para Naliel; de Naliel foram para Bamot 20e dali para o vale dos campos de Moab, em direção ao cimo do monte Pisga, donde se domina toda a estepe.

Vitória sobre os reis Seon e Og

21Os israelitas enviaram mensageiros a Seon, rei dos amorreus, para lhe dizerem: 22«Deixa-nos atravessar o teu país; não nos desviaremos nem por campos nem por vinhas, nem beberemos águas das fontes. Seguiremos sempre pela estrada real21,22 Ver nota a 20,17., até termos atravessado o teu território.»

23Mas Seon não lhes permitiu atravessar o seu território. Pelo contrário, reuniu todo o seu exército e saiu contra os israelitas, no deserto. Foi encontrá-los em Jaás e atacou-os. 24Estes derrotaram Seon e conquistaram todo o seu país, desde o Arnon até ao Jaboc e ao país dos amonitas, cuja fronteira se encontrava fortificada. 25Os israelitas conquistaram todas as suas cidades e instalaram-se em todas as cidades amorreias, incluindo Hesbon e as suas aldeias. 26Hesbon era a capital de Seon, rei dos amorreus. Este tinha estado em guerra contra o anterior rei de Moab e tinha-se apoderado de todo o seu país até ao Arnon. 27A propósito disso diziam os poetas:

«Venham a Hesbon, capital do rei Seon!

Venham agora reconstruí-la e restaurá-la!

28O fogo saía de Hesbon,

as chamas, da capital de Seon;

o fogo devorou Ar de Moab

e os senhores das colinas do Arnon.

29Ai de ti, Moab!

Estás perdido, ó povo do deus Camós!

As tuas filhas e os teus filhos sobreviventes

são prisioneiros do rei amorreu, Seon21,29 Ou: os homens tiveram de fugir e as mulheres ficaram prisioneiras..

30Nós atirámos sobre os amorreus

e Hesbon ficou desfeita até Dibon;

devastámo-los até Nofa

e o fogo alastrou até Madabá.»

31Os israelitas instalaram-se na terra dos amorreus. 32Moisés enviou espiões para explorar a cidade de Jazer. Os israelitas apoderaram-se também das suas aldeias, expulsando os habitantes amorreus. 33Depois mudaram de direção e dirigiram-se para Basã. Og, rei de Basã, saiu contra eles com todo o seu exército e deu-lhes batalha em Edrei.

34O Senhor disse a Moisés: «Não tenhas medo dele, pois eu ponho-o à tua disposição com todo o seu exército e todo o seu país. Trata-o como trataste Seon, rei dos amorreus, que habitava em Hesbon.»

35E os israelitas derrotaram-no a ele, aos seus filhos e a todo o seu exército, sem que tenha ficado nenhum sobrevivente, e conquistaram o seu país.

22

Balac manda chamar Balaão

221Os israelitas partiram e foram acampar nas estepes de Moab, no lado oriental do Jordão, em frente de Jericó.

2Balac, filho de Sipor, que era então o rei de Moab, ao saber como os israelitas tinham tratado os amorreus, 3ficou cheio de medo dos israelitas e com ele todo o povo de Moab, por saberem que os israelitas eram um povo muito numeroso. 4Por isso, Balac, filho de Sipor, disse aos anciãos de Madiã: «Essa manada vai devorar a nossa região como o boi devora a erva dos campos!»

5Balac mandou então mensageiros a Balaão, filho de Beor, que estava em Petor22,5 Sobre Balaão, ver 2 Pe 2,15–16; Jd v. 11. Petor é uma localidade não identificada provavelmente situada no norte da Síria., junto ao Eufrates, no país dos amavitas22,5 O texto hebraico massorético lê: no território do seu povo., para lhe levarem a seguinte mensagem: «Veio do Egito um povo que cobre agora a superfície deste país e veio instalar-se mesmo diante de mim. 6Vem, por favor! Vem amaldiçoar por mim este povo, porque eles são muito mais fortes do que eu. Quero ver se assim consigo derrotá-los e expulsá-los deste país. Pois eu sei que tudo aquilo que tu abençoas fica abençoado e tudo o que tu amaldiçoas fica amaldiçoado.»

7Então os anciãos de Moab e os de Madiã foram ter com Balaão, levaram-lhe o dinheiro para pagar o esconjuro e comunicaram-lhe a mensagem de Balac. 8Balaão respondeu-lhes: «Fiquem cá esta noite que eu depois vos darei a minha resposta, conforme aquilo que o Senhor me disser.» E os chefes de Moab ficaram em casa de Balaão.

9Deus aproximou-se de Balaão e perguntou-lhe: «Quem são esses homens que estão contigo?» 10Balaão respondeu: «Foi Balac, filho de Sipor, rei de Moab, que mos enviou com esta mensagem: 11“Veio do Egito um povo que cobre agora a superfície deste país. Vem, por favor, amaldiçoá-los por mim. Talvez assim eu consiga lutar contra eles e expulsá-los.”»

12Mas Deus respondeu a Balaão: «Não vás com eles. Não podes amaldiçoar esse povo, porque ele é abençoado por mim.»

