68 - A cruz de Cristo - PAGO NA TOTALIDADE!!!

ORAÇÃO
Ó Deus, começo este tempo a sós contigo confessando os meus pecados. Obrigado por estares disposto e seres capaz de me perdoar e limpar.

Texto (s) da Bíblia

REFLEXÃO

O relato da crucificação descrito por João parece uma notícia de última hora no título de um jornal; está cheio de pormenores importantes. Contudo, não é um relato sensacionalista. Apenas, deixou que os factos falassem por si. É difícil compreender a tortura que Jesus suportou na totalidade — as chicotadas, os espinhos cravados no couro cabeludo, os murros na cara, os pregos a trespassar as mãos e os pés, um golpe de espada à queima-roupa. Foi um assassínio macabro. Mas, naqueles dias a crucificação era comum, por isso, esta, não deve ter feito as primeiras páginas dos jornais.

Há um pormenor da história que é bastante explícito: os líderes religiosos odiavam Jesus. Gritavam, pedindo a sua execução, eram como lobos em volta da presa (19:6-16). É de admirar que ninguém lhes tenha perguntado: “Se é verdade que ele não é o Filho de Deus, como dizem, por que estão tão preocupados com ele?” É uma boa questão para colocar a quem se opõe veementemente a Jesus, hoje em dia. Por fim, até Pilatos percebeu o que motivava os líderes religiosos, e no seu modo débil respondeu-lhes, “ O que escrevi, escrevi” (19:22), como que a dizer, “Basta, já chega!”

Porém, o significado da cruz vai para além dos factos históricos. Mesmo antes de morrer, Jesus gritou: “Tudo está cumprido” (19:30). Noutras versões lemos: “Está consumado” ou “Está acabado”. Alguns podem ter pensado que eram as últimas palavras de um homem acabado. Mas no Grego, o significado literal da palavra que Jesus usou era: “Pago na totalidade” — a mesma palavra que era carimbada numa factura depois de paga. Em vez de um arfar moribundo, a última palavra de Jesus foi um grito triunfante: “Eu paguei o preço total pelos pecados de todo o mundo para toda a eternidade. A morte já não tem a última palavra. O reino das trevas foi derrotado. Completei a minha missão. Está consumado!”

Um outro aspeto interessante no artigo de João é a história de Nicodemos (19:39). No seu primeiro encontro, Nicodemos parece não ter correspondido a Jesus, concretamente (João 3:1-21). Mas, ao pé da cruz, a verdade, finalmente, fez sentido e este líder religioso afasta-se dos seus colegas enraivecidos e identifica-se publica-mente como seguidor de Jesus. É aos pés da cruz que tudo, finalmente, faz sentido.

APLICAÇÃO

És um discípulo secreto? Porquê? Qual é o significado da cruz na tua vida?

ORAÇÃO

Senhor Jesus, agradeço-te por tudo o que passaste na cruz por mim. Hoje e todos os dias, o meu desejo é identificar-me publicamente como teu seguidor.