a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
105

Recordando a libertação

(1 Crónicas 16,8–22)

1051Louvem o Senhor, proclamem a sua grandeza;

divulguem entre os povos aquilo que ele fez.

2Cantem hinos em sua honra;

falem das suas maravilhas!

3Sintam-se orgulhosos dele, que é o Deus santo.

Alegrem-se todos os que buscam o Senhor!

4Recorram ao Senhor e ao seu poder;

procurem o Senhor continuamente.

5Lembrem-se das suas obras, grandes e maravilhosas

e das sentenças que pronunciou,

6já que são descendentes de Abraão, seu servo,

e de Jacob, seu escolhido,

7O Senhor é o nosso Deus

e governa sobre toda a terra!

8Ele lembra-se sempre da aliança que fez,

da promessa que jurou manter por mil gerações105,8 Ver Dt 7,9.,

9da aliança que fez com Abraão105,9 Ver Gn 12,7; 17,8.,

do juramento que fez a Isaac105,9 Ver Gn 22,16–17; 26,3..

10Ele a confirmou como lei para Jacob,

como aliança eterna para Israel105,10 Israel. Outro nome de Jacob, segundo Gn 32,29.,

11quando disse: «Vou dar-te a terra de Canaã,

que é a herança que te cabe105,11 Ver Gn 12,3; 13,15; 15,18; 17,8; 26,3; 35,12; 48,4; Dt 1,8; 34,4; At 7,5.

12Quando ainda eram muito poucos

e estrangeiros na terra de Canaã105,12 Ver Gn 34,30; Dt 7,7; 26,5.;

13quando andavam de nação em nação

e passavam de um reino para outro povo,

14Deus não permitiu que alguém os maltratasse.

Por causa deles repreendeu reis, deste modo:

15«Não toquem nos meus ungidos

nem maltratem os meus profetas.»

16Fez cair a fome sobre a terra

e destruiu todas as searas de trigo.

17Mas ele tinha enviado um homem antes deles:

José, que foi vendido como escravo105,17 Ver Gn 37,28; 45,5.,

18a quem puseram correntes nos pés

e uma argola de ferro em volta do pescoço105,18 Ver Gn 39,20.,

19até que se cumpriu o que José tinha anunciado

e a palavra do Senhor provou que ele dizia a verdade.

20O rei deu ordem para que o soltassem;

o soberano dos povos mandou-o pôr em liberdade;

21nomeou-o mordomo da sua casa

e administrador de todos os seus bens,

22com poderes para instruir os oficiais do rei

e para ensinar a sabedoria aos conselheiros.

23Jacob foi então para o reino do Egito

e lá viveu como estrangeiro105,23 Literalmente: e peregrinou na terra de Cam. A expressão terra de Cam é habitualmente usada na Bíblia para designar o Egito. Cam. Um dos três filhos de Noé, considerado o antepassado dos povos de África e do Médio Oriente, nomeadamente dos egípcios. Ver Gn 10,6–20..

24Deus multiplicou grandemente o seu povo

e tornou-o mais forte que os seus inimigos.

25Levou os egípcios a odiar o seu povo

e a tratar enganosamente os seus servos.

26Deus enviou então o seu servo Moisés,

e Aarão, a quem tinha escolhido.

27Realizou entre eles os prodígios prometidos

e fez milagres na terra do Egito.

28Mandou uma escuridão que cobriu os egípcios,

mas eles não fizeram caso do aviso105,28 Ver Ex 10,21–29..

29Converteu em sangue as águas dos rios,

matando assim todos os peixes;

30encheu de rãs o país,

que chegaram ao interior dos palácios do rei.

31Deus ordenou e apareceram nuvens de insetos

e mosquitos em toda a terra do Egito.

32Em vez de chuva enviou granizo

e chamas de fogo sobre todo o país.

33Destruiu as suas vinhas e figueiras

destroçou as árvores dos seus campos.

34Deus ordenou e apareceram gafanhotos;

eram tantos que não se podiam contar.

35Devoraram toda a verdura dos campos

e os frutos que a terra produziu.

36Feriu de morte todos os primogénitos do Egito,

as primícias de todas as suas famílias105,36 Ver Ex 12,29–30..

37Deus fez sair o seu povo, com prata e ouro

e não houve um único doente nas suas tribos.

38Os egípcios ficaram contentes ao vê-los partir,

pois andavam completamente aterrados com eles.

39Deus estendeu uma nuvem para os proteger

e com fogo iluminava-os de noite105,39 Ver Ex 13,21–22; 14,19–20.

