a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
74

Oração pela libertação do povo

741Poema da coleção de Assaf74,1 Ver 50,1 e nota..

Ó Deus, por que nos abandonaste para sempre?

Por que se voltou a tua ira

contra as ovelhas de quem és o pastor?

2Lembra-te do teu povo,

que escolheste há tanto tempo,

das tribos que resgataste para te pertencerem,

do monte de Sião, onde tens a tua morada.

3Vem ver estas ruínas sem fim;

o inimigo tudo destruiu no santuário!

4Os teus inimigos cantaram vitória no teu santuário;

ergueram nele as suas bandeiras como troféus.

5Atacaram a entrada superior

e destruíram os madeiramentos a golpe de machado.

6Destroçaram as suas portas,

batendo com martelos e malhos.

7Deitaram fogo ao teu santuário e profanaram-no,

deitando por terra a tua habitação.

8Decidiram destruir-nos completamente

e queimaram todos os santuários de Deus no país.

9Já não há sinais para nós,

já não existem profetas,

e ninguém sabe até quando isto durará!

10Até quando, ó Deus, irá ultrajar-nos o inimigo?

Até quando falará com desprezo do teu nome?

11Por que retiras a tua mão poderosa?

Por que ficas de braços cruzados?

12Ó Deus, desde sempre tu foste o meu rei;

conseguiste muitas vitórias nesta terra.

13Tu, ó Deus, abriste o mar com o teu poder;

esmagaste a cabeça dos monstros marinhos.

14Despedaçaste as cabeças do Leviatã74,14 Ver Is 27,1.

e deste-o a comer às feras do deserto74,14 Ou: aos monstros do mar..

15Fizeste brotar fontes e nascentes

e secaste rios caudalosos.

16O dia e a noite pertencem-te;

estabeleceste a Lua e o Sol.

17Fixaste os limites da terra inteira;

determinaste o verão e o inverno.

18Lembra-te, Senhor, que o inimigo escarnece de ti

e que um povo insensato despreza o teu nome.

19Não entregues às feras a vida dos teus fiéis74,19 Ou: da tua pomba.;

não te esqueças para sempre do teu povo indefeso.

20Lembra-te da aliança que fizeste connosco,

porque o país de lés a lés está cheio de violência.

21Não consintas que humilhem os oprimidos,

faz com que te louvem o pobre e o necessitado.

22Ergue-te, ó Deus, defende a tua causa!

Lembra-te que os insensatos te ofendem sem cessar!

23Não te esqueças dos gritos dos teus inimigos:

a vozearia dos rebeldes contra ti sobe cada vez mais.