a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
18

181Quem se isola só segue os seus caprichos

e irrita-se sempre que alguém tem êxito.

2O que interessa ao insensato não é compreender,

mas sim fazer alarde dos seus pensamentos.

3Com a maldade vem o desprezo;

com a desonra vem a vergonha.

4As palavras do homem podem ser profundas como o oceano;

a conversa do sábio é como um ribeiro transbordante18,4 Ou: As palavras do homem são perigosas como a água profunda; a sabedoria é vivificante como uma torrente que brota..

5Não é bom favorecer os maus,

para prejudicar o inocente num julgamento.

6As palavras do insensato originam contendas:

o que ele diz só provoca brigas.

7O insensato, quando fala, causa a sua ruína:

aquilo que diz provoca a sua condenação.

8As palavras do intriguista são como guloseimas,

que se engolem com muita facilidade.

9O que é preguiçoso no seu trabalho

é irmão daquele que estraga.

10O nome do Senhor é uma fortaleza de refúgio:

nela, o justo vai procurar segurança.

11O rico vê as suas riquezas como um castelo,

protegidas por muralhas inacessíveis.

12O coração orgulhoso há de fracassar;

a humildade é caminho para a glória.

13Responder antes de escutar,

mostra insensatez e provoca o ridículo.

14A vontade de viver ajuda a vencer a doença;

com espírito abatido ninguém se restabelece.

15O homem inteligente adquire conhecimentos;

o sábio procura palavras instrutivas.

16Os presentes que se dão abrem muitas portas:

permitem chegar até junto dos grandes.

17O primeiro que se defende parece ter razão,

até ao momento em que o adversário o contradiz.

18Por sorteio, põe-se fim a uma querela

e decide-se o debate entre poderosos.

19O irmão ofendido é mais inacessível que uma muralha;

as contendas são como os ferrolhos dum castelo.

20Cada um recolhe o fruto das suas palavras

e alimenta-se daquilo que elas produzem.

21A morte e a vida estão à mercê da língua;

os que com ela se deleitam sofrerão as consequências.

22O que encontra uma esposa encontra a felicidade:

é uma dádiva do Senhor.

23O pobre fala com súplicas;

o rico responde com dureza.

24Há amigos que fazem mal uns aos outros18,24 Ou: O homem que tem muitos amigos pode congratular-se.,

mas também há amigos mais íntimos do que os irmãos.

19

191Mais vale ser pobre e honrado

do que insensato e caluniador.

2O entusiasmo sem conhecimento não é bom;

as muitas pressas fazem tropeçar.

3A estupidez do homem fá-lo desviar-se do bom caminho,

mas ele atribui as culpas ao Senhor.

4Com riqueza multiplicam-se os amigos;

ao pobre até o único amigo o abandona.

5A falsa testemunha não ficará sem castigo;

o mentiroso não escapará.

6O homem importante tem muitos aduladores:

todos são amigos de quem dá presentes.

7Se ao pobre até os seus irmãos o desprezam,

com maior razão os seus amigos se afastam dele.

Ele bem fala com eles, mas sem resultado.

8Quem aprende a refletir trabalha para o seu próprio bem;

quem se aplica ao entendimento encontra a felicidade.

9A falsa testemunha não ficará sem castigo;

o mentiroso não escapará à morte.

10Não convém que o insensato viva entre delícias

e muito menos que um escravo domine os grandes senhores.

11O homem inteligente domina a sua ira:

sente honra em passar por cima das ofensas.

12A ira do rei é como o rugido do leão;

a sua benevolência é como o orvalho sobre a erva.

13O filho insensato faz a ruína de seu pai;

as recriminações da esposa são uma goteira que não para.

14Dos pais recebem-se casas e bens;

uma mulher sensata é dádiva do Senhor.

15A preguiça faz dormir profundamente;

a inação faz passar fome.

16Quem guarda o mandamento guarda a sua vida;

quem despreza o seu cumprimento morrerá.

17Quem faz bem ao pobre empresta ao Senhor:

ele lhe retribuirá o benefício.

18Corrige o teu filho porque isso traz esperança19,18 Ou: enquanto houver esperança.,

mas não te irrites a ponto de lhe causar a morte.

