a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
8

Elogio da sabedoria

81Escutem! A sabedoria lança um apelo

e a inteligência faz ouvir a sua voz.

2Ela está de pé no alto das colinas

e coloca-se nas encruzilhadas dos caminhos.

3Junto às portas de entrada da cidade,

nos lugares de passagem, ela proclama:

4«É para vocês, humanos, que eu apelo.

Dirijo-me a todos, homens e mulheres.

5Que os ingénuos adquiram um pouco de prudência

e os insensatos adquiram entendimento.

6Escutem! Vou anunciar coisas importantes;

vou falar-vos abertamente.

7Com efeito, a minha boca anuncia a verdade;

detesto os discursos mentirosos.

8Todas as minhas palavras são justas;

não há nelas quebra nem falsidade;

9são inteiramente retas para o homem inteligente

e justas para o entendido.

10Aceitem a minha instrução, pois o conhecimento

vale mais do que a prata e o ouro fino.

11Melhor é a sabedoria do que as joias;

nenhuma preciosidade se lhe pode comparar.

12Eu, a sabedoria, habito com a prudência,

e encontro-me com o conhecimento e a reflexão.

13Quem honra o Senhor detesta o mal.

Eu detesto o orgulho, a arrogância,

as más ações e a falsidade.

14Aconselhar e dar êxito é a minha função;

eu sou a inteligência que transmite novas forças.

15É por mim que os reis reinam

e que os magistrados fazem justiça com equidade.

16Por mim os governantes governam,

e os juízes dão sentenças justas.

17Amo aqueles que me amam;

quem me procura encontra-me.

18Tenho comigo riquezas e glória,

sucesso e prosperidade duradoura.

19A riqueza que dou é preferível ao ouro mais puro;

dou mais rendimento que a prata mais fina.

20Sigo pelo caminho da justiça,

pelos roteiros da equidade,

21para assegurar riquezas aos que me amam

e aumentar os seus tesouros.

22O Senhor criou-me como a primeira das suas obras,

antes de ter criado tudo o resto.

23Ele formou-me no princípio do tempo,

antes de o mundo existir.

24Quando fui gerada ainda não havia

oceanos nem fontes de água.

25Fui gerada antes da formação das montanhas,

antes de as colinas estarem no seu lugar,

26quando Deus ainda não tinha criado a terra,

com os campos e tudo o que compõe o mundo.

27Quando ele assentou a abóbada celeste,

quando pôs um limite ao oceano primitivo, eu lá estava;

28quando colocou as nuvens no céu

e conteve as fontes do mar profundo;

29quando impôs ao mar os seus limites,

para que as águas não passassem dali;

quando assentou as fundações da terra,

30eu estava lá, ajudando-o como arquiteto.

Dia após dia eu era a sua alegria

e divertia-me sem cessar, na sua presença.

31Divertia-me no mundo que ele criou;

a minha alegria é estar entre os humanos.

32E agora, meus filhos, escutem o que vos digo!

Serão felizes, se seguirem as minhas orientações.

33Não rejeitem as minhas advertências!

Escutem-nas e tornar-se-ão sábios.

34Felizes os que me escutam

e que, dia após dia, se mantêm vigilantes,

em expectativa, à porta da minha casa.

35Aquele que me encontrar

encontrará a vida para si

e alcançará os favores do Senhor,

36mas aquele que me ofender

põe em perigo a sua própria vida;

quem me detesta ama a morte.»

9

Convite da sabedoria

91A sabedoria edificou a sua casa,

talhou para ela sete colunas.

2Matou animais para o banquete,

preparou o vinho e pôs a mesa.

3Depois enviou as suas criadas,

para anunciarem nos pontos mais altos da cidade:

4«Quem for simples venha para aqui.»

Aos fracos mandou dizer:

5«Venham comer do meu pão

e beber do vinho que preparei.

6Afastem-se dos insensatos e viverão,

sigam pelo caminho que leva ao entendimento.»

7Quem repreende o arrogante só recebe desprezo

e quem censura o homem mau será insultado.

8Não repreendas o orgulhoso, porque ele fica a odiar-te;

mas critica o sábio que ele te ficará reconhecido.

9O que disseres a um sábio torná-lo-á mais sábio;

o que ensinares a um homem honesto aumentará o seu saber.

10O temor do Senhor é o princípio da sabedoria;

conhecer o que é santo é ter entendimento.

11Por mim, se multiplicarão os teus dias,

e prolongarão os teus anos de vida.

12Se fores sábio, para teu proveito o serás,

se fores arrogante, só tu sofrerás as consequências.

Convite da estupidez

13A estupidez é como uma mulher irrequieta,

tonta e ignorante9,13 A estupidez é aqui personificada em contraste com a sabedoria..

14Senta-se numa cadeira à porta de casa,

ou nos lugares mais altos da cidade,

15para convidar os que por ali passam,

seguindo o seu caminho:

16«Quero que os simples venham para aqui.

Quero dizer aos fracos

17que a água roubada é mais saborosa

e o pão comido às escondidas sabe melhor.»

18Mas eles não sabem que em casa dela está a morte

e que os seus convidados jazem mortos no abismo.

10

Primeira coleção de provérbios (10,1—22,16)

101Provérbios de Salomão.

Um filho sábio dá alegria ao seu pai;

um insensato é a tristeza da sua mãe.

2As riquezas mal adquiridas de nada servem;

a honradez livra da morte.

3O Senhor não deixa um homem bom passar fome,

mas reprime os apetites dos maus.

4As mãos inativas levam à pobreza;

as mãos diligentes alcançam a riqueza.

5Quem recolhe no verão é prudente;

quem dorme no tempo da ceifa merece o desprezo.

6Sobre o homem justo chovem bênçãos,

mas o homem mau aloja em si a violência.

7O homem bom deixa boas recordações,

mas o mau depressa é esquecido.

8O sábio aceita receber ordens,

mas quem reage com insensatez cai na ruína.

9Viver em honestidade é viver em segurança,

mas o homem desonesto será descoberto.

10Quem esconde a verdade faz sofrer os outros;

quem fala com insensatez cai na ruína.

11As palavras do homem justo são fonte de vida;

as palavras do mau escondem a violência.

12O ódio gera conflitos;

o amor encobre as ofensas.

13Nas palavras do sábio há sabedoria;

o insensato só merece castigo.

14Os sábios entesouram sabedoria;

as palavras do insensato

anunciam a ruína iminente.

15A fortuna do rico protege-o como uma fortaleza;

a miséria do pobre expõe-no à ruína.

16A recompensa do justo é a vida;

a paga do homem mau é o pecado.

17Aceitar a correção é o caminho da vida;

mas quem a despreza anda errado.

18O que em si esconde o ódio é um mentiroso;

o que espalha a calúnia é um insensato.

19Quem fala muito cai forçosamente no erro:

é prudente saber moderar as palavras.

20As palavras do justo são prata escolhida;

o que pensam os maus vale bem pouco.

21As palavras do justo são úteis a muitos;

os insensatos morrem pela sua falta de juízo.

22Só a bênção do Senhor dá prosperidade;

o esforço humano nada lhe acrescenta.

23O insensato diverte-se a praticar o mal;

o sábio, a cultivar a sabedoria.

24O que os maus receiam acontece-lhes;

o que os justos desejam é-lhes concedido.

25Os maus desaparecem ao passar o furacão;

os justos estão firmes para sempre.

26Como o vinagre irrita os dentes, e o fumo, os olhos,

assim o preguiçoso irrita aquele que o envia.

27Os que respeitam o Senhor vivem mais tempo;

os anos dos maus serão abreviados.

28A esperança dos justos dá-lhes alegria;

as ilusões dos maus não levam a nada.

29O Senhor protege os que praticam o bem,

mas destrói os que fazem o mal.

30Nada fará fracassar um homem justo,

mas os maus não permanecerão na terra.

31Dos lábios do justo saem palavras de sabedoria,

mas a língua dos maldosos será arrancada.

32O homem justo sabe falar com bondade,

mas da boca dos maus só saem falsidades.