a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
30

Louvor e ação de graças

301Salmo da coleção de David. Cântico para a consagração do templo.

2Louvarei a tua grandeza, Senhor, porque tu me salvaste

e não permitiste que os meus inimigos se rissem de mim.

3Ó Senhor, meu Deus,

eu pedi-te ajuda e tu curaste-me.

4Senhor, tu tiraste-me da morte;

restituíste-me a vida, quando já descia à sepultura.

5Cantem louvores ao Senhor, todos os seus fiéis;

deem-lhe graças, proclamando que ele é santo!

6A sua ira dura um momento,

mas a sua bondade dá a vida30,6 Ou: A sua ira pode causar a perdição, mas a sua bondade dura para sempre.

À noite deitamo-nos a chorar,

e de manhã soltamos gritos de alegria.

7Eu sentia-me seguro e pensava comigo:

«Nunca serei derrotado.»

8Tu foste bom para mim, Senhor, e deste-me segurança,

mas, se desvias de mim o teu olhar, fico cheio de medo.

9A ti, Senhor, eu clamo;

a ti, meu Deus, peço compaixão.

10Que vantagem virá da morte,

da minha descida à sepultura?

Reduzido a pó, quem poderá louvar-te

ou falar da tua fidelidade?

11Ouve-me, Senhor, tem compaixão de mim;

Senhor, vem em meu auxílio!

12Transforma o meu lamento em dança alegre;

tira-me o luto e veste-me de festa.

13Assim ó Senhor, meu Deus, hei de cantar-te sem cessar,

hei de louvar-te para sempre.

31

Total confiança no Senhor

311Ao diretor do coro. Salmo da coleção de David.

2Senhor, confio em ti; nunca me deixes ficar desiludido.

Salva-me, porque tu és justo.

3Ouve-me com atenção e livra-me depressa.

Sê tu a minha rocha protetora;

sê tu o meu castelo de refúgio e salvação!

4Tu és a minha rocha e o meu castelo!

Guia-me e protege-me, honrando o teu bom nome.

5Tira-me da armadilha que prepararam contra mim,

pois tu és o meu refúgio!

6Coloco-me inteiramente nas tuas mãos31,6 Ou: Nas tuas mãos entrego o meu espírito. Ver Lc 23,46.;

salva-me, ó Senhor, Deus fiel!

7Detesto os que adoram falsos deuses

e ponho a minha confiança no Senhor.

8Eu me alegrarei e regozijarei pelo teu amor.

Tu olhaste para os meus sofrimentos

e conheces as minhas aflições;

9não me deixaste cair nas mãos do inimigo

e deste aos meus pés caminho aberto!

10Tem compaixão de mim, Senhor, porque estou angustiado;

os meus olhos consomem-se de tristeza,

bem como a alma e as entranhas.

11A minha vida consome-se na tristeza

e os meus anos passam-se em lamentos.

A aflição acaba com as minhas forças;

o meu corpo vai-se debilitando.

12Sou objeto de escárnio para os meus inimigos e vizinhos

e horror para os meus conhecidos.

Os que me veem na rua fogem de mim.

13Esqueceram-se de mim por completo,

como se eu já tivesse morrido.

Sou como um vaso feito em pedaços.

14Ouvi muitas murmurações a meu respeito;

rodeia-me o terror, porque conspiram contra mim;

fazem planos para me tirar a vida.

15Mas a minha confiança está em ti, Senhor;

e eu proclamo que tu és o meu Deus!

16Todos os momentos da minha vida estão nas tuas mãos;

livra-me dos meus inimigos, que me perseguem!

17Olha com bondade para este teu servo;

salva-me, pelo teu amor.

18Senhor, não me deixes ficar envergonhado,

porque eu te invoco.

Que os malvados sejam envergonhados

e lançados na sepultura.

19Obriga os mentirosos a calarem-se,

pois falam contra o Deus justo e eterno

com orgulho e desprezo31,19 Ou: pois dizem insolências contra o justo, com orgulho e desprezo..

20Quão grande é a tua bondade!

Reservaste-a para os teus fiéis;

e, à vista de todos, a repartes

por aqueles que confiam em ti.

21Com a proteção da tua presença,

os guardas das intrigas dos homens;

como um abrigo seguro os proteges

dos insultos dos seus inimigos.

22Bendito seja o Senhor,

que da sua cidade fortificada

fez grandes coisas por mim, pelo seu amor.

23Na minha inquietação cheguei a pensar

que me tinhas afastado da tua presença;

quando eu, porém, clamei a ti,

ouviste o brado das minhas súplicas.

24Amem o Senhor, todos os que são seus amigos!

O Senhor protege os que lhe são fiéis,

mas castiga severamente os que são rebeldes.

25Sejam fortes e tenham coragem

já que o vosso coração espera no Senhor.

32

Confissão e perdão

321Poema da coleção de David.

Feliz aquele a quem foram perdoadas as culpas,

a quem foram desculpados os pecados.

2Feliz o homem em cuja consciência não há maldade

e em quem o Senhor não encontra iniquidade32,2 Ver Rm 4,7–8..

3Enquanto eu escondia as minhas faltas,

chorava todo o dia e o meu corpo definhava.

4Pois dia e noite me castigavas com mão pesada!

Fui consumido pelo calor do verão.

5Confessei-te os meus pecados e não escondi as minhas culpas,

dizendo: «Eu te confesso as minhas iniquidades,

ó Senhor, meu Deus.»

E tu perdoaste a culpa do meu pecado.

6Por isso, nos momentos de angústia,

todos os fiéis te invocarão;

e, mesmo que transbordem águas caudalosas,

elas não chegarão junto deles.

7Tu és o meu refúgio: tu me salvarás da angústia.

És a minha proteção: tu me livrarás e guardarás.

8«Vou ensinar-te e mostrar-te

o caminho que deves seguir;

guiar-te-ei sem te perder de vista.

9Não sejas como o cavalo ou como a mula,

que não têm entendimento e precisam de cabresto e freio,

para os dominares e te poderes aproximar.»

10Muitas coisas fazem sofrer os maus,

mas o amor do Senhor rodeia os que nele confiam.

11Alegrem-se os justos e regozijem-se no Senhor,

cantem com alegria, todos os que são retos de coração!