19O homem que se encoleriza sofrerá o castigo:

se o poupares, incita-lo a recomeçar.

20Ouve os conselhos e aceita a correção;

com o tempo acabarás por te tornar sábio.

21O homem elabora muitos planos,

mas é a decisão do Senhor que prevalecerá.

22O que se exige do homem é lealdade;

mais vale ser pobre do que mentiroso.

23Respeitar o Senhor conduz à vida,

uma vida de abundância, ao abrigo do mal.

24O preguiçoso mete a mão no prato,

mas nem sequer é capaz de a levar à boca.

25Castiga o arrogante e o insensato aproveitará a lição;

repreende o homem sensato e ele compreenderá.

26O que maltrata o seu pai e expulsa a sua mãe

é um filho indigno e infame.

27Meu filho, se deixares de escutar as advertências,

também te afastarás das lições de sabedoria19,27 Ou: Meu filho, é melhor interromperes a tua instrução, se te aproveitas dela para fugires às lições da experiência..

28A falsa testemunha troça da justiça;

e a boca dos ímpios enche-se de iniquidade.

29Há castigos preparados para os insolentes

e açoites para as costas dos insensatos.

20

201O vinho torna o homem arrogante;

as bebidas fortes incitam-no ao distúrbio;

quem a isso se entrega nunca será sábio.

2A ira do rei é como o rugido do leão;

aquele que o provoca põe a sua vida em perigo.

3É uma honra para o homem acabar com as discussões;

os insensatos envolvem-se nelas.

4O preguiçoso não lavra no tempo da sementeira:

no tempo da colheita, procura, mas nada encontra.

5Os pensamentos do homem são como as águas fundas,

mas o homem inteligente sabe lá chegar.

6Muitos homens apregoam a sua bondade,

mas é difícil encontrar um de confiança!

7O justo leva uma vida honesta;

felizes serão os seus filhos, mais tarde!

8Quando o rei toma assento no tribunal,

castiga os culpados e expulsa-os da sua presença.

9Quem pode dizer que tem a consciência tranquila

e que está limpo de qualquer pecado?

10Utilizar pesos falsos e medidas falsas

são duas coisas que o Senhor detesta.

11Até a criança dá a conhecer, pelos seus atos,

se o seu proceder é reto e honesto.

12Olhos para ver e ouvidos para escutar,

ambos são obra do Senhor.

13Se passas o tempo a dormir, ficarás pobre:

mantém-te desperto e terás pão de sobra.

14«Não presta, não presta!» — diz o comprador;

mas, quando se afasta, gaba-se da boa compra.

15Falar com sabedoria é mais precioso

do que ouro e rubis em abundância.

16Se alguém ficar por fiador de um desconhecido,

exige-lhe a roupa como penhor pelo estranho.

17O pão roubado é saboroso,

mas depois deixa a boca áspera.

18Quando fizeres projetos, aconselha-te bem;

quando fizeres guerra, prepara a boa estratégia.

19O mexeriqueiro não sabe guardar segredos;

evita as pessoas que falam de mais.

20O que amaldiçoa o pai e a mãe

verá extinguir-se a sua luz no meio da escuridão.

21Fortuna que começa demasiado rapidamente

não dá prosperidade até ao fim.

22Não te queiras vingar do mal que te fizeram:

põe a tua confiança no Senhor e ele te livrará.

23O Senhor detesta que se usem pesos falsos;

balanças falsificadas são um crime.

24O Senhor é quem dirige a vida do homem;

ninguém conhece o seu próprio destino.

25É perigoso fazer promessas apressadas ao Senhor

e só refletir depois de fazer o voto.

26O rei sábio separa os maus

e faz passar sobre eles a roda.

27A consciência é a lâmpada que o Senhor dá ao homem

para iluminar o mais profundo do seu ser.

28A bondade e a fidelidade protegem o rei;

é com a bondade que ele mantém o seu poder.

29O orgulho dos jovens está na sua força;

a honra dos velhos está nos seus cabelos brancos.

30A dor do castigo limpa o mal;

e as pancadas curam o mais fundo do homem.