a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
1

A primeira semana do mundo

11No princípio, quando Deus criou o céu e a terra1,1 Ou: No princípio, Deus criou o céu e a terra. Gn 2,4–25; Dt 4,32; Jb 26,7–14; 38–39; Sl 8; 33,9; 89,10–13; 104; Pv 8,22–31; Is 42,5; Mc 13,19; Jo 1,3; Ef 3,9; Hb 11,3; Ap 4,11; 10,6., 2a terra estava sem forma e sem ordem. Era um mar profundo coberto de escuridão; mas sobre as águas pairava o Espírito de Deus1,2 Ou: e um vento fortíssimo soprava à superfície das águas. Em hebraico, espírito e vento são a mesma palavra e a expressão de Deus pode ter o sentido de um superlativo.. 3Então Deus disse: «Que a luz exista!» E a luz começou a existir. 4Deus achou que a luz era uma coisa boa e separou-a da escuridão. 5E Deus chamou à luz dia e à escuridão, noite. Passou uma tarde e veio a manhã: o dia um.

6Depois Deus disse: «Que exista um firmamento entre as águas, para as separar umas das outras.» 7E Deus fez então o firmamento, separando assim as águas que estão do lado de baixo das que estão do lado de cima1,7 No pensamento oriental antigo, o firmamento era uma abóbada sólida que devia separar as águas armazenadas por cima dele das que estavam por debaixo. Ver nota a 7,11.. E assim aconteceu. 8Deus chamou céu a este firmamento. Passou uma tarde e veio a manhã: o segundo dia.

9Deus disse então: «Que as águas que estão debaixo do céu se juntem num único lugar e que fique à vista a terra firme.» E assim aconteceu. 10Deus chamou terra à terra firme e chamou mar às águas assim reunidas. E achou que tudo aquilo eram coisas boas. 11Deus disse ainda: «Que a terra produza ervas e plantas que deem semente e árvores que deem fruto, cada uma conforme a sua qualidade e que o fruto contenha a semente própria.» E assim aconteceu. 12A terra produziu toda a espécie de ervas, que dão semente, conforme a sua qualidade, e árvores de fruto, com a semente própria de cada uma. E Deus achou que aquilo eram coisas boas. 13Passou uma tarde e veio a manhã: o terceiro dia.

14Deus disse então: «Que existam luzeiros no firmamento, para distinguirem o dia da noite; e que eles sirvam de sinal para marcar as divisões do tempo, os dias e os anos. 15E que esses luzeiros, colocados no céu1,15 Dando aos astros o nome de luzeiros, o autor sublinha a função prática que eles têm e retira-lhes o caráter mítico que levava as religiões orientais a divinizá-los., sirvam também para iluminar a terra.» E assim aconteceu. 16Deus fez os dois grandes luzeiros: o maior deles, o Sol, para presidir ao dia, e o mais pequeno, a Lua, para presidir à noite, e ainda as estrelas. 17Colocou-os no firmamento, para iluminarem a terra 18e presidirem ao dia e à noite, fazendo assim a separação entre a luz e a escuridão. E Deus achou que aquilo eram coisas boas. 19Passou uma tarde e veio a manhã: o quarto dia.

20Deus disse depois: «Que as águas sejam povoadas de seres vivos e que entre a terra e o firmamento haja aves a voar.» 21E Deus criou os grandes cetáceos1,21 Outras traduções: crocodilos, serpentes e monstros marinhos. e toda a espécie de seres vivos que se movem e povoam as águas e ainda todas as espécies de aves. E Deus achou que eram coisas boas 22e abençoou-os desta maneira: «Sejam férteis e cresçam; encham as águas do mar e que, em terra, as aves se multipliquem também.» 23Passou uma tarde e veio a manhã: o quinto dia.

24Depois Deus disse: «Que a terra produza toda a espécie de seres vivos: animais domésticos, animais selvagens e todos os bichos, conforme as suas diferentes espécies.» E assim aconteceu. 25Deus criou todas as espécies de animais selvagens, de animais domésticos e todos os bichos. E achou que todos eram coisas boas.

26Deus disse ainda: «Façamos o ser humano à nossa imagem e semelhança. Que ele tenha poder sobre os peixes do mar e as aves do céu; sobre os animais domésticos e selvagens e sobre todos os bichos que andam sobre a terra.» 27Deus criou então o ser humano à sua imagem; criou-o como verdadeira imagem de Deus1,27 Gn 5,1–2; 9,6; 1 Co 11,7; Cl 3,10.. E este ser humano criado por Deus é o homem e a mulher1,27 Gn 5,2; Mt 19,4; Mc 10,6..

28Deus abençoou-os desta maneira: «Sejam férteis e cresçam; encham a terra e dominem-na; dominem sobre os peixes do mar e as aves do céu e sobre todos os animais que andam sobre a terra.» 29Deus continuou: «Dou-vos todas as plantas que produzem semente e que existem em qualquer parte da terra e todas as árvores de fruto, com a sua semente própria. É isso que devem comer. 30Dou todas as verduras como alimento aos animais e aves, a todos os seres vivos que andam sobre a terra.» E assim aconteceu.