13Na manhã seguinte, Balaão levantou-se e foi dizer aos chefes enviados por Balac: «Voltem para a vossa terra, pois o Senhor não me deixa ir convosco.»

14Os chefes de Moab partiram e, chegando a casa de Balac, disseram-lhe: «Balaão não quis vir connosco.»

15Balac mandou outra vez mais chefes e ainda mais importantes do que os primeiros. 16Estes chegaram onde estava Balaão e disseram-lhe da parte de Balac, filho de Sipor: «Por favor, não te recuses a vir comigo! 17Prometo encher-te de honrarias e fazer por ti tudo o que me pedires. Mas vem, por favor, amaldiçoar por mim este povo.»

18Balaão respondeu aos chefes enviados por Balac: «Ainda que Balac me desse o seu palácio cheio de prata e ouro, eu não poderia desobedecer às ordens do Senhor, meu Deus, nem em pouco nem em muito. 19Por isso, fiquem cá também esta noite, para eu saber se o Senhor tem mais alguma coisa a me comunicar.»

20Durante a noite, Deus aproximou-se de Balaão e disse-lhe: «Se esses homens vieram insistir em te chamar, podes ir com eles; mas só podes fazer aquilo que eu te indicar que deves fazer.»

O anjo do Senhor enfrenta Balaão

21Na manhã seguinte, Balaão levantou-se, preparou a sua burra e partiu com os chefes de Moab. 22Mas Deus tinha ficado irado22,22 Esta expressão parece contradizer o que se afirma em 22,20. Na realidade, a narração de 22,22–35 repete de modo algo diferente o dito em 22,7–21. com a ida de Balaão e o anjo do Senhor colocou-se no meio do caminho, fazendo frente a Balaão. Balaão ia montado na burra e levava consigo os seus dois criados. 23Quando a burra viu o anjo do Senhor colocado no meio do caminho, de espada desembainhada na mão, saiu do caminho e meteu-se pelos campos fora. Balaão batia na burra, para a obrigar a voltar ao caminho.

24Mais adiante, o anjo do Senhor foi colocar-se de novo num caminho estreito que passava entre os muros de duas vinhas. 25Ao ver o anjo do Senhor, a burra apertou-se contra o muro e entalou a perna de Balaão contra o muro. E Balaão bateu-lhe ainda mais.

26Mais uma vez, o anjo do Senhor foi colocar-se na sua frente, numa passagem estreita, onde não havia possibilidade de desvio nem para a direita nem para a esquerda. 27Quando a burra viu o anjo do Senhor, deitou-se no chão, estando Balaão ainda em cima dela. Balaão ficou enfurecido e desatou a dar pancada na burra. 28Mas o Senhor fez com que a burra falasse e esta disse a Balaão: «Que mal te fiz eu, para me bateres assim, três vezes seguidas?»

29Balaão replicou-lhe: «Por que estás a fazer pouco de mim! Se eu tivesse à mão um punhal, matava-te agora mesmo.»

30Mas a burra respondeu a Balaão: «Eu sou a tua burra, que tu tens montado sempre, até hoje. Alguma vez tive o mau hábito de me comportar assim contigo?» Ele respondeu-lhe: «Não!»

31Então o Senhor abriu os olhos a Balaão e ele pôde ver o anjo do Senhor de pé no meio do caminho, com a espada desembainhada na mão, e inclinou-se de rosto por terra, em adoração. 32O anjo do Senhor disse-lhe: «Por que é que bateste já três vezes seguidas na tua burra? Eu é que me pus à tua frente, para te impedir de ires por um caminho contrário a mim. 33A burra viu-me e por três vezes se desviou de mim. Se ela se não tivesse afastado, eu já agora te teria matado, deixando-a viva a ela.»

34Balaão respondeu ao anjo do Senhor: «Pequei! Mas foi por não saber que tu estavas na frente do meu caminho. Se achas mal esta minha viagem, estou pronto para voltar para casa.»

35O anjo do Senhor respondeu-lhe: «Vai com esses homens, mas não podes dizer senão aquilo que eu te comunicar.»

E Balaão continuou viagem com os chefes enviados por Balac.

Balaão e Balac

36Quando Balac soube que Balaão estava a chegar, foi ao seu encontro numa cidade de Moab, que se encontra junto da fronteira, na margem do rio Arnon22,36 Provavelmente a cidade de Ar. Ver 21,15.28., nos confins do seu território. 37Balac perguntou a Balaão: «Por que é que não vieste, quando te mandei chamar? Pensas que não sou capaz de te recompensar condignamente?»

38Balaão respondeu: «Pois bem, aqui estou! Mas não poderei dizer tudo o que te apetecer. O que eu vou dizer será aquilo que Deus me mandar.»

39Balaão continuou a viagem com Balac até chegarem a Quiriat-Huçot. 40Balac ofereceu bois e ovelhas em sacrifício e presenteou Balaão e os chefes que vinham com ele com carne desse sacrifício. 41Na manhã seguinte, Balac levou Balaão ao cimo do monte Bamot-Baal22,41 Pode ser a localidade de Bamot referida em 21,19 ou simplesmente uma colina dedicada ao culto de Baal., donde se via parte do acampamento dos israelitas.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]