a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
55

Oração dum perseguido

551Ao diretor do coro. Com instrumentos de cordas. Hino da coleção de David.

2Ouve, ó Deus, a minha oração;

presta ouvidos à minha súplica!

3Escuta-me e responde-me;

desce para acolher a minha queixa.

4Eu tremo ao ouvir os gritos dos inimigos,

ao enfrentar os pecadores.

Eles fazem cair a desgraça sobre mim

e perseguem-me com ódio.

5Aperta-se-me no peito o coração;

o terror da morte caiu sobre mim.

6Terrores e tremores apoderam-se de mim;

estou a tremer de medo!

7Quem me dera ter asas como a pomba,

para poder voar e achar abrigo!

8Fugiria para bem longe,

viveria no deserto.

9Buscaria depressa um refúgio

contra a fúria do vento e da tempestade.

10Senhor reduz ao silêncio as suas línguas mentirosas,

pois vejo na cidade violência e discórdia.

11Dia e noite rondam pelas muralhas

e reina dentro delas o crime e a intriga.

12Dentro da cidade habita a maldade;

das suas ruas não saem a opressão e a fraude.

13Se quem me ofendeu fosse um inimigo,

esse podia eu suportar;

se quem se voltou contra mim fosse o que me odeia,

desse eu podia esconder-me.

14Mas foste tu, meu íntimo amigo,

companheiro de todas as horas,

15com quem eu partilhava conselhos agradáveis,

com quem eu ia feliz ao templo de Deus!

16Que a morte surpreenda os meus inimigos!

Que desçam vivos ao mundo dos mortos,

porque a malvadez habita no íntimo dos seus corações.

17Quanto a mim, invoco a Deus;

o Senhor me salvará.

18À tarde, de manhã e ao meio-dia orarei;

queixar-me-ei e ele escutará a minha voz.

19Ele resgatou-me completamente

e pôs-se do meu lado;

pois eram muitos os que estavam contra mim.

20Deus, que reina eternamente, e nunca muda,

ouvir-me-á e os humilhará.

Mas nem assim eles temem a Deus.

21Levantam a mão contra os próprios amigos;

não cumprem os acordos de amizade.

22Usam palavras mais macias que a manteiga,

mas os seus pensamentos são de guerra;

dizem coisas mais suaves que o azeite,

mas no fundo são espadas afiadas.

23«Deixa os teus cuidados ao Senhor

e ele te fortalecerá,

pois não deixará que o justo sucumba para sempre.»

24Tu, ó Deus, os precipitarás no abismo da morte.

Os homens sanguinários e mentirosos

não viverão metade dos seus dias.

Eu, porém, confio em ti.

56

Oração de confiança em Deus

561Ao diretor do coro. Segundo «A Pomba dos Senhores de Longe». Poema da coleção de David, aludindo ao facto de os filisteus se terem apoderado dele, em Gat.

2Tem compaixão de mim, ó Deus,

pois há quem me queira destruir,

oprimindo-me e destroçando-me todo o dia.

3Os meus adversários perseguem-me continuamente;

são tantos, ó Altíssimo, os que lutam contra mim.

4Quando tiver medo, confiarei em ti.

5Confio em Deus e celebro as suas palavras;

confio em Deus e não terei medo.

Que mal me podem fazer os homens?

6Eles mudam continuamente o sentido das minhas palavras;

os seus pensamentos são maldosos contra mim.

7Amotinam-se e escondem-se, espiando os meus passos,

esperando o momento de me matarem.

8Ó Deus, livra-nos da sua maldade;

derruba os povos na tua ira.

9Lembra-te de quantas vezes eu tive de fugir,

regista igualmente as minhas lágrimas,

pois tudo fica anotado no teu livro.

10No dia em que eu te pedir auxílio,

e os meus inimigos retrocederem,

eu ficarei a saber que tenho Deus por mim.

11Confio em Deus e celebro as suas palavras;

sim, confio no Senhor e celebro as suas palavras;

12confio em Deus e não terei medo.

Que mal me podem fazer os homens?

13As promessas que te fiz, ó Deus,

quero cumpri-las com ações de graças

14porque me salvaste da morte

e me livraste de cair no abismo,

para viver na presença de Deus,

com a luz da vida56,14 Ou: na terra dos vivos..

57

Oração pedindo auxílio

(Salmos 108,2–6)

571Ao diretor do coro. Poema da coleção de David, recordando a ocasião em que ele se escondeu de Saul numa caverna57,1 Cf. Sl 142,1. Ver 1 Sm 22,1–2; 24,1–9..

2Tem compaixão de mim, ó Deus, tem compaixão,

porque em ti busco proteção.

Quero abrigar-me debaixo das tuas asas,

até que o perigo tenha passado.

3Invocarei Deus, o Altíssimo,

Deus que me dá tudo aquilo de que eu preciso.

4Que ele me envie do céu o seu auxílio

e me salve dos que procuram destruir-me;

que Deus envie o seu amor e a sua verdade.

5Estou rodeado por inimigos,

que são como leões dispostos a devorar seres humanos;

os seus dentes são como lanças e flechas

e a sua língua, como uma espada afiada.

6Ó Deus, mostra nos céus a tua grandeza

e na terra o teu poder!

7Puseram uma armadilha no meu caminho

para me fazerem cair;

cavaram um fosso diante de mim,

mas foram eles que nele caíram.

8O meu coração está decidido, ó Deus,

decidido a cantar-te hinos.

9Ó minha alma, desperta! Despertem harpa e lira!

Quero hoje despertar a aurora!

10Dar-te-ei graças, entre os povos, ó Senhor,

cantar-te-ei salmos entre as nações.

11O teu amor é tão grande que chega até aos céus

e a tua lealdade alcança o infinito.

12Ó Deus, mostra nos céus a tua grandeza

e na terra o teu poder!