31E Deus achou que tudo aquilo que tinha feito era muito bom. Passou uma tarde e veio a manhã: o sexto dia.

2

21Assim ficaram completos o céu e a terra, com tudo aquilo que contêm. 2No sétimo dia, Deus tinha completado a sua obra e nesse sétimo dia Deus descansou dos trabalhos que tinha vindo a fazer. 3Deus abençoou o sétimo dia e fez dele um dia sagrado, pois foi o dia em que ele descansou2,3 O nome do sétimo dia, sábado, é igual à expressão que em hebraico significa “paragem”, “descanso”. Ver Ex 20,8–11; Hb 4,4.10 de todo o trabalho de criação que tinha feito.

4É esta a história da criação do céu e da terra.

A terra era um jardim

Quando o Senhor Deus fez a terra e o céu, 5ainda não havia plantas na terra nem tinha brotado a erva. É que o Senhor Deus não tinha feito cair a chuva sobre a terra nem existia nenhum ser humano para trabalhar nela, 6mas uma corrente de água começava a brotar da terra e regava os campos.

7O Senhor Deus modelou o homem com barro da terra. Soprou-lhe nas narinas e deu-lhe respiração e vida. E o homem tornou-se um ser vivo.

8O Senhor Deus preparou um jardim em Éden2,8 A palavra hebraica Éden é semelhante a uma outra que significa “delícia”. Daí a conotação de paraíso que este jardim tem. Gn 3,23–24; Is 51,3; Ez 28,13; 31,9.16.18., lá para o oriente, e colocou nele o homem que tinha modelado. 9Da terra, fez nascer toda a espécie de árvores que eram agradáveis à vista e davam bons frutos para comer. No meio do jardim estava a árvore da vida e a árvore do conhecimento do bem e do mal2,9 Árvore da vida. Ver Pv 3,18; Ap 2,7; 22,2.14. Árvore do conhecimento do bem e do mal ou árvore do conhecimento total e completo. Ver Gn 3,5.22; Dt 1,39; 2 Sm 14,17; Is 7,15–16..

10Em Éden nasce um rio que rega o jardim e depois se divide em quatro rios diferentes. 11O nome do primeiro é o Pichon, que rodeia a terra de Havilá, onde há muito ouro. 12O ouro daquela terra é muito bom e há lá também âmbar e lápis-lazúli. 13O segundo rio chama-se Guion, que rodeia toda a terra de Cuche2,13 Os nomes dos rios e das terras presentes nestes versículos são, na maioria, desconhecidos. Parecem situar-se nas redondezas da Mesopotâmia. Cuche, que aqui aparece como região da Mesopotâmia é, contudo, situada em África, na zona entre o Sudão e a Etiópia, tanto por autores antigos como modernos, como acontece em outras passagens da Bíblia.. 14O terceiro rio chama-se Hidéquel2,14 Hidéquel. Conhecido nos tempos atuais por Tigre., que passa na zona oriental da Assíria. E o quarto rio é o Eufrates.

15O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden, para nele trabalhar e para o guardar. 16E deu-lhe estas ordens: «Podes comer do fruto de qualquer árvore, menos do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. 17Deste não podes comer de maneira nenhuma. No dia em que dele comeres, ficas condenado a morrer2,17 Ver Rm 6,23.

18O Senhor Deus disse ainda: «Não é bom que o homem fique sozinho. Vou-lhe arranjar uma companhia apropriada.» 19E o Senhor Deus modelou também de terra muitas espécies de animais selvagens e de aves e apresentou-os ao homem, para ver que nome ele lhes dava. O nome que ele dava a cada um desses seres vivos é o nome com que ficaram. 20O homem deu nome a todos os animais domésticos, às aves e aos animais selvagens, mas nenhum era a companhia apropriada para ele.

21O Senhor Deus fez com que o homem adormecesse e dormisse um sono muito profundo. Durante o sono, tirou-lhe uma das costelas e fez crescer de novo a carne naquele lugar. 22Da costela que tinha tirado do homem, o Senhor Deus fez a mulher e apresentou-a ao homem2,22 Homem. Com esta palavra traduz-se nos capítulos 1—3 a palavra hebraica, adam, que de 4,1 em diante será, por vezes, traduzida por Adão. Usa-se também para designar coletivamente a “Humanidade” ou simplesmente o “ser humano”. A palavra deriva do hebraico adamá (terra).. 23Este declarou:

«Desta vez, aqui está alguém

feito dos meus próprios ossos

e da minha própria carne.

Vai chamar-se mulher;

porque foi formada do homem2,23 A palavra mulher, em hebraico ichá, é simplesmente uma forma feminina da palavra homem, em hebraico ich.

24Por isso, o homem deixa a casa do pai e da mãe para se unir com a sua mulher e ficam a ser um só corpo2,24 Ml 2,14–15; Mt 19,5; Mc 10,7–8; 1 Co 6,16; Ef 5,31..

25Tanto o homem como a mulher andavam nus, sem sentirem nenhuma vergonha por isso.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]