a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
24

A sabedoria é louvada24,1 Este título faz parte do texto original.

241A sabedoria elogia-se a si mesma e gloria-se no meio do seu povo.

2Na assembleia do Altíssimo abre a sua boca

e na presença do seu exército24,2 Ou: anjos ou: povo de Israel. ela diz:

3«Eu saí da boca do Deus Altíssimo e como a neblina cobri a terra.

4Eu morei nos mais altos céus,

e o meu trono estava sobre uma coluna de nuvem.

5Sozinha percorri o globo do céu

e andei pelas profundezas dos abismos24,5 Ver Gn 7,11 e nota..

6Ondas do mar, a terra inteira,

todas as nações e todos os povos, sobre tudo isto dominei.

7Por todas estas coisas procurei um lugar onde pudesse descansar,

uma herança onde pudesse morar.

8Então o Criador de todas as coisas deu-me uma ordem;

aquele que me criou escolheu o lugar onde eu iria morar.

Ele disse: “Habita em Jacob; Israel será a tua herança.”

9No princípio, antes que o tempo existisse, ele criou-me,

e por toda a eternidade não deixarei de existir.

10No Tabernáculo Santo eu servi a Deus como sacerdote

e assim fiquei a morar em Sião.

11Na cidade amada, igualmente me deu repouso,

e em Jerusalém está o meu domínio.

12As minhas raízes espalharam-se no meio de um povo famoso;

na porção do Senhor, a sua herança.

13Cresci como um cedro do Líbano,

como um cipreste no monte Hermon.

14Cresci como uma palmeira na fonte de En-Guédi,

como as roseiras em Jericó.

Cresci como uma bonita oliveira na planície,

fiquei alta como um plátano.

15Deitei um perfume como o da canela e da cana odorífera,

espalhei o odor da mirra escolhida,

como a fragrância do gálbano, do ónix e do benjoim,

como o fumo de incenso no tabernáculo santo.

16Fiz com que os meus ramos crescessem como os do terebinto;

os meus ramos estão cheios de glória e de graça.

17Como a videira, fiz brotar graciosos ramos;

as minhas flores dão frutos de glória e de riqueza.

18[Eu sou a mãe do amor puro, do temor de Deus,

do conhecimento e da santa esperança.

Aos meus filhos sou concedida,

gerada desde a eternidade para os escolhidos de Deus24,18 Este versículo não se encontra em alguns manuscritos antigos..]

19Venham a mim todos os que me desejam

e comam os meus frutos até não quererem mais.

20Pensar em mim é mais gostoso do que o mel;

possuir-me traz maior prazer do que um favo de mel.

21Os que se alimentarem de mim terão ainda mais fome,

os que me beberem terão ainda mais sede.

22Quem me obedecer não se envergonhará,

e os que fazem as minhas obras não pecarão.»

A sabedoria e a lei

23Tudo isto é o livro da aliança do Deus Altíssimo,

a lei que Moisés nos deu, a herança das congregações de Jacob.

24[Não se cansem de buscar a força do Senhor;

Unam-se a ele para que ele vos fortaleça.

O Senhor todo-poderoso é o único Deus;

não há outro Salvador além dele24,24 Este versículo não se encontra em alguns manuscritos antigos..]

25A lei está cheia da sabedoria, como o rio Pichon,

e como o Tigre na época dos primeiros frutos.

26A lei está cheia de entendimento, como o Eufrates

e como o Jordão no tempo da colheita.

27Faz brilhar a instrução como a luz,

como o rio Guion no tempo da vindima.

28O primeiro ser humano não a compreendeu completamente;

nem o último, do mesmo modo, a descobriu.

29Os seus pensamentos são mais extensos do que o mar,

os seus conselhos são mais profundos do que o grande abismo.

30E eu sou como o canal de um rio,

como um aqueduto que leva água para um jardim.

31Eu pensei: «Vou regar o meu jardim;

vou saciar de água até os meus canteiros.»

Então o meu canal tornou-se um rio, e o rio um mar.

32Farei com que a minha instrução continue a brilhar como a aurora,

e farei com que ela ilumine muito longe.

33Novamente darei as minhas lições como um profeta;

deixá-las-ei às gerações futuras.