40Pediram-lhe comida e deu-lhes codornizes;

e saciou-os com pão do céu105,40 Ver Ex 16,13–18..

41Fendeu o rochedo e brotou água,

que correu pelos areais como um rio.

42Deus lembrou-se da promessa sagrada,

que tinha feito ao seu servo Abraão105,42 Ver Gn 15,13–14; Ex 2,24; Lc 1,54–55.

43e fez sair o seu povo em alegria

e os seus escolhidos com gritos de júbilo.

44Deu-lhes as terras que eram de outros povos

e eles recolheram a riqueza de outras nações,

45na condição de cumprirem os seus preceitos

e respeitarem as suas leis.

Aleluia!

106

Infidelidade de Israel

1061Aleluia!

Deem graças ao Senhor, porque ele é bom,

porque o seu amor é eterno.

2Quem poderá descrever as vitórias do Senhor?

Quem poderá louvá-lo como ele merece?

3Felizes os que praticam a justiça

e fazem sempre o que é justo.

4Lembra-te de mim, Senhor;

pelo bem que queres ao teu povo,

vem trazer-me a tua salvação.

5Para que eu veja a prosperidade dos teus escolhidos,

e a minha alegria seja a alegria do teu povo,

e me orgulhe dos que te pertencem.

6Caímos nos mesmos erros dos nossos antepassados;

temos praticado o mal e cometido crimes.

7Os nossos antepassados, quando estavam no Egito,

não deram importância aos teus grandes feitos;

esqueceram-se do teu grande amor

e revoltaram-se contra ti, junto ao Mar Vermelho106,7 Ver Ex 14,10–12..

8Mas Deus salvou-os, para honra do seu nome

e para dar a conhecer o seu poder.

9Repreendeu o Mar Vermelho e ele secou.

Fê-los passar pelo fundo do mar como por um deserto.

10Assim os livrou daqueles que os odiavam

e os resgatou do poder dos inimigos.

11As águas cobriram os seus perseguidores;

nem um só deles escapou com vida.

12Acreditaram então nas promessas de Deus

e cantaram-lhe louvores.

13Mas depressa esqueceram as obras de Deus

e não esperaram pelos seus planos.

14Na solidão do deserto puseram Deus à prova,

exigindo-lhe que cumprisse os seus desejos.

15Deus satisfez-lhes a gula,

mas fê-los sentir ainda maior fraqueza.

16No acampamento, tiveram inveja de Moisés

e de Aarão, a quem o Senhor tinha consagrado.

17Abriu-se então a terra, que engoliu Datan

e sepultou os sequazes de Abiram;

18desceu um fogo sobre aquela gente,

que queimou todos os que praticavam o mal106,18 Ver Nm 16,135..

19No monte Sinai fizeram um bezerro de ouro

e adoraram aquele ídolo de metal fundido;

20trocaram Deus, que era a sua glória,

pela imagem de um animal que come erva.

21Esqueceram-se de Deus, seu salvador,

que fizera grandes prodígios,

22maravilhas na terra do Egito106,22 Literalmente: terra de Cam. Ver 105,23 e nota.

e coisas impressionantes no Mar Vermelho.

23Deus decidiu que os iria destruir.

Porém Moisés, seu escolhido, intercedeu

para acalmar a ira de Deus,

e evitar que ele os destruísse.

24Desinteressaram-se da terra desejada

e não acreditaram nas promessas de Deus.

25Dentro das suas tendas murmuravam contra o Senhor

e não obedeciam às suas ordens.

26Por isso, lhes fez um aviso solene,

de que os deixaria morrer no deserto,

27de que humilharia também os seus descendentes

e os dispersaria entre as nações.

28Depois em Peor, o povo de Deus adorou Baal

e comeu dos sacrifícios feitos aos mortos.

29Com as suas más ações provocaram a ira de Deus,

por isso a peste se espalhou entre eles.

30Surgiu então Fineias, que intercedeu,

e a peste acabou.

31Esse gesto foi-lhe imputado como mérito

e continuará a ser lembrado por todas as gerações.

32Indignaram-se também junto às nascentes de Meriba,

e, por culpa deles, Moisés foi castigado,

33porque o irritaram de tal maneira,

que Moisés proferiu palavras insensatas.

34Não destruíram os povos pagãos,

como o Senhor tinha ordenado que fizessem,

35e, em vez disso, misturaram-se com eles

e aprenderam os seus costumes;

36adoraram os seus ídolos,

que foram para os israelitas uma armadilha.

