a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
102

Confiança em Deus

1021Oração dum infeliz, que na sua miséria manifesta a sua angústia diante do Senhor.

2Senhor, escuta a minha oração

e aceita o meu clamor!

3Não desvies de mim o teu olhar, quando estou angustiado;

digna-te escutar o meu lamento!

Responde-me depressa, quando te invocar!

4Porque os dias da minha vida desaparecem como fumo;

o meu corpo arde como um braseiro.

5Qual erva cortada, o meu coração está ressequido;

nem vontade tenho de comer o meu pão!

6De tanto gemer

fiquei reduzido a pele e osso.

7Sou como uma ave selvagem no deserto,

como um mocho em ruínas abandonadas.

8Não consigo dormir e assim fico,

como um pássaro em cima dum telhado.

9Os meus inimigos ofendem-me sem cessar

e furiosos rogam pragas contra mim.

10Em vez de pão, tenho comido cinza;

e a minha bebida mistura-se com as lágrimas,

11por causa da tua ira e da tua indignação;

fizeste-me subir, para depois me desprezares.

12Os dias da minha vida são como a sombra que avança

e eu vou secando como a erva.

13Mas tu, Senhor, és rei para sempre;

o teu nome será sempre lembrado!

14Ergue-te, Senhor, tem piedade de Sião;

já é tempo de lhe perdoares!

Sim, chegou a hora!

15Os teus servos amam as suas pedras,

têm pena das suas ruínas.

16Todas as nações e os reis da terra

respeitarão o nome glorioso do Senhor,

17quando ele reconstruir Sião

e se lhe manifestar na sua glória;

18quando escutar a oração do desamparado

e não rejeitar os seus rogos.

19Que isto fique escrito para as gerações futuras,

para que louvem o Senhor os que ainda hão de nascer.

20O Senhor observa do alto do seu santuário;

lá do céu ele olha para a terra,

21para escutar os lamentos dos prisioneiros

e libertar os condenados à morte.

22Em Sião será anunciado o nome do Senhor

e em Jerusalém ouvir-se-ão os seus louvores,

23quando os povos de todas as nações

se reunirem para adorar o Senhor.

24Ele tirou-me as forças a meio do caminho,

abreviou a minha vida.

25Eu pedi: «Meu Deus, não me leves a meio da vida!»

Os teus anos, Senhor, não têm fim!

26Fundaste a terra desde o princípio;

tu próprio criaste os céus.

27Eles deixarão de existir, mas tu permanecerás.

Como uma peça de vestuário, vão-se gastando

e serão mudados como quem muda de roupa!

28Mas tu és sempre o mesmo;

os teus anos não têm fim102,28 Os v. 26–28 são citados em Hb 1,10–12..

29Os descendentes dos teus servos

hão de viver tranquilos e seguros junto de ti.

103

Hino ao amor de Deus

1031Salmo da coleção de David.

Bendiz ó minha alma o Senhor;

com todo o meu ser louvarei o Deus santo.

2Bendiz ó minha alma o Senhor,

sem esquecer nenhum dos seus benefícios.

3É ele quem perdoa todas as minhas culpas

e cura todas as minhas enfermidades;

4é ele quem me resgata do túmulo

e me enche de amor e ternura;

5é ele quem cumula de bens a minha vida

e me dá a agilidade duma águia.

6O Senhor defende com justiça

todos os que sofrem violências.

7Deu a conhecer os seus caminhos a Moisés

e as suas obras aos filhos de Israel.

8O Senhor é bondoso e compassivo;

é paciente e cheio de amor.

9Não está sempre a repreender-nos,

nem a sua ira dura para sempre;

10não nos tratou segundo os nossos pecados

nem nos retribuiu segundo as nossas transgressões.

11Tão grande é o seu amor pelos que o temem

como é distante o céu da terra.

12Ele afasta de nós os nossos pecados,

tanto como o oriente está afastado do ocidente.

13O Senhor é tão terno para os que o temem

como um pai para com os seus filhos.

14Ele sabe bem aquilo que nós somos;

não se esquece que somos apenas pó.

15A vida dos homens é como a erva;

brota como a flor do campo,

16mas, quando o vento sopra sobre ela, deixa de existir

e já nem se conhece o seu lugar.

