a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
27

271Não te gabes do dia de amanhã,

pois não sabes o que poderá acontecer hoje.

2Seja outro a louvar-te e não tu próprio;

que o louvor venha de um estranho e não de ti.

3A fúria do insensato pesa muito mais

do que carradas de pedra e de areia.

4A ira é cruel e a fúria é destruidora,

mas quem poderá controlar o ciúme?

5Mais vale a crítica frontal

do que a amizade fingida.

6É mais leal o amigo que magoa

do que o inimigo que nos beija.

7Aquele que está saciado até o mel despreza;

a quem tem fome até o amargo lhe sabe a doce.

8O homem que vive longe da sua terra

é como um pássaro longe do ninho.

9Os produtos de beleza alegram o coração;

os conselhos dos amigos adoçam a alma.

10Não abandones um amigo teu ou do teu pai;

nas dificuldades, não terás de correr para a casa do teu irmão.

Mais vale um vizinho perto do que um irmão longe.

11Porta-te com sabedoria, meu filho; dá-me essa alegria;

assim poderei responder aos que me ofenderem.

12O homem prudente vê o perigo e evita-o;

os insensatos seguem em frente e sofrem os danos.

13Se alguém ficar por fiador da dívida de um desconhecido,

exige-lhe a roupa como penhor pelo estranho27,13 Literalmente: como penhor pela estranha..

14Saudar o amigo aos gritos, de madrugada,

é para ele o mesmo que insultá-lo.

15As intrigas duma esposa são como uma goteira,

sempre a correr, num dia de chuva.

16Pretender segurá-la

é como segurar o vento ou o azeite, com a mão.

17O ferro afia-se com ferro;

os homens aperfeiçoam-se no confronto com os outros.

18O que cuida da sua figueira comerá do seu fruto;

o que cuida do seu amo receberá honras.

19Assim como o rosto se reflete na água,

assim os nossos sentimentos se refletem nos outros homens27,19 Ou: Assim o homem se reflete nos seus sentimentos..

20O abismo da morte e a perdição nunca se fartam;

o mesmo acontece com a ambição humana.

21O ouro e a prata são provados pelo fogo;

o homem é provado pelos que o louvam.

22Ainda que moesses bem um insensato,

como se mói o grão no almofariz,

não conseguirias tirar-lhe a insensatez.

23Procura conhecer o estado das tuas ovelhas

e toma muito cuidado com os teus rebanhos,

24porque as riquezas não duram para sempre,

nem mesmo as coroas se transmitem indefinidamente.

25Nasce a erva e cresce a verdura:

cobrem-se os montes de feno.

26Fazes roupa com a lã dos cordeiros

e compras um campo com a venda dos cabritos.

27Terás bastante leite de cabra para beber

e para sustento da família e da criadagem.

28

281Os malfeitores fogem, sem que ninguém os persiga;

o homem justo vive confiante como o leão.

2Quando um povo vive em desordem,

muitos são os que lutam pelo poder,

mas um dirigente prudente e instruído reina com ordem.

3Um homem tirano28,3 Literalmente: Um homem pobre. Seguimos a antiga versão grega. oprime os fracos:

é como uma chuva torrencial que destrói as colheitas.

4Os que se afastam da lei louvam os malfeitores;

os que a cumprem lutam contra eles.

5Os desonestos não compreendem a justiça;

os que obedecem ao Senhor entendem tudo28,5 Ou: entendem a justa medida..

6Mais vale pobre e honrado

do que rico e mal-intencionado.

7Um filho inteligente cumpre a lei;

o que anda em más companhias é a vergonha de seu pai.

8O que amontoa fortunas por juros excessivos,

tem de as deixar para aquele que é amigo dos pobres.

9Aquele que se faz surdo às exigências da lei

verá que Deus detesta a sua oração.

10Aqueles que levam os homens honestos para o mau caminho

cairão nas suas próprias armadilhas.

A felicidade é para os que procedem com retidão.

11O rico julga-se muito sábio,

mas um pobre inteligente pode desmascará-lo.

12Quando os homens justos triunfam, há grande alegria;

quando os maus tomam o poder, as pessoas escondem-se.

