a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
10

Primeira coleção de provérbios (10,1—22,16)

101Provérbios de Salomão.

Um filho sábio dá alegria ao seu pai;

um insensato é a tristeza da sua mãe.

2As riquezas mal adquiridas de nada servem;

a honradez livra da morte.

3O Senhor não deixa um homem bom passar fome,

mas reprime os apetites dos maus.

4As mãos inativas levam à pobreza;

as mãos diligentes alcançam a riqueza.

5Quem recolhe no verão é prudente;

quem dorme no tempo da ceifa merece o desprezo.

6Sobre o homem justo chovem bênçãos,

mas o homem mau aloja em si a violência.

7O homem bom deixa boas recordações,

mas o mau depressa é esquecido.

8O sábio aceita receber ordens,

mas quem reage com insensatez cai na ruína.

9Viver em honestidade é viver em segurança,

mas o homem desonesto será descoberto.

10Quem esconde a verdade faz sofrer os outros;

quem fala com insensatez cai na ruína.

11As palavras do homem justo são fonte de vida;

as palavras do mau escondem a violência.

12O ódio gera conflitos;

o amor encobre as ofensas.

13Nas palavras do sábio há sabedoria;

o insensato só merece castigo.

14Os sábios entesouram sabedoria;

as palavras do insensato

anunciam a ruína iminente.

15A fortuna do rico protege-o como uma fortaleza;

a miséria do pobre expõe-no à ruína.

16A recompensa do justo é a vida;

a paga do homem mau é o pecado.

17Aceitar a correção é o caminho da vida;

mas quem a despreza anda errado.

18O que em si esconde o ódio é um mentiroso;

o que espalha a calúnia é um insensato.

19Quem fala muito cai forçosamente no erro:

é prudente saber moderar as palavras.

20As palavras do justo são prata escolhida;

o que pensam os maus vale bem pouco.

21As palavras do justo são úteis a muitos;

os insensatos morrem pela sua falta de juízo.

22Só a bênção do Senhor dá prosperidade;

o esforço humano nada lhe acrescenta.

23O insensato diverte-se a praticar o mal;

o sábio, a cultivar a sabedoria.

24O que os maus receiam acontece-lhes;

o que os justos desejam é-lhes concedido.

25Os maus desaparecem ao passar o furacão;

os justos estão firmes para sempre.

26Como o vinagre irrita os dentes, e o fumo, os olhos,

assim o preguiçoso irrita aquele que o envia.

27Os que respeitam o Senhor vivem mais tempo;

os anos dos maus serão abreviados.

28A esperança dos justos dá-lhes alegria;

as ilusões dos maus não levam a nada.

29O Senhor protege os que praticam o bem,

mas destrói os que fazem o mal.

30Nada fará fracassar um homem justo,

mas os maus não permanecerão na terra.

31Dos lábios do justo saem palavras de sabedoria,

mas a língua dos maldosos será arrancada.

32O homem justo sabe falar com bondade,

mas da boca dos maus só saem falsidades.

11

111O Senhor detesta balanças falsas:

o que lhe agrada são pesos exatos.

2Onde há soberba, há desprezo,

mas com a humildade há também sabedoria.

3A honestidade conduz os homens de bem;

a falsidade destrói os desonestos.

4De nada servirão as riquezas no dia do castigo,

mas a esmola livra da morte.

5A honestidade do justo aplana-lhe o caminho;

o homem mau cai, por causa da sua maldade.

6A honestidade dos justos livra-os do perigo,

mas os traidores serão apanhados na sua própria ambição.

7A morte do homem mau anula todas as ilusões,

em especial, as que ele colocava nas riquezas.

8Deus livra o homem justo da angústia;

em seu lugar cairá nela o homem mau.

9As palavras dos descrentes destroem o seu semelhante,

mas os justos hão de livrar-se, pelo seu conhecimento.

10Toda a cidade celebra a prosperidade dos justos,

mas salta de alegria, quando morrem os maus.

11Com a bênção dos justos a cidade prosperará,

mas será destruída pelas palavras dos maus.

12O insensato diz mal dos outros;

o homem inteligente sabe calar-se.

13O linguareiro vai contar tudo;

o homem discreto sabe guardar segredo.