37Ofereciam os seus filhos e filhas

em sacrifício a esses demónios.

38Derramaram o sangue inocente,

sangue de seus filhos e filhas,

sacrificados aos ídolos de Canaã,

e assim profanaram de sangue o país.

39Assim se contaminaram com os seus atos

e se perverteram com aquilo que fizeram.

40Por isso, o Senhor ficou indignado

e desgostoso com o povo que lhe pertencia.

41Entregou-os ao poder dos povos

e foram dominados por aqueles que os odiavam.

42Eles foram oprimidos e humilhados

pela força dos inimigos.

43Muitas vezes o Senhor os livrou,

mas eles opuseram-se aos seus planos

e mergulharam cada vez mais na sua maldade.

44Contudo, o Senhor, ao vê-los angustiados,

e ao escutar os seus lamentos,

45lembrou-se do seu pacto com eles

e teve pena deles, porque o seu amor é grande.

46Por isso, fez com que os seus conquistadores

os tratassem com bondade.

47Salva-nos, Senhor, nosso Deus!

Reúne-nos de entre as nações,

para que te dêmos graças, ó Deus santo,

e sintamos alegria em te louvar.

48Bendito seja o Senhor, Deus de Israel,

por toda a eternidade!

Que todos digam: «Ámen

Aleluia!

107

A bondade de Deus

1071Deem graças ao Senhor, porque ele é bom,

porque o seu amor é para sempre.

2Digam-no aqueles que ele resgatou,

aqueles que livrou do poder do inimigo

3e que fez regressar de países estrangeiros,

do oriente e do ocidente, do norte e do sul.

4Andavam perdidos na aridez do deserto,

sem encontrar uma terra para habitar;

5tinham fome e sede;

já se sentiam desfalecer.

6Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

7Conduziu-os depois por um caminho seguro

para uma terra onde podiam habitar.

8Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

9Pois ele mata a sede aos sequiosos

e mata a fome aos famintos.

10Alguns viviam em profunda escuridão,

prisioneiros da tristeza e de cadeias,

11por se terem revoltado contra as ordens de Deus

e por desprezarem os decretos do Altíssimo.

12Estavam exaustos pelos duros trabalhos,

tropeçavam e ninguém os ajudava.

13Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

14Tirou-os de profunda escuridão

e libertou-os das cadeias.

15Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

16Ele fez em pedaços as portas de bronze

e despedaçou as barras de ferro!

17Enfraquecidos por causa da sua rebeldia,

aflitos por causa das suas culpas

18não suportavam qualquer alimento;

já estavam às portas da morte!

19Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

20Com a sua palavra Deus veio curá-los

e livrou-os da perdição!

21Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

22Ofereçam sacrifícios de ação de graças

e anunciem as suas obras com alegria.

23Os que se fizeram ao mar nos seus navios,

para fazer comércio para além do oceano,

24esses viram as obras do Senhor

e as suas maravilhas no alto mar.

25À ordem do Senhor sopra o vento tempestuoso,

que levanta as ondas do mar;

26os navios elevam-se no ar e descem ao fundo.

Num perigo destes os homens perdem a coragem;

27andam e cambaleiam como embriagados

e toda a sua perícia se torna inútil.

28Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

29Transformou a tempestade em bonança

e as ondas do mar acalmaram.

30Ao verem as ondas tranquilas alegraram-se

e Deus levou-os ao porto desejado.

31Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

32Aclamem-no na assembleia do povo,

glorifiquem-no no conselho dos anciãos.

33O Senhor converte os rios em desertos

e as nascentes em terra árida;

34converte a terra fecunda em terra estéril,

por causa da maldade dos seus habitantes;

35converte os desertos em lagos

e as terras áridas em nascentes,

36para ali estabelecer os famintos

e eles construírem as suas cidades.

37Semeiam campos e plantam vinhas

e recolhem colheitas abundantes.

38E ele abençoa-os e fá-los aumentar

e não deixa diminuir o seu gado.

39Eles vão diminuindo até desaparecer

em virtude da opressão, da desgraça e da angústia.

40Mas Deus mostra desprezo pelos poderosos

e fá-los andar perdidos em desertos sem caminhos.

41Instala o necessitado em sua casa

e faz aumentar a sua família como um rebanho.

42Os homens honrados, ao verem isto, alegram-se,

mas os que são maus ficam em silêncio.

43Aquele que é sábio, pense nestas coisas

e medite no amor do Senhor.