13Quem dissimula os seus pecados não prosperará;

quem os confessa e se emenda será perdoado.

14Feliz o homem que se mantém cauteloso;

o que endurece o seu coração cairá na desgraça.

15O homem mau que oprime um povo pobre

é como um leão que ruge ou um urso à espreita.

16O chefe insensato multiplica a opressão;

o que não é avarento terá vida longa.

17O homem que comete um assassinato

precipita-se para o abismo;

que ninguém o detenha!

18Aquele que procede com sinceridade será salvo;

quem se porta mal cairá para sempre em ruína.

19O que cultiva a terra terá pão em abundância;

o que anda atrás de ilusões só terá miséria.

20O homem fiel será cumulado de bênçãos;

mas o que tenta enriquecer à pressa, não ficará sem castigo.

21Não é bom fazer distinção de pessoas;

alguns cometem essa injustiça, por um bocado de pão.

22O homem ganancioso tem pressa de ser rico,

mas não sabe que vai cair sobre ele a pobreza.

23Quem corrige alguém encontra depois mais gratidão

do que aquele que só lisonjeia.

24Quem rouba aos pais, dizendo que não é pecado,

assemelha-se ao criminoso!

25O homem ambicioso provoca contendas;

o que confia no Senhor prosperará.

26O insensato só confia nas suas ideias;

quem procede com sabedoria será bem sucedido.

27Quem dá aos pobres não terá falta de nada;

o que recusa ajudá-los terá muitas maldições.

28Quando os malfeitores triunfam, as pessoas escondem-se;

quando eles desaparecem, os justos prosperam.

29

291Quem teima em rejeitar as críticas,

depressa será irremediavelmente destruído.

2Quando os justos governam, o povo vive feliz;

quando um homem mau domina, o povo sofre.

3Quem ama a sabedoria dá alegria a seu pai;

o que anda com prostitutas esbanja a fortuna.

4Um rei que pratica a justiça

assegura a prosperidade do país;

mas, quando só pensa nos impostos, arruína-o.

5Quem está sempre a elogiar o seu semelhante

quer, de certeza, preparar-lhe uma armadilha.

6Os maus caem na armadilha dos próprios crimes;

o homem honrado vive alegre e feliz.

7O justo reconhece os direitos dos pobres,

mas o homem mau não compreende isso.

8Os rebeldes provocam desordens na cidade,

mas os sábios acalmam os ânimos.

9Se um sábio entra em litígio com um insensato,

irrita-se e cai em ridículo mas nada consegue.

10Os assassinos odeiam aquele que é íntegro;

os homens retos procuram o seu bem.

11O insensato dá livre curso à sua ira;

o sábio domina-se e reprime-a.

12Ao governante que presta atenção às mentiras,

todos os seus servidores lhe parecerão criminosos.

13O pobre e o opressor têm algo em comum:

a ambos o Senhor deu olhos para ver.

14O rei que julga os fracos com verdade

consolida o seu poder para sempre.

15Castigos e reprimendas dão sabedoria,

mas um rapaz entregue a si mesmo envergonha a sua mãe.

16Quando dominam os malfeitores, aumentam os crimes,

mas um dia os justos verão a ruína dos maus.

17Corrige o teu filho e assim viverás tranquilo,

pois ele te encherá de satisfação.

18Quando não há visão profética, o povo corrompe-se;

quem cumpre a lei de Deus é feliz.

19Não se corrige um escravo só com palavras:

porque entende, mas não faz caso.

20Há mais a esperar dum insensato

do que de um homem que fala precipitadamente.

21Quem poupa o seu criado desde a mocidade,

acabará mais tarde por o lamentar.

22O homem colérico levanta contendas;

o irascível multiplica os crimes.

23O orgulho do homem há de humilhá-lo;

o humilde obterá honras.

24O cúmplice de um ladrão prejudica-se a si mesmo;

sabe que recai sobre si a maldição e não o denuncia.

25Ter medo dos homens é uma armadilha;

quem confia no Senhor está em segurança.

26Muita gente procura a aprovação do governante,

no entanto, o Senhor é que julga cada um.

27Os homens justos detestam os desonestos;

e os maus detestam os homens retos.