14Sem bom governo a nação fracassa;

o triunfo depende dos muitos conselheiros.

15Quem fica por fiador de um estranho prejudica-se;

quem evita os compromissos vive tranquilo.

16A mulher formosa recebe homenagens;

o homem corajoso alcança riquezas.

17O homem bondoso faz bem a si mesmo;

o cruel provoca o seu próprio mal.

18O homem mau terá resultados enganosos;

quem propaga a justiça tem recompensa segura.

19Quem decide ser justo viverá;

quem segue o mal encaminha-se para a morte.

20O Senhor detesta os falsos de coração,

mas agradam-lhe os de conduta irrepreensível.

21Mais dia menos dia, os maus terão o castigo,

mas o grupo dos justos será poupado.

22Como anel de ouro em focinho de porco

é a mulher bela, mas insensata.

23Os justos podem esperar a felicidade;

os maus só podem esperar o castigo.

24Uns dão generosamente e ficam mais ricos,

outros poupam demais e empobrecem.

25Uma pessoa generosa prosperará

e quem largamente der, largamente receberá11,25 Ou: Quem der de beber terá quem lhe dê também..

26O povo amaldiçoa os que açambarcam o trigo,

mas fica reconhecido aos que o põem à venda.

27O que procura proceder bem, será bem-visto;

quem tenta fazer mal, o mal lhe cairá em cima.

28O que confia nas suas riquezas cairá,

mas os justos crescerão como rebentos de árvore.

29Quem orienta mal a sua casa desfaz a sua herança;

o insensato ficará escravo do sábio.

30O justo produz fruto como árvore de vida;

o sábio conquistará muita gente.

31Se o justo recebe a paga na terra,

quanto mais o homem mau e pecador!

12

121Aquele que quer aprender gosta que o corrijam;

o que detesta a repreensão fica ignorante.

2O Senhor aprova o homem de bem,

mas condena o de más intenções.

3O mal não é base firme para ninguém;

mas nada fará cair o homem justo.

4A mulher virtuosa faz do marido um rei;

mas a indigna é uma doença que lhe corrói os ossos.

5Os pensamentos dos justos são retos,

os planos dos perversos são enganosos.

6As palavras dos perversos são ciladas mortais,

mas a palavra dos justos livra-os da morte.

7Os perversos cairão e deixarão de existir,

mas a família dos justos permanecerá firme.

8Pela sua prudência, o homem será louvado;

o insensato será desprezado.

9Mais vale ser humilde e ter quem o sirva

do que ser arrogante e não ter que comer.

10O justo cuida até das necessidades do seu gado,

mas o malfeitor só respira crueldade.

11Quem cultiva a sua terra tem pão em abundância;

quem persegue futilidades é um insensato.

12A cobiça é uma armadilha para os maus,

mas os justos ganham raízes firmes.

13O perverso cai na armadilha das suas palavras;

o justo consegue livrar-se das dificuldades.

14Cada um recolhe o fruto daquilo que diz

e recebe a recompensa daquilo que faz.

15O insensato pensa que tudo o que faz está certo,

mas o sábio ouve os conselhos.

16O insensato mostra logo a sua ira;

o homem prudente encobre a ofensa.

17Quem é pela verdade proclama a justiça;

a testemunha desonesta está ao serviço da mentira.

18As palavras do charlatão são espadas que ferem;

as palavras do homem sábio trazem remédio.

19Uma afirmação verdadeira vale para sempre;

as mentiras só duram um instante.

20Nos planos dos maus só há falsidade,

mas, nos dos homens de paz, há alegria.

21Nenhum mal acontece aos homens honestos;

os perversos ficarão cobertos de ruína.

22O Senhor detesta os mentirosos;

mas os que vivem com sinceridade são do seu agrado.

23O homem sensato não faz alarde do seu saber;

os tolos exibem a sua estupidez.

24O homem diligente dominará;

o preguiçoso será dominado.

25A preocupação deprime o coração do homem,

mas uma boa palavra dá-lhe alegria.

26O justo serve de guia ao seu próximo;

os perversos erram sempre no seu caminho.

27O preguiçoso não consegue caça para assar;

o diligente apodera-se da riqueza do monte!

28A vida encontra-se onde se pratica a justiça.

Seguindo este caminho não se encontra a morte.