61 - Os milagres de Jesus - COMER ATÉ FARTAR

OS MILAGRES DE JESUS
Antes, gostava muito dos filmes do Woody Allen. Ele é famoso por criar co-médias que retratam pessoas desajeitadas (com ele no papel principal), a lutar com as questões da vida, da morte e de Deus. Num determinado filme, Allen disse de forma sarcástica: “Se eu pudesse ver um milagre a sério, acreditava”. Mas, descobri que as personagens de Woody Allen, nunca acreditam — apenas procuram. Hoje em dia, tenho dificuldade em ver os seus filmes, porque, questiono-me se, de facto, ele deseja encontrar a resposta. Para mim, um beco sem saída não tem nada de humor.

Mas, como iremos descobrir nas próximas cinco leituras, ver não significa crer. Jesus realizou todo o tipo de milagres. Curou coxos e cegos, andou sobre as águas e mudou o estado do tempo, expulsou demónios e ressuscitou mortos. E, muitos colocaram a sua fé e confiança nele. Mas, ver milagres, também, fez com que outros se lhe opusessem, como os líderes religiosos. A verdade é que, se decidirmos não acreditar, não há prova que nos faça mudar de ideias.

Josh McDowell, autor e orador, é uma pessoa que se debateu, arduamente, com as questões da vida, da morte e de Deus. Foi à procura de respostas, e tentou ser honesto quanto às suas suposições. McDowell decidiu provar, que Jesus não era divino e que o Cristianismo era uma fraude. Pesquisou e analisou tudo quanto pôde e reuniu grandes quantidades de informação. Mas, no fim, concluiu que a sua suposição inicial estava errada. As provas apontavam para uma conclusão: Jesus Cristo era quem afirmava ser — o Filho de Deus, Salvador e Senhor de todos.

No seu livro, A Evidência que Exige um Veredito, (Editora Candeia, Brasil) McDowell salienta que um filósofo famoso comparou a fé a um “salto no escuro”. Mas, depois de ter avaliado a informação de forma honesta, Josh McDowell disse que, para ele, ter fé em Jesus foi como um “salto para a luz”.

Jesus combinou os seus ensinamentos com milagres (Mateus 4:23) e instruiu os seus discípulos a fazerem o mesmo (Lucas 9:1-2). Foi uma ligação poderosa, mas, o maior milagre de todos foi quando ele voltou a viver, depois, de ter morrido na cruz pelos nossos pecados. Esse foi o grandioso milagre, que legi-timou tudo o que ele disse e fez.

ORAÇÃO
“Bendito Senhor, que fizeste com que as sagradas Escrituras fossem escritas para o nosso ensino: permite que possamos ouvi-las, lê-las, marcá-las, aprendê-las e digeri-las, interiormente, de forma sábia…” (O Livro de Oração Comum, Igreja Lusitana)

Texto (s) da Bíblia

REFLEXÃO

Qualquer político ou líder de jovens sabe qual o segredo para atrair uma grande multidão: comida grátis! Jesus não era político, mas, o seu milagre da multiplicação dos pães, que alimentou 5.000 homens (para não falar nos milhares de mulheres e crianças que, certamente, estavam presentes) teve uma importância tremenda, tanto para os discípulos como para nós.

Para compreender este milagre, na sua totalidade, temos de considerar o contexto em que ocorreu. Como já descobrimos, Jesus tinha estado a pregar acerca do reino dos céus (Mateus 13). Depois, envia os discípulos com a mesma mensagem (9:1-2). “Já viram como eu faço — agora experimentem vocês.” Hoje em dia, há pessoas que ficam ofendidas com a ideia de evangelismo. Mas, Jesus não pediu aos seus seguidores que impusessem um conjunto de crenças pessoais aos outros. Pediu, simplesmente, que curassem as pessoas e partilhassem as Boas Novas (9:6).

Quando os discípulos regressaram, Jesus levou-os à parte para ficarem a sós e conversarem sobre o que tinha acontecido (9:10), um bom modelo para os que estão envolvidos no ministério. Foi, então, que ele decidiu alimentar a multidão. Era bom sabermos como tudo aconteceu. Será que caíram pães do céu? Será que o pão se repôs, automaticamente, enquanto as pessoas se serviam? O texto só diz: “Todos comeram até ficarem satisfeitos…” (9:17). Mas, o facto é que Jesus tinha dado aos seus discípulos um símbolo inesquecível, daquilo que lhes tinha vindo a ensinar: que o reino de Deus multiplica-se, à medida que vai sendo transmitido.

O milagre demonstrou, também, outra verdade importante: Jesus era, verdadeiramente, o Filho de Deus. Pedro compreendeu isto mais cedo do que todos os outros (9:20). E, cerca de uma semana mais tarde, Deus confirmou-o a Pedro, João e Tiago na sublime “experiência no monte” (9:28-36). Jesus não criou comi-da de forma milagrosa para atrair a multidão. Fê-lo, antes, para confirmar uma mensagem importante: “Eu sou Deus em carne. Estou aqui para estabelecer um reino que deve crescer. Preciso que falem dele aos outros.”

APLICAÇÃO

O que pensas acerca de partilhar as Boas Novas de Deus com os outros?

ORAÇÃO

Pai, tens-me dado tanto através do teu Filho, Jesus Cristo. Com a tua ajuda, estou pronto a partilhar as Boas Novas com as outras pessoas