34Vejam: não tenho trabalhado somente para mim mesmo,

mas para todos os que procuram a sabedoria.

1

Introdução e saudação

11Este livro contém a revelação de Jesus Cristo que ele recebeu de Deus, para a dar a conhecer aos seus servos. Trata-se de coisas que hão de acontecer brevemente e que Cristo deu a conhecer ao seu servo João por um anjo que lhe enviou.

2João atesta tudo quanto viu em relação à palavra e ao testemunho de Jesus Cristo. 3Feliz aquele que lê este livro e felizes os que ouvem estas palavras proféticas e guardam o que aqui está escrito1,3 O autor afirma que é preciso ler, ouvir e guardar estas palavras. A Sagrada Escritura foi escrita por causa desta triologia verbal: ler, ouvir e guardar. Quem assim fizer, será feliz., porque tudo isto há de acontecer em breve.

4Eu, João, dirijo-me às sete igrejas da província da Ásia1,4 As sete igrejas são enumeradas no v. 11.. Desejo-vos graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, e ainda da parte dos sete espíritos1,4 Sete Espíritos. O número sete simboliza a perfeição. Os sete espíritos simbolizam, portanto, a ação misteriosa de Deus na história dos homens. que estão diante do seu trono, 5e de Jesus Cristo, a testemunha fiel, o primeiro dos ressuscitados, o soberano dos reis da Terra.

Cristo ama-nos e pela sua morte libertou-nos dos nossos pecados. 6Ele fez de nós um reino de sacerdotes para Deus, seu Pai. A ele seja dada glória e o poder para todo o sempre. Ámen.

7Eis que ele vem com as nuvens.

Toda a gente o verá,

até mesmo os que o mataram.

Todos os povos da Terra se lamentarão por ele.

Assim há de ser! Ámen!

8Eu sou o Alfa e o Ómega1,8 Alfa e Ómega. Primeira e última letra do alfabeto grego (21,2; 22,13). A expressão significa: o Primeiro e o Último ou o Princípio e o Fim., diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.

Cristo revela-se a João

9Eu sou João, vosso irmão, e participo convosco nas mesmas perseguições no reino de Deus e na perseverança por Jesus. Encontrava-me na ilha de Patmos1,9 Patmos. Pequena ilha do mar Egeu para onde os romanos exilavam as pessoas que julgavam politicamente indesejadas. por ter proclamado a palavra de Deus e o testemunho de Jesus. 10O Espírito de Deus apoderou-se de mim, no dia do Senhor, e eu ouvi atrás de mim uma voz forte que parecia a voz duma trombeta. 11Dizia assim: «Escreve num livro aquilo que vais ver, e manda-o às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia.» 12Voltei-me para ver quem é que me falava e, ao voltar-me, vi sete castiçais de ouro1,12 Sete castiçais. Representam as sete igrejas a quem o autor escreveu. Ver 1,20.. 13E no meio dos castiçais estava alguém semelhante ao Filho do Homem vestido até aos pés com uma túnica comprida e uma faixa dourada à volta do peito. 14A sua cabeça e os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve e os seus olhos eram ardentes como o fogo. 15Os seus pés brilhavam como bronze fundido na fornalha e a sua voz era como o ruído das grandes cascatas1,15 Para os v. 13–15, ver Dn 7,13; 10,5; 7,9; 10,6.. 16Na sua mão direita tinha sete estrelas; da sua boca saía uma espada de dois gumes muito afiada e o seu rosto brilhava como o sol do meio-dia.

17Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Mas ele pôs a sua mão direita em cima de mim e disse: «Não tenhas medo! Eu sou o primeiro e o último1,17 Para os v. 16–17, ver Is 49,2; Hb 4,12; Is 44,6; 48,12.. 18Eu sou aquele que está vivo! Estive morto, mas agora vivo para sempre. Eu tenho poder sobre a morte e sobre o mundo dos mortos. 19Escreve pois aquilo que viste, o que está a acontecer agora e o que vai acontecer mais tarde. 20O significado das sete estrelas que viste na minha mão direita e dos sete castiçais de ouro é o seguinte: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais são essas sete igrejas.»