17Mas o amor do Senhor é eterno para os que o temem

e a sua justiça permanece de geração em geração,

18para os que cumprem a sua aliança

e não deixam de obedecer aos seus mandamentos.

19O Senhor estabeleceu o seu trono nos céus

e domina sobre tudo o que existe.

20Bendigam o Senhor os seus fortes e poderosos mensageiros,

que cumprem as suas ordens e lhe obedecem.

21Bendigam o Senhor os exércitos celestes,

que são seus servidores e fazem a sua vontade!

22Bendigam o Senhor todas as suas criaturas,

pois tudo está sob o seu domínio!

Bendiz ó minha alma o Senhor!

104

Hino ao Criador

1041Bendiz ó minha alma o Senhor!

Como és grande, Senhor, meu Deus!

De esplendor e majestade te revestiste;

2estás envolto num manto de luz

e estendeste os céus como um véu.

3Fixaste a tua morada mais alto do que os céus.

As nuvens servem-te de carro

e viajas sobre as asas do vento!

4Usas os ventos como teus mensageiros

e os relâmpagos como teus servos104,4 Texto citado em Hb 1,7 segundo a antiga tradução grega..

5Assentaste a terra sobre bases firmes,

para que ela se mantenha segura.

6Cobriste-a com o mar profundo, como um manto,

e as águas mantinham-se por cima das montanhas,

7mas tu repreendeste-as e elas fugiram,

estremeceram ao ouvir a tua voz no trovão.

8Subiram montanhas, desceram vales,

até ao lugar que lhes determinaste,

9até aos limites que lhes proibiste ultrapassar,

para que o mar não volte a cobrir a terra.

10Tu envias a água das nascentes

para os rios que correm entre as montanhas.

11Dessa água bebem os animais selvagens

e nela matam a sede os veados dos montes.

12Nas margens dos rios fazem ninho as aves do céu;

ali chilreiam entre a folhagem!

13Da tua morada, lá no alto, regas os montes;

sacias a terra com a bênção da chuva.

14Fazes crescer os pastos para os animais

e as plantas que os homens cultivam,

para da terra tirarem o alimento:

15o vinho, que lhes alegra o coração,

o azeite, que lhes faz brilhar o rosto

e o pão que lhes robustece as forças.

16Matam a sua sede os cedros do Líbano

e até as maiores árvores que o Senhor plantou.

17Ali fazem ninho os passarinhos

e nos ciprestes104,17 Ou: e nos cedros. tem a cegonha a sua casa.

18Os altos montes são refúgio para as cabras

e os rochedos abrigam os animais roedores.

19Fizeste a Lua para medir o tempo;

e o Sol sabe quando deve esconder-se.

20Estendes o manto escuro e faz-se noite,

saindo então os animais dos bosques.

21Rugem os leões, em busca da presa,

pedindo a Deus o seu alimento.

22Mas quando nasce o sol, logo se retiram,

para se recolherem nos seus covis.

23É então que o homem sai para o trabalho

e faz a sua lida até anoitecer.

24Senhor, tu fizeste tantas coisas

e tudo com tanta sabedoria!

A terra está cheia daquilo que tu criaste!

25Lá está o mar, grande e vasto,

onde se movem imensos animais,

animais grandes e pequenos.

26Nele passam os navios e ali brinca o Leviatã,

monstro marinho que nele criaste.

27Todos esperam de ti

que lhes dês comida a seu tempo.

28És tu que lhes dás a comida que eles recolhem;

abres a tua mão e ficam saciados do que é bom.

29Se lhes voltas a cara, ficam perturbados;

se lhes tiras o alento, morrem

e voltam de novo a ser pó.

30Se lhes envias o teu espírito, voltam à vida.

Assim dás nova vida à terra.

31A glória do Senhor é eterna!

Que o Senhor se alegre com aquilo que criou!

32A terra treme, quando o Senhor olha para ela;

os montes fumegam, quando ele lhes toca.

33Cantarei ao Senhor toda a minha vida;

louvarei o meu Deus, enquanto existir.

34Que o meu cântico seja agradável ao Senhor,

pois só nele encontro a minha alegria.

35Que desapareçam da terra os pecadores!

Que deixem de existir os que praticam o mal!

Quero louvar o Senhor com toda a minha alma!

